Tudo sobre: Avulsão Dentária

Introdução

A avulsão dentária é uma doença definida como a remoção completa de um ou mais dentes da cavidade oral. Os dentes de cães e gatos são partes de estruturas complexas que contêm nervos, vasos sanguíneos, vasos linfáticos e tecidos de sustentação, sendo o local em que se insere cada dente denominado alvéolo (estrutura óssea delimitada no maxilar). O dente avulsionado é removido completamente do alvéolo, diferentemente da fratura ou luxação dentária que mantêm uma ligação à estrutura dentária. Devido ao seu posicionamento mais exposto na cavidade bucal, os dentes mais comumente acometidos são os caninos e incisivos.

As principais causas de avulsão são os traumatismos na cavidade oral, sejam estes provocados por impactos, brigas, atropelamentos ou acidentes durante o consumo de alimentos duros como ossos, pedras ou brinquedos rígidos. No entanto, esta doença também pode ocorrer nos pets secundariamente à doença periodontal grave provocada principalmente pelo acúmulo de cálculo/ "tártaro" dentário, cáries ou doenças que levam à perda das estruturas de sustentação dos dentes, seja por desgaste com a idade avançada dos animais ou mesmo por algumas formas de câncer que podem atingir a boca e estruturas relacionadas a ela.

Embora possa ocorrer em cães e gatos de qualquer faixa etária e sexo, há predisposição para ocorrência da avulsão dentária em cães com ligamentos periodontais imaturos (principalmente em animais jovens) e doença periodontal.

Os fatores mais importantes para se considerar se o dente arrancado tem viabilidade para ser reimplantado são o tempo que o dente permaneceu fora do alvéolo e a maneira como foi armazenado. Quanto antes o dente for recolocado, melhor é a chance de recuperação, no entanto, a recuperação dependerá também do grau de viabilidade do alvéolo e da gengiva.

Esta doença é considerada uma emergência odontológica não necessariamente por causar ameaça à vida dos pets, mas pela possibilidade de provocar complicações no organismo como um todo, dor intensa e necessitarem de abordagem o mais rápida possível para que o tratamento tenha sucesso.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Dor moderada à intensa

- Sangramento oral

- Êmese

- Sialorreia

- Anorexia

- Hiporexia

Diagnóstico

- Inspeção da cavidade oral

- Radiografia oral

- Ultrassonografia oral

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento

O tratamento consiste, quando possível, na reimplantação do dente removido. O ideal é que este procedimento seja feito dentro de 30 minutos ou menos da avulsão. O dente arrancado não deve ser mantido seco ou manipulado excessivamente. O melhor método de preservá-lo para reimplante é colocá-lo em solução salina fisiológica ou leite. O dente não deve ser conservado em água de torneira ou mineral pois o pH e osmolaridade deste líquido é inadequado para as estruturas de suporte dentária e pode promover sua desvitalização, inviabilizando o re-implante. Além disso, deve-se evitar tocá-lo pela raiz e manuseá-lo somente pela coroa.

A recolocação é um procedimento cirúrgico, que deve ser feito com o pet sob anestesia geral. Antibióticos orais, analgésicos e antiinflamatórios podem ser associados profilaticamente ou após o tratamento. Após a reimplantação, será necessária terapia endodôntica, realizada por um especialista em odontologia veterinária, para fortalecer as estruturas alveolares dentárias uma vez que o dente esteja no alvéolo dentário, pois é inevitável que a polpa do dente esteja parcialmente comprometida. Caso o dente não seja reimplantado, o pet precisa ser avaliado por um médico veterinário para verificar que não haja outros danos nas estruturas dentárias, inflamação ou hemorragia que necessitem de intervenção, porém é possível que ocorra reabsorção da raiz dentária e substituição por outros tipos de tecido ósseo.

Prevenção

Uma boa saúde oral é a base para a prevenção de doenças relacionadas aos dentes. Portanto, medidas como a escovação com produtos adequados para pets e o uso de ração seca, brinquedos e petiscos para remoção de tártaro permitem melhor integridade destas estruturas. Ossos não devem ser fornecidos in natura (crus ou cozidos) aos pets pois há um grande risco de promover fraturas e avulsões dentárias. Deve-se atentar para que os pets não sejam expostos a brigas ou acidentes como atropelamentos de maneira a evitar traumas, portanto, devem estar acompanhados por seus responsáveis durante passeios e sempre que possível ter atividades como brincadeiras com outros animais supervisionadas para que sejam socorridos o quanto antes em caso de imprevistos.

Referências Bibliográficas

Bellows, Jan et al. 2019 AAHA Dental Care Guidelines for Dogs and Cats.  In: Journal of the American Animal Hospital Association, v. 55, n. 2, p. 49-69, 2019.

Clark, D. E. Endodontics of dogs and cats: an alternative to extraction.In: Australian veterinary journal, v. 72, p. 383-389, 1995.

 Flores, Marie Therese et al. Guidelines for the management of traumatic dental injuries. II. Avulsion of permanent teeth. In: Dental traumatology, v. 23, n. 3, p. 130-136, 2007.

Gorrel, C. Emergencies. In: Veterinary dentistry for the general practitioner. 2a edição. Elsevier Health Sciences, p. 156-157. 2013.

Gracis, Margherita; ORSINI, Paul. Treatment of traumatic dental displacement in dogs: six cases of lateral luxation. In: Journal of veterinary dentistry, v. 15, n. 2, p. 65-72, 1998.

Ritter, Alessandra Luisa de Souza et al. Pulp revascularization of replanted immature dog teeth after treatment with minocycline and doxycycline assessed by laser Doppler flowmetry, radiography, and histology. In: Dental Traumatology, v. 20, n. 2, p. 75-84, 2004.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora