Tudo sobre: Artrite reumatóide canina

Introdução

A artrite reumatóide é uma doença crônica sistêmica autoimune, ou seja, o próprio sistema imunológico do animal produz anticorpos (células de defesa) que atacam as diversas articulações do corpo. É uma doença que também acomete os humanos e tem um diagnóstico difícil nos cães. O organismo ataca estruturas/ moléculas próprias da composição das articulações e isso leva a uma inflamação persistente generalizada, a poliartrite. O antígeno, ou seja, componente visto como perigoso para o sistema imune, é uma imunoglobulina (proteína) modificada chamada de fator reumatóide, vista como um corpo estranho a ser combatido pelo sistema de defesa. Embora sua causa seja desconhecida, a influência do fator genético no surgimento da doença já está comprovado.

Ocorrem deformidades e destruição da articulação, com erosão dos ossos e cartilagens, levando a lesões irreversíveis. Trata-se de uma afecção que reduz significativamente a qualidade de vida dos cães acometidos, pois a artrite reumatóide canina é muito dolorosa, principalmente pela sua característica erosiva, sendo um problema relativamente incomum, embora seja o tipo de artrite mais comum na medicina veterinária. Não há predisposição de raças e normalmente acomete animais adultos. A articulação mais acometida é a do carpo (punho) e a ocorrência é sempre bilateral. É preciso diferenciar a artrite reumatóide de outras doenças com curso semelhante como outras artrites e lúpus eritematoso sistêmico.

Transmissão

- Devido à influência genética, há um componente hereditário, ou seja, os genes causadores são transmitidos para os filhos pelos pais portadores.

Manifestações clínicas

- Claudicação

- Rigidez do membro e articulação acometidos

- Dor

- Dificuldade para se levantar

- Apatia

- Intolerância ao exercício

- Edema

- Deformidades na articulação acometida

Diagnóstico

- Exame clínico associado ao histórico do paciente

- Radiografia

- Fator reumatóide canino

- Análise de líquido sinovial

 Observação: A realização e a definição da necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

Por se tratar de uma doença autoimune, o tratamento clínico é baseado na imunossupressão. Medicamentos que inibem a atuação do sistema de defesa são utilizados ao longo da vida do animal. A escolha da medicação deve levar em consideração os efeitos colaterais, que normalmente são importantes neste tipo de terapia, principalmente a longo prazo. Os corticóides são a escolha primária e normalmente é realizada dose de ataque para iniciar o tratamento, ou seja, inicia-se com dose alta e há redução gradativa até encontrar a dosagem mínima que mantém a remissão dos sinais clínicos e que não causa tanto efeito indesejável. Outras medicações podem ser utilizadas em associação com os corticoides ou de forma individual, uma delas é a leflunomida, que vem apresentando bons resultados. 

Quando o dano à articulação já é muito grave e há um comprometimento importante da função do membro, recomenda-se intervenção cirúrgica ortopédica para controlar principalmente a dor. A técnica recomendada é a artrodese, que se baseia no princípio de destruir toda a cartilagem articular restante e fixar a articulação através de implantes. Desta maneira, ocorre uma limitação ou bloqueio permanente desta articulação, porém é possível manter a função e o apoio do membro de acordo com uma série de princípios para realizar tal cirurgia. A artrodese vai gerar consolidação articular, ou seja, deixa de existir uma articulação verdadeira, porém com resultados benéficos, eliminando-se o componente doloroso da doença e melhorando a qualidade de vida do paciente.

Prevenção

Recomenda-se não reproduzir os animais portadores devido ao componente genético da doença. Assim evita-se a passagem dos genes responsáveis pela artrite reumatoide para os filhotes da ninhada.

Referências Bibliográficas

Bennet, D. Artrites imunomediadas e infecciosas. In: Ettinger, J. e Feldman, E.C. Tratado de Medicina Interna Veterinária – doenças do cão e do gato. 2004. São Paulo: Guanabara. P.1958-1965.

Campos, G.F. et al. Uso da leflunomida na artrite erosiva em um cão – relato de caso. Anais do XI Congresso Brasileiro De Cirurgia do CBCAV e I Congresso Internacional de Cirurgia do CBCAV, p.370-373, 2014.

Enberg, W.C. Pathophysiology and Management of Arthritis. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v.35, n.2, p.1073-1091, 2005.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora