Tudo sobre: Degeneração da Retina

Introdução

Também chamada de atrofia progressiva da retina, a degeneração retiniana é uma desordem bilateral e hereditária que acomete cães e gatos. É classificada como uma doença degenerativa primária dos fotorreceptores que no início se manifesta em forma de displasia em animais após oito semanas de idade e em forma de distrofias que resultam em cegueira em animais de meia idade e idosos. Ambas são caracterizadas por anormalidades progressivas e irreversíveis aos componentes da retina. Esses animais podem apresentar catarata, que é uma consequência da degeneração da retina. Esta pode ser tanto hereditária quanto adquirida. 

A atrofia de retina pode ser causada por uma deficiência nutricional, quadros inflamatórios, glaucoma, isquemia, entre outros. A atrofia progressiva de retina é uma doença que, quando acomete gatos, sendo mais raro que em cães, geralmente se manifesta nas raças Abissínio, Persa, Siamês e Somali. Já nos cães a raça mais comumente acometida é o Cocker Spaniel Inglês.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

-Cegueira noturna inicial

-Perda de visão periférica

-Cegueira diurna

-Perda completa de visão

-Midríase bilateral

-Opacidade de lente em casos de catarata

-Trombar em objetos 

-Dificuldade de se movimentar e chegar ao pote de água e ração até se habituar à perda de visão

Diagnóstico

Exame oftalmológico completo

-Reflexos pupilares

-Teste de ameaça

-Teste de ofuscamento

-Teste de obstáculos

-Eletrorretinografia 

-Oftalmoscopia direta ou indireta

-Ultrassonografia ocular

-Testes genéticos

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário. 

Tratamento

Em caso de confirmação da doença, não há tratamento que possa reverter os danos causados em um animal acometido. Ainda assim, estudos recentes acreditam que a terapia com suplemento vitamínico possa prevenir e até mesmo retardar a progressão da degeneração retiniana. Alguns suplementos podem diminuir a incidência do estresse oxidativo fisiológico, ocasionado pelo envelhecimento, exposição aos raios ultravioleta ou até pelo metabolismo celular, porém, por ser uma doença progressiva e degenerativa, quando diagnosticada em estágio avançado, não há tratamento possível, sendo necessário apenas realizar o acompanhamento da evolução da doença.

Prevenção

Ao adquirir um animal de companhia, certifique-se de que seus pais não possuem doenças genéticas comuns à raça e consulte um médico veterinário para sanar suas dúvidas a respeito de cuidados na escolha de um filhote. Cães com atrofia progressiva da retina não devem ser utilizados para reprodução, sendo indicado castrá-los. 

Referências Bibliográficas

GOMES, D et al. Atrofia progressiva generalizada da retina em cães da raça Cocker Spaniel. Ciência Rural, Santa Maria, v. 43, n. 8, p. 1405-1414, 2013.

MOREIRA, M. V. L et al. Frequência de aspectos patológicos das doenças oculares em animais. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, p. 17, 2016.

SAMPAIO, M. O. B et al. Atrofia progressiva de retina em um gato sem raça definida, tendo como principal diagnóstico diferencial a retinopatia tóxica - relato de caso. Archives of Veterinary Science, v. 20, n. 3, p. 100-109, 2015.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso