Tudo sobre: Anomalias do Anel Vascular

Introdução

As anomalias dos anéis vasculares são algumas alterações que ocorrem na formação dos arcos aórticos. Essas anomalias congênitas são provocadas por defeitos na embriogênese, ou seja, no desenvolvimento do embrião ainda na barriga da mãe. Alguns exemplos de defeitos que já foram estudados e relatados em pequenos animais são: a persistência do arco aórtico direito (PAAD) ou persistência do quarto arco aórtico, o duplo arco aórtico, artéria subclávia esquerda ou direita aberrante e a persistência do ducto arterioso (PDA).

As patologias dos anéis vasculares podem ocorrer em cães e gatos, sendo mais comum em cães das raças Pastor alemão, Setter Irlandês e Boston Terrier. A persistência do arco aórtico direito é a anomalia do anel vascular que mais ocorre nos cães, correspondendo a até 95% dos casos, no entanto, nos gatos domésticos é uma condição rara. Apesar de não ser definida predileção racial nos gatos pelo pequeno número de casos, as anomalias do anel vascular são mais frequentemente descritas em gatos Persa e Siamês.

As anomalias do anel vascular, por serem malformações dos grandes vasos (principais vasos que transportam sangue no entorno do coração) e de seus ramos, podem causar sinais de constrição e obstrução esofágica por sua localização anatômica no organismo. O esôfago, ao ser comprimido, impede a passagem do alimento, causando dilatação e desenvolvimento de megaesôfago, no qual o alimento se acumula ao invés de ir para o estômago e resulta em regurgitação frequente, principalmente pós-prandial, e dificuldade na alimentação. Com o tempo, as regurgitações rotineiras podem causar desnutrição do animal, esofagite ou ainda pneumonia por aspiração do conteúdo regurgitado.

Transmissão

-Congênito

Manifestações clínicas

Assintomático

- Êmese

- Regurgitação

- Dispneia

- Disfagia

- Emagrecimento

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar/realizar:

- Hemograma completo

- Radiografia torácica

- Esofagografia contrastada

- Ecocardiograma

- Angiografia

- Tomografia computadorizada

Observação: A realização e a definição da necessidade destes ou de outros exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

Em alguns casos, a correção cirúrgica do defeito é recomendada. Procedimentos que facilitem a alimentação do animal são muito importantes para evitar o agravamento do quadro, mantendo aspectos nutricionais, porém auxiliando a deglutição do alimento, principalmente nos casos de megaesôfago adquirido secundário. 

Nos casos de pneumonia por aspiração de alimento, a patologia pulmonar deve ser tratada concomitantemente ao acompanhamento clínico para tratamento definitivo.

Prevenção

O diagnóstico precoce de anomalias do anel vascular pode evitar o agravamento da condição e melhorar a qualidade de vida do animal.

Referências Bibliográficas


COSTA, Jorge Luiz Oliveira et al. Correção Cirúrgica de Obstrução Esofágica Ocasionada por Persistência do 4 Arco Aórtico Direito em Cão. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça-FAMED/FAEF. Garça/SP, Editora FAEF, Ano V, n. 09, 2007.

DA SILVA, Catarina Rafaela Alves et al. Persistência do quarto arco aórtico direito em um cão-Relato de caso. PUBVET, v. 6, p. Art. 1283-1288, 2012.

DE OLIVEIRA, Eduardo Conceição et al. Persistência do arco aórtico direito em um cão-Relato de caso. Revista da FZVA, v. 11, n. 1, 2004.

DOS SANTOS, Edina Alves et al. Ecocardiografia nas principais cardiopatias congênitas em cães. TÓPICOS ESPECIAIS EM CIÊNCIA ANIMAL V, p. 163, 2016.

GOULART, Luana Sales et al. Persistência de Arco Aórtico Direito (PAAD) em Cão–Relato de Caso. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 3, n. 2, 2011.

SANTALUCIA, Sergio et al. Ducto arterioso persistente em um cão–relato de caso. Revista da FZVA, v. 19, n. 1, 2013.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso