Tudo sobre: Anemia hemolítica imunomediada (AHIM)

Introdução

A anemia hemolítica imunomediada é caracterizada pela destruição das hemácias pelo sistema imune do próprio hospedeiro. Devido ao curso agudo da doença, torna-se necessário o rápido diagnóstico para iniciar o tratamento suporte o mais breve possível.

Acomete cães e menos comumente gatos, neste caso, geralmente é secundária ao hemoparasitismo (Micoplasmose). Em cães há predileção por fêmeas, castradas, de meia idade, principalmente da raça Cocker Spaniel, apesar de outras raças também serem acometidas (raças de pequeno porte e Golden Retriever).

A AHIM pode ser primária (não-associada) ou pode ser desencadeada por algum outro fator/ doença (associada/secundária). Vários gatilhos podem levar ao desenvolvimento de uma AHIM, incluindo doenças infecciosas (Babesiose, Anaplasmose, Micoplasmose e FeLV- vírus da leucemia felina) e inflamatórias (pancreatite), neoplasias (sarcoma e carcinoma), medicamentos (fármacos antimicrobianos) e vacinas.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Depressão

- Letargia (devido a fraqueza muscular)

- Síncope (depende da intensidade da anemia)

- Palidez de mucosas

- Icterícia

- Hepatomegalia

- Esplenomegalia

- Linfoadenopatia

- Piroxia

- Dispneia

- Taquicardia

- Taquipneia

- Murmúrio sistólico

- Hemoglobinúria

Observação: Quando a AHIM for secundária a algum outro fator/ doença, o animal pode apresentar sinais clínicos deste.

Diagnóstico

-Histórico e sinais clínicos

-Hemograma (Extrema necessidade de avaliação do esfregaço sanguíneo de sangue fresco)

-Contagem de reticulócitos

-Teste de Coombs

-Teste de Aglutinação em Salina

-Bilirrubina Total e Frações

-Proteína Total

-Urinálise

-Sorologia

-Radiografia 

-Ultrassonografia abdominal

-Histopatologia

 * Os testes sorológicos ou moleculares podem ser feitos para pesquisa de possíveis agentes que desencadeiam a AHIM, além de radiografias, ultrassonografias e exames de histopatologia para diagnóstico de neoplasias.

**A escolha dos exames complementares a serem realizados deve ser feita pelo(a) médico(a) veterinário (a) responsável pelo caso.

Tratamento

O tratamento irá variar de acordo com o tipo da AHIM. Caso ela seja secundária, a terapia deverá tratar a causa base.

 -Tratamento suporte: o objetivo é manter a oxigenação tecidual naqueles animais com anemia severa. Para isso, é necessário oxigenoterapia, repouso e transfusão sanguínea.

 -Medicamentos imunossupressores

 -Protetor gástrico

O tratamento é longo e muitas vezes pode ser contínuo pelo resto da vida do paciente. Portanto, serão necessárias reavaliações clínicas e hematológicas a fim de ajustar a terapia quando necessário.

Animais com AHIM têm alto risco de desenvolver coagulação intravascular disseminada (CID) e tromboembolismo, desta forma, pode ser instituída terapia profilática com medicamentos de ação anticoagulante.

Prevenção

 No que diz respeito à AHIM secundária, é possível preveni-la ao tomar alguns cuidados, principalmente para que os animais não adquiram doenças que predispõem sua ocorrência. 

O tutor deve levar seu pet para vacinar sempre que necessário, de acordo com o protocolo de vacinação, não permitir que tenha acesso livre à rua, realizar a manutenção e a limpeza do ambiente em que seu pet fica com frequência a fim de evitar infestação por ectoparasitas, não permitir o contato com animais errantes, doentes e não vacinados, e fornecer uma alimentação de qualidade.

O acompanhamento periódico com o (a) Médico(a) Veterinário(a) é essencial para a manutenção da saúde dos animais, auxiliando na prevenção e identificação precoce de possíveis doenças. 

Referências Bibliográficas

BARKER, ROBERT, N. Anemia Associated With Immune Responses. In: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. C. (Ed.). Schalm’s Veterinay Hematology. 5th. ed. Philadelphia, Pensiylvania: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 169.

CONTIERO, G. M¹, CARDOSO, M. J. L. Anemia hemolítica imunomediada secundária à ehrlichiose: relato de caso. 42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

DAY, M. J. Imunne-Mediated Anemias in the Dog. In: WEISS, D. J.; WARDROP, K. J. (Ed.). Schalm’s Veterinay Hematology. 6th. ed. Iowa , USA: Wiley-Blackwell, 2010. p. 216–225.

GARDEN, O. A.; KIDD, L.; MEXAS, A. M.; CHANG, Y. M.; JEFFERY, U.; BLOIS, S. L.; FOGLE, J. E.; MACNEILL, A. L.; LUBAS, G.; BIRKENHEUER, A.; BUONCOMPAGNI, S.; DANDRIEUX, J. R. S.; DI LORIA, A.; FELLMAN, C. L.; GLANEMANN, B.; GOGGS, R.; GRANICK, J. L.; LEVINE, D. N.; SHARP, C. R.; SMITH-CARR, S.; SWANN, J. W.; SZLADOVITS, B. ACVIM Consensus statement on the diagnosis of immune-mediated hemolytic anemia in dogs and cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 33, n. 2, p. 313–334, 2019.

Leite, J. H. A. de Carvalho; Carvalho, L. C. N.; Pereira, P. M. Anemia hemolítica imunomediada em cães – relato de três casos. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. 1, p. 319-326, jan./mar. 2011

NELSON RW, COUTO CG. Anemia. Small Animal Internal Medicine. 5.ed. - Elsevier,St. Louis, Missouri. 2015, cap. 80, p. 1209-1212.

STOCKHAM, STEVEN, L.; SCOTT, M. A. Erythrocytes. In: STOCKHAM, STEVEN, L.; SCOTT, M. A. (Ed.). Fundamental of Veterinary Clncal Pathology. 2nd. ed. lowa. USA: Blackwell Publishing Ltd, 2008. p. 107–222.

SWANN, J. W.; WOODS, K.; WU, Y.; GLANEMANN, B.; GARDEN, O. A. Characterisation of the immunophenotype of dogs with primary immune-mediated haemolytic anaemia. PLoS ONE, v. 11, n. 12, p. 1–19, 2016.

Wardrop, K. Jane. The Coombs’ test in veterinary medicine: past, present, future. Veterinary Clinical Pathology. Vol. 34 / No. 4 / 2005, p. 325- 334. 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora