Tudo sobre: Candidíase

Introdução

A candidíase é causada por um fungo do gênero Candida, composto por leveduras que podem estar presentes no animal, mas sem causar doença. Nos cães e gatos, é incomum a presença deste fungo em animais saudáveis, porém, uma queda na imunidade permite que o microrganismo se reproduza em excesso, causando lesão. 

Uso de corticoides, diabetes, lesões de pele, aplicação de medicamentos e passagem de sonda sem higienização correta podem predispor ao aparecimento da doença, que afeta predominantemente os ouvidos, embora possa causar lesões na pele, unhas e raramente no trato urinário e digestivo. 

Como a doença é comum apenas em animais imunodeprimidos, é preciso correlacionar o seu aparecimento com outro problema para que o(a) paciente seja tratado de forma adequada. O fungo tem preferência por umidade e é preciso ter atenção com áreas do corpo permanentemente úmidas, principalmente o ouvido. A principal lesão causada pela Candida é uma dermatite com lesões ulceradas e com produção de otites (infecção no ouvido) com elevada produção de secreção.

Terapias inadequadas podem tornar o fungo resistente aos tratamentos disponíveis, por isso, é imprescindível uma avaliação profissional criteriosa e disciplina no tratamento a longo prazo.

O fungo pode ser transmitido pelo contato direto com aves (animais com elevada presença do microrganismo na sua flora normal), humanos e outros cães e gatos infectados ou pela aplicação de medicamentos/sondas com materiais contaminados.

Transmissão

- Contato direto (com aves)

- Fômites
Observação: A transmissão do microrganismo pode ocorrer, mas animais saudáveis tendem a combater facilmente a infecção pela Candida.

Manifestações clínicas

- Dermatite pustular persistente
- Dermatite ulcerativa
- Lesão crônica na pele
- Otite crônica (externa e média)
- Escurecimento dos pelos
- Alopecia
- Prurido
- Cistite recorrente
- Vaginite persistente

Diagnóstico

- Exame físico associado ao histórico do(a) paciente
- Microscopia direta
- Cultura fúngica
- Histopatologia

Observação: A realização e a definição da necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

Como todo cão ou gato acometido pela candidíase apresenta comprometimento do sistema imunológico, é necessário investigar a causa deste problema primário e tratá-lo de forma correta. Estimular a defesa do próprio animal é de extrema importância no sucesso do tratamento.
Diversos medicamentos antifúngicos podem ser utilizados e a escolha varia de acordo com a opção do profissional, gravidade e localização das lesões e outras condições sistêmicas do(a) próprio(a) paciente.

O tratamento sistêmico é longo e exige comprometimento do(a) tutor(a), além de acompanhamento periódico com um(a) médico(a) veterinário(a) para avaliar efeitos colaterais. Tratamentos tópicos utilizados de forma isolada são pouco eficientes e são apenas complementos, sendo mais interessantes nos casos de infecção no ouvido (otites).

Prevenção

Ao manter um bom estado geral do animal é extremamente difícil que ele desenvolva candidíase, mesmo se tiver contato com o fungo. Alimentação de qualidade, vacinação, passeios, higienização periódica de ouvidos, banhos frequentes e manutenção de um ambiente limpo e agradável são fatores que contribuem para o bem-estar e redução do estresse e doenças que comprometem o sistema imunológico. 

Medicar os animais por conta própria, principalmente com corticoides, pode desencadear uma série de alterações, bem como agravar as já existentes. Portanto, a qualquer alteração comportamental e/ ou física do animal recomenda-se a procura de um(a) médico(a) veterinário(a). Além disso, o acompanhamento médico veterinário periódico também é importante para minimizar o aparecimento da doença.

Referências Bibliográficas

Brito, E.H.S. et al. Phenotypic characterization and in vitro antifungal sensitivity of Candida spp. and Malassezia pachydermatis strains from dogs. Veterinary Journal, v.174, p.147-153, 2007.

McKellar, Q.A. et al. Otitis externa in a foxhound pack associated with Candida albicans. Veterinary. Records. v.127, n.1, p.15-16, 1990.

Miller, W.H. et al. Small animal dermatology. 2013. 7ed. St. Louis: Elsevier. 938p

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso