Tudo sobre: Cálculo Dentário

Introdução

O cálculo dentário, também conhecido popularmente como “tártaro”, é uma consequência do acúmulo de restos de alimentos, principalmente carboidratos (açúcares), nos dentes de cães e gatos, associados principalmente à falta de escovação ou limpeza adequada da boca.

Este acúmulo leva à formação da placa bacteriana, uma fina camada de microrganismos que se fixa na superfície dos dentes, apresentando um aspecto amarelado e pegajoso que pode estar presente em toda a boca, mas principalmente nos locais onde os restos de alimentos costumam se acumular com frequência, como a parte do dente mais próxima da raiz ou nos dentes mais ao fundo da boca. Quando a placa não é removida, os minerais presentes na saliva vão se acumulando e calcificando a placa bacteriana, formando assim o cálculo dentário. Conforme o desenvolvimento do cálculo aumenta, ele pode se infiltrar no espaço entre a gengiva e a raiz dos dentes, apresentando geralmente uma coloração mais escurecida nesses casos.

Quando o “tártaro” é associado a uma quantidade significativa de bactérias vivas, pode ocasionar a doença periodontal que acaba atingindo a maior parte dos cães adultos e idosos. Inicialmente a presença do cálculo dentário não é algo grave, porém com o passar do tempo, o aumento do cálculo pode provocar a perda dos dentes pelo comprometimento da raiz. A falta de tratamento adequado leva ao acúmulo de bactérias que ficam protegidas pela estrutura do cálculo, ficando assim mais resistentes a tratamentos antibióticos. Essas bactérias podem ainda atingir a circulação sanguínea e migrar para outros locais do organismo, ocasionando sérios problemas cardíacos, ou ainda nos rins e fígado.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Assintomático

Quando associado à doença periodontal pode apresentar:

- Halitose

- Sialorreia

- Disfagia

- Anorexia

- Gengivite

- Corrimento nasal

- Hemorragia gengival

- Retração gengival

- Exposição da raiz do dente

- Perda óssea

Diagnóstico

Exame clínico da cavidade oral e observação visual do cálculo.

 Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento

O tratamento se baseia na remoção do cálculo que pode ser feita manualmente ou com auxílio de aparelho de ultrassom odontológico, em ambos os casos deve ser feito por um profissional médico veterinário sob ação de anestesia. Quando a remoção é feita manualmente, é utilizada um cureta e realizada a raspagem dos cálculos quebrando as partículas até a remoção total. Já o equipamento de ultrassom proporciona uma alta vibração que fragmenta os complexos de cálcio formados, realizando a remoção do tártaro. 

Nos dois casos, quando o cálculo é removido, ficam ainda pequenas ranhuras na superfície dos dentes, que podem facilitar a deposição de novas placas bacterianas e consequentemente os cálculos, portanto após a remoção o médico veterinário deve realizar ainda um polimento dos dentes para minimizar a redeposição do tártaro.

Prevenção

A prevenção da formação do tártaro consiste na manutenção da saúde bucal, prevenção e remoção da placa bacteriana e na limpeza adequada e frequente dos dentes. A limpeza dos dentes pode ser realizada através da escovação com escovas e pasta dental adequada para pets, não sendo recomendada a utilização de pasta dental de uso humano para este procedimento em cães e gatos. Além das escovas próprias para pets, a limpeza pode ser realizada também com o auxílio de gaze umedecida, sempre removendo gentilmente a sujeira e placas bacterianas da superfície dos dentes e gengivas.

A utilização de brinquedos e alternativas alimentares de roer podem auxiliar, porém não substituem a escovação na prevenção da formação da placa bacteriana. A limpeza dos dentes deve ser diária ou pelo menos a cada três dias e, para isso, é essencial que o pet seja acostumado com o procedimento desde filhote, caso contrário pode se tornar um momento extremamente estressante para o animal e para o tutor.

Ainda existem aditivos alimentares que podem estar presentes em petiscos específicos para o auxílio no controle da placa.

Por fim, a visita frequente ao médico veterinário e a realização da limpeza pelo profissional sempre que houver o acúmulo de placa bacteriana vão garantir uma saúde oral adequada ao pet, evitando os cálculos dentários.

Referências Bibliográficas

PAIVA, A. C. et al. Eficácia dos coadjuvantes de higiene bucal utilizados na alimentação de cães. Arq. bras. med. vet. zootec, v. 59, n. 5, p. 1177-1183, 2007.

SANTOS, Neila Sodré; CARLOS, Renata Santiago Alberto; ALBUQUERQUE, George Rêgo. Doença periodontal em cães e gatos-revisão de literatura. Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação; 2012; 10(32); 30-41.

TELHADO, João et al. Incidência de cálculo dentário e doença periodontal em cães da raça pastor alemão. Ciência animal brasileira, v. 5, n. 2, p. 99-104, 2004.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora