Tudo sobre: Adenite Sebácea Granulomatosa

Introdução

A adenite sebácea granulomatosa é uma dermatose caracterizada pelo processo inflamatório das glândulas sebáceas e que tem caráter imunomediado e crônico. As glândulas sebáceas são responsáveis pela lubrificação do pelo, e na adenite sebácea essas glândulas são destruídas pela inflamação com posterior substituição por tecido fibroso no local afetado. Essa moléstia é pouco comum em cães e rara em gatos. Algumas raças são mais suscetíveis como Poodle Standard, Akita, Samoieda, Tervuren, Viszla e Lhasa Apso. Sem predisposição sexual, afeta animais adultos jovens e de meia idade. 

A apresentação da doença pode ser variável entre cães e gatos, e entre animais de pelo curto e de pelo longo. Em cães, se observa descamação cutânea, seborreia seca e alopecia simétrica. As áreas mais acometidas nessa espécie são as orelhas, cabeça, face e tronco. Em gatos, caracteriza-se por alopecia não inflamatória do corpo e pode haver exsudato preto-acastanhado ao redor dos olhos e da vulva. Não é uma doença pruriginosa, porém infecções secundárias podem se instalar graças ao ambiente propício. Devido à destruição das glândulas sebáceas, a pele tende a ficar ressecada e descamativa. Essas escamas podem aderir ao pelo e à pele formando aglomerados pilosos. Comedões e cilindros foliculares também são comuns na doença. Como tem caráter imunomediado, pode vir associada a atopias e às alergias alimentares.

Transmissão

-Caráter genético

Manifestações clínicas

Sinais podem variar de acordo com a raça, pelagem, indivíduo e incluem:

-Alopecia

-Aglutinação pilosa

-Hiperqueratose

-Descamação

-Exsudato acastanhado a enegrecido

-Sedimentação querato-sebácea

-Mudança da cor da pelagem

-Edema de lábios, pálpebras e músculos (relatado na raça Viszna)

-Xerose, eritema pustular, cilindros foliculares (relatado em Akitas)

-Hipotricose

-Comedões

-Foliculite

-Furunculose

-Linfadenomegalia (em quadros sistêmicos)

-Prurido (em infecções secundárias)

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

-Raspado e citologia de pele

-Biopsia e histopatológico

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento é realizado com shampoos de efeito ceruminolítico. O uso de corticóides pode ser indicado, com efeito benéfico em alguns casos, geralmente quando o diagnóstico é precoce. Em casos mais difíceis, há relatos do uso de outra classe de imunossupressores com redução importante dos sintomas. É fundamental salientar que a doença pode ser refratária, sendo necessário acompanhamento médico veterinário periódico.

Prevenção

Não há manejo preventivo, porém o diagnóstico precoce é importante para o sucesso do tratamento e não progressão da doença. Como a adenite sebácea granulomatosa pode ser desencadeada por outras patologias da pele, quando há predisposição do animal, é importante o uso de shampoos e sabonetes adequados para cães e gatos, além de tratar adequadamente outras doenças sistêmicas que acometem também a pele.

Referências Bibliográficas

BONINO, A.; VERCELLI, A.; ABRAMO, F. ADENITE SEBACEA IN UN GATTO. Rev. Veterinaria, ano 20, n. 3, 2006

MORAILLON, R.; LEGEAY, Y.; BOUSSARIE, D.; SÉNÉCAT, O. Manual Elsevier de Veterinária. Diagnóstico e tratamento de cães, gatos e animais exóticos. Editora Elsevier Masson, 7 ed., p. 1239-1240, Rio de Janeiro, 2013.

RHODES, K.H.; WERNER, A.H. Dermatologia em Pequenos Animais. Ed. Roca, 2 ed., p. 1184-1185, 2014.

CONCEIÇÃO, L.G.; LOURES, F.H. Sistema Tegumentar. Em: Patologia Veterinária/ Renato de Lima Santos e Antônio Carlos Alessi. Ed. Guanabara Koogan, 2 ed., p. 669-686, Rio de Janeiro, 2016.

MORIELLO, K.A. Doenças Cutâneas em Felinos. Em: O Gato Medicina Interna/Susan E. Little.Ed. Guanabara Coogan, 1 ed., p. 345-362,Rio de Janeiro, 2015.

POSSEBOM, J.; FARIAS, M.R.; ASSUNÇÃO, D.L.; WERNER, J. Sebaceous Adenitis in a Cat. Acta Scientiae Veterinariae, v. 43(Suppl 1), n. 71, 2015.

PEIXOTO, G.C.X.; VIDAL, M.A.; MARTINS, F.S.M. Adenite Sebácea Canina:revisão de literatura. PUBVET, v. 3, n. 22, art. 605, 2009.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora