Tudo sobre: Coccidiose

Introdução

A coccidiose é uma das enfermidades parasitárias que mais acomete cães e gatos de todo o mundo. É uma doença infecciosa causada por protozoários do gênero Cystoisospora (também chamado de Isospora) que causa um quadro clínico de diarreia. Primatas não humanos, suínos, raposas, dentre outros vertebrados também podem ser acometidos por esta patologia. 

Os animais se infectam ao ingerir oocistos esporulados presentes na água ou alimentos contaminados, ou ao ingerir tecidos de animais infectados.

Animais imunocomprometidos, desnutridos, filhotes e em situações de estresse estão mais predispostos a desenvolver a infecção e manifestar sinais clínicos. Estes podem apresentar diarreia mucóide ou sanguinolenta e desenvolvimento retardado, devido à má absorção de nutrientes. Em animais adultos, quando a coccidiose manifesta-se clinicamente, geralmente está relacionada a coinfecção ou imunossupressão.

O diagnóstico é baseado na visualização do parasito nas fezes do animal por meio de exames de fezes. O tratamento só é realizado nos animais que apresentam manifestações clínicas. Dependendo do protocolo terapêutico escolhido a infecção poderá persistir.

A espécie Cystoisospora belli tem potencial zoonótico, sendo responsável por causar infecção nos seres humanos quando estes consomem água ou alimentos contaminados. O principal meio de transmissão é fecal-oral, consequência de saneamento básico precário. Assim como em animais, humanos imunocomprometidos e mais jovens são os mais acometidos.

Transmissão

-Água contaminada

-Alimentos contaminados

Manifestações clínicas

-Assintomático

-Diarreia mucóide ou sanguinolenta

-Desidratação

-Desenvolvimento retardado

-Perda de peso

-Anorexia

-Êmese

-Dor abdominal

-Apatia

-Óbito*

*Em casos extremos, principalmente em filhotes.

Diagnóstico

Associação de anamnese, histórico e exame clínico.

-Exames coproparasitológicos (Técnicas de flutuação)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento

O primeiro objetivo do tratamento é parar a diarreia. Em seguida, deve ser instituída terapia suporte, como a fluidoterapia nos animais desidratados. O tratamento medicamentoso é baseado no uso de antibióticos e fármacos coccidiostáticos. O protocolo deverá ser definido pelo(a) Médico(a) Veterinário(a) responsável pelo caso. De acordo com a terapia escolhida, a infecção poderá permanecer, mesmo após a resolução da diarreia.

Prevenção

A coccidiose costuma ser um problema onde a condição do saneamento básico é precário. Assim, é necessário tomar cuidado com a origem da água fornecida aos animais e a água usada para lavar os comedouros e preparar o alimento. Esses mesmo cuidados devem ser tomados para garantir a saúde dos seres humanos.

Os animais devem ser mantidos dentro de casa e passeios somente acompanhados com os tutores, para evitar a ingestão de água de lugares suspeitos. Não deve ser fornecido carne crua aos animais, pois estas podem estar contaminadas. 

Quanto ao cuidado com o ambiente, as fezes dos animais devem ser recolhidas diariamente e incineradas. O ambiente e os potes, gaiolas e outros utensílios devem ser desinfetados com água fervente ou solução de amônia (10%). Também deve ser realizado o controle de insetos, pois estes podem carrear os oocistos.

Coccidiostáticos podem ser administrados para fêmeas gestantes antes ou após o parto, para evitar que a infecção passe para os filhotes.

Canis e gatis devem ter um maior cuidado, pois devido a aglomeração de animais a doença tende a se instalar, sendo de difícil controle. Em alguns casos, pode ser necessário o uso profilático de coccidiostáticos em filhotes. Quando os casos são recorrentes, recomenda-se que todos os animais sejam tratados.

Referências Bibliográficas

BARUTZKI, D.; SCHAPER, R. Age-dependant prevalence of endoparasites in young dogs and cats up to one year of age. Parasitology Research, v. 112, p. 119-131, 2013a.

DUBEY, J. P.; LINDSAY, D. S.; LAPPIN, M. R. Toxoplasmosis and other intestinal coccidial infections in cats and dogs. Vet Clin Small Anim. v. 39, p. 1009–1034, 2009.

FRÓES, O. M.; CARDOSO DOS SANTOS, J. F.; FARIAS LIMA, D. Coccídeos encontrados em gatos (Felis catus domesticus L., 1758) DE PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, v. 4, n. 4, p. 103-108, 1975.

LEAL, P. D. S. A.; CAMPOS, D. P.; RODRIGUES, M. D. L. D. A.; BOTELHO, G. G.; LABARTHE, N. V.; LOPES, C. W. G. Parasitos gastrintestinais em uma colônia de gatos na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, v.37, n.1, p. 95-99, 2015.

LEAL, P. D. S.; COELHO, C. D.; FLAUSINO, G. Diagnóstico de infecções concomitantes por Cystoisospora canis (Nemeséri, 1959) e Cyniclomyces guttulatus (Robin, 1853): Relato de caso. Revista Eletrônica Coccidia, v.1, n.2, p.44-48, 2013. 

SOBRAL, M. C. G. de O. Infecções por parasitos gastrintestinais em gatos domésticos de Araguaína, Tocantins. 2017. 67 f. Dissertação (Mestrado em Sanidade Animal e Saúde Pública nos Trópicos) Universidade Federal do Tocantins, Tocantins, 2017.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso