Tudo sobre: Bronquite

Introdução

Bronquite é o nome que se dá para o processo inflamatório que acontece nos brônquios. Os brônquios são estruturas cartilaginosas responsáveis pela condução do ar da traqueia aos pulmões. Pode se manifestar de forma aguda ou crônica e sua origem pode ter diferentes motivos, desde infecções por micro-organismos respiratórios (bactérias, vírus e fungos), infestações por parasitas, processos alérgicos contra irritantes (fumaça, poeira, ácaros, pólen de plantas) e toxinas.

A inflamação acontece pela hiper-reatividade das vias respiratórias inferiores. A estimulação antigênica (presença de micro-organismos) ou alérgenos promove a produção exacerbada de muco, broncoconstrição e hipertrofia (crescimento dos componentes das células) da musculatura lisa dos brônquios, e esses acontecimentos dificultam a passagem do ar e as trocas gasosas.

Pode acometer cães e gatos de faixas etárias diversas, embora haja relatos de maior predisposição da bronquite crônica em animais de meia-idade e idosos. Não há aparente predileção sexual e animais de diferentes raças podem ser acometidos. 

A sazonalidade costuma ser um fator importante no aumento dos diagnósticos de bronquite em animais de companhia, bem como em humanos. O clima frio e seco é mais favorável para afecções respiratórias. As manifestações clínicas podem ser diferentes e alguns animais podem ser assintomáticos. 

O prognóstico dos quadros de bronquite é variável. Quando o tratamento é instituído logo no começo dos sinais clínicos, estes podem ser controlados e a qualidade de vida do paciente é restaurada. No entanto, existem pacientes que necessitam de atendimento médico emergencial devido à presença de angústia respiratória grave que pode rapidamente evoluir para uma descompensação orgânica com parada cardiorespiratória e possível óbito.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Sinais inespecíficos (isolados ou em conjunto):

- Tosse

- Dispneia

- Taquipneia

- Cianose

- Secreção nasal 

- Pirexia

- Intolerância ao exercício

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

- Radiografia Torácica

- Biópsia

- Broncoscopia

- Lavado broncoalveolar por broncoscopia

- Teste Alérgico – Painel De Alérgenos

- Cultura Com Antibiograma Combinado (Anaeróbios + Aeróbios)

- Cell Block - Citopatologia

- Hemograma Completo

- Exame coproparasitológico 

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O protocolo terapêutico varia de acordo com a causa da bronquite e a gravidade dos sinais respiratórios. Pacientes emergenciais devem ser primeiramente estabilizados com auxílio da oxigenoterapia. Geralmente recomenda-se o uso de corticóides, broncodilatadores, nebulizações (inalação), antihelmínticos, antitussígenos e antibióticos. 

O sucesso do tratamento também está vinculado ao comprometimento do(a) tutor(a) em obedecer às recomendações do clínico e estar disposto aos ajustes de manejo para evitar que problemas secundários se desenvolvam.

Prevenção

A prevenção de quadros respiratórios envolve cuidados para evitar a exposição excessiva dos animais a potenciais alérgenos (fumaça de qualquer origem, fuligem, perfume, granulados sanitários, poeira, ácaros, resíduos de construção, produtos de limpeza e poluição). Estes alérgenos podem ser fatores estimulantes no desencadeamento de uma crise de bronquite. 

Além disso, para cães e gatos há vacinas que os protegem de alguns micro-organismos respiratórios. Então é importante que o(a) tutor(a) mantenha a carteira de vacinação em dia, bem como as consultas e vermifugações que também protegem o animal de infestações parasitárias.

Cuidados com o bem-estar e a manutenção da saúde do animal são importantes para um eficiente funcionamento do sistema imunológico. O tutor deve prezar pelo fornecimento de uma alimentação equilibrada, balanceada e de boa qualidade para que não haja excessos ou faltas para o animal. 

O acompanhamento periódico com o médico veterinário garante que seu animal esteja amparado e facilita o diagnóstico precoce caso haja alguma enfermidade. Ao observar qualquer mudança de comportamento ou aparecimento de sinais clínicos, procure atendimento médico o mais rápido possível.

Referências Bibliográficas

COELHO, M. R. et al. Atualizações sobre tosse em cães. REVISTA CIENTÍFICA DE MEDICINA VETERINÁRIA. Ano XII-Número 22 – Janeiro de 2014 – Periódico Semestral

DECIAN, A. Asma e bronquite crônica em gatos domésticos. Monografia (Especialização) em Clínica Médica de Felinos Domésticos da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019.

KRÜGER, R. M. Tosse em cães: fisiopatologia, doenças associadas e métodos diagnósticos. Monografia (Especialização) em Clínica Médica de Pequenos Animais do Programa de Residência Médico Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2010.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso