Tudo sobre: Acne

Introdução

A acne é uma doença de pele comum nos felinos. Acomete principalmente a região do queixo, lábio inferior e focinho (em cães). Nos gatos, apresenta-se inicialmente como pontos pretos (comedões), por isso, os tutores costumam se queixar que o animal está com o “queixo sujo”. Nos casos crônicos, podem se desenvolver cistos e cicatrizes.

Em felinos, não há predisposição racial e sexual, acomete adultos e idosos, sendo incomum em animais jovens. De outro modo, em cães, a acne surge na puberdade, possivelmente por envolvimento hormonal e possui predisposição racial, como relatado nas seguintes raças: Boxer, Buldogue, Weimaraner e Dobermann.

Nos felinos, a causa da doença ainda não é bem esclarecida, acredita-se que seja um distúrbio na queratinização folicular, decorrente de predisposição multifatorial: alteração do ciclo de crescimento do pelo, hábito pobre de higienização, estresse, produção sebácea anormal (substância oleosa para lubrificar e impermeabilizar a pele e os pelos), imunossupressão e infecção viral crônica concorrente. 

A acne canina é caracterizada por foliculite (inflamação do folículo piloso) e furunculose (rompimento do folículo piloso), como consequência de uma obstrução do folículo piloso, por material queratinoso ou sebáceo, ou uma infecção, que resultam no rompimento do folículo.

A acne felina está associada aos cuidados inadequados ou à falta de cuidado do felino. Já a acne canina, está relacionada à inflamação dos pelos curtos do queixo resultante de abrasões diárias provocadas quando o cão se esfrega em superfícies. A acne também ser secundária a patologias como demodicose, dermatofitose, malasseziose ou granuloma eosinofílico, em cães também pode ser consequência de doenças autoimunes, metabólicas e neoplásicas. 

O diagnóstico será baseado nos sinais clínicos e exames complementares, para exclusão de outras patologias como demodicose, malasseziose, dermatofitose e atopia. Geralmente, o tratamento tópico é suficiente, mas em casos mais graves pode ser necessária terapia sistêmica.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

-Comedões;

-Nódulos cutâneos;

-Folículo piloso recoberto por secreções;

-Edema e inflamação;

-Sensibilidade;

-Prurido;

-Alopecia;

-Hiperqueratose;

-Hiperpigmentação;

-Microabscessos

Observações: Em alguns casos, pode ocorrer febre, anorexia e linfoadenomegalia.

Diagnóstico

Associação de anamnese, histórico e exame clínico.

-Histopatologia

-Pesquisa parasitológica do raspado cutâneo

-Micológico direto

-Lâmpada de Wood

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento

Geralmente, o tratamento tópico é suficiente, mas em casos mais graves, pode ser necessário terapia sistêmica.

O medicamento a ser utilizado irá variar de acordo com a presença ou ausência de infecção, podendo ser administrados antibióticos e antifúngicos. Desta forma, o animal deve ser avaliado por um(a) Médico(a) Veterinário(a), pois este saberá indicar o tratamento adequado para cada tipo de paciente.

A tricotomia (retirada dos pelos) da área lesionada é o primeiro passo do tratamento, permitindo a limpeza profunda dos folículos e a aplicação de medicação nas lesões.

Podem ser realizadas compressas quentes, pois o calor leva à abertura dos poros da pele, facilitando a penetração da medicação tópica. As compressas devem ser colocadas por dois a quatro minutos.

Prevenção

As lesões dos animais não devem ser espremidas, pois este ato aumenta a probabilidade do rompimento dos folículos, resultando em agravamento do quadro clínico.

É necessário se atentar ao momento do banho, principalmente nas raças de cães com predisposição, pois o animal deve ser seco adequadamente para evitar a proliferação de bactérias e fungos, principalmente nas regiões de dobras.

Referências Bibliográficas

FARIA, V. P. de; PIMENTEL, C. D. G.; Acne felina. Pulo do gato, Campinas, 24 jun. 2013. Disponível em: <https://www.revistapulodogato.com.br/materias/ler-materia/9/acne-felina>. Acesso em: 16 dez. 2019.

 RISTOW, L. E. Acne Felina. VETScience, n. 3, p. 38-39, 2014.

SPIEGEL, I. B. Just Ask the Expert: How do you manage canine chin acne?. Veterinary Medicine. 1 fev. 2011. Disponível em: <http://veterinarymedicine.dvm360.com/just-ask-expert-how-do-you-manage-canine-chin-acne>. Acesso em: 16 dez. 2019.

VAL, A. P. da C. et al. Dermatologia em cães e gatos. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia. Belo Horizonte: FEPMVZ Editora e CRMV-MG, n. 71, p. 144, dez. 2013.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora