Tudo sobre: Ceratoconjuntivite Seca

Introdução

A ceratoconjuntivite seca é uma disfunção ocular que se caracteriza por uma deficiência na lágrima, tanto quantitativa quanto qualitativa, por evaporação excessiva, resultando em ressecamento da córnea e da conjuntiva, além de desconforto ocular.

A afecção é menos frequente em gatos e comum em cães, principalmente das raças Cocker Spaniel, Pequinês, Shih Tzu, Lhasa Apso, Schnauzer, Yorkshire e Pug. Alguns estudos sugerem que as fêmeas são mais acometidas que os machos, mas são necessários mais estudos que comprovem esta teoria.

Sua exata etiologia é desconhecida sendo considerada como de origem idiopática, apesar de alguns fatores estarem relacionados à sua ocorrência, como anomalias congênitas, traumas, processos autoimunes, intoxicações, entre outros. A ceratoconjuntivite seca também apresenta relação com alguns distúrbios metabólicos como o hipotireoidismo, a Diabetes mellitus e a Síndrome de Cushing. 

Em gatos, a doença frequentemente se manifesta em animais infectados por herpesvírus.

A manifestação clínica da ceratoconjuntivite seca, bem como a recuperação do animal, dependem de sua extensão uni ou bilateral, severidade, tempo de evolução e se sua apresentação é primária ou crônica e recorrente.

Transmissão

- Não se aplica

Manifestações clínicas

- Secreção ocular

- Dor

- Visibilidade dificultada

- Desconforto ocular

- Vermelhidão nos olhos

- Blefaroespasmo

- Enoftalmia

- Hiperemia conjuntival

- Ulcerações na córnea

Diagnóstico

Associação de anamnese, sinais clínicos, exames físico e laboratorial

- Exame oftalmológico

- Teste de Schirmer

- Biomicroscopia

- Teste com fluoresceína ou Rosa Bengala

- Teste de ruptura do filme lacrimal (break up time - BUT)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O tratamento para a ceratoconjuntivite seca depende da avaliação do(a) Médico(a) Veterinário(a) com base na extensão das lesões, recorrência e gravidade, podendo haver indicação farmacológica ou cirúrgica. 

Em geral, são recomendados fármacos que visam restabelecer a umidade natural do globo ocular e tratar doenças concomitantes secundárias, como a conjuntivite bacteriana e ceratite. Os fármacos incluem substâncias lacrimogênicas, mucolíticas, lacrimomiméticas e antibióticos tópicos que previnem ou tratam afecções bacterianas.

Prevenção

Não se aplica. Porém, visitas frequentes ao(à) Médico(a) Veterinário(a) são de suma importância para o diagnóstico precoce e a prevenção de quaisquer afecções.

Referências Bibliográficas

ANGÉLICO, G. T., RANZANI, J. J. T., BRANDÃO, C. V. S., SCHELLINI, S. A., PADOVANI, C. R., SERENO, M. G., & CREMONINI, D. N. (2011). Transplante de glândulas salivares menores no tratamento da ceratoconjuntivite seca em cães. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 63(5), 1087-1092.

MOTTA, D. A. (2011). Comparação de dois protocolos de tratamento de ceratoconjuntivite seca experimentalmente induzida em coelhos.

ORIÁ, A.P. et al. Ceratoconjuntivite seca em cães. PUBVET, Londrina, V. 4, N. 30, Ed. 135, Art. 914, 2010. 

ORIÁ, A. P., PINNA, M. H., FURTADO, M. A., PINHEIRO, A. C. O., GOMES JUNIOR, D. C., & COSTA NETO, J. M. (2013). Microbiota conjuntival em cães clinicamente sadios e cães com ceratoconjuntivite seca. Ciência Animal Brasileira, 14(4), 495-500.

SILVA R. A., PEREIRA, J. T., & BOTTEON, R. D. C. C. M. (2012). Obstrução do duto nasolacrimal com etil-cianoacrilato como adjuvante no tratamento da ceratoconjuntivite seca em cães. Brazilian Journal of Veterinary Medicine, 34(4), 353-360.

SOUSA, M., & CARARETO, R. CERATOCONJUNTIVITE SECA POR PARALISIA DO NERVO FACIAL TRAUMÁTICA EM UM GATO.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso