Tudo sobre: Degenerações e Infiltrações da Córnea

Introdução

Degenerações e infiltrações da córnea são alterações causadas pelo acúmulo anormal de substâncias nas células corneanas devido principalmente a alterações metabólicas adquiridas. Com o acúmulo ou infiltrações dessas substâncias, a córnea perde a transparência gerando déficits de visão. Essas infiltrações podem ser uni ou bilaterais e devem ser distinguidas das distrofias de córnea, que têm caráter genético e estão relacionadas a distúrbios enzimáticos. 

As degenerações corneanas podem ser secundárias a processos inflamatórios e as substâncias mais comumente depositadas nas córneas são o cálcio e lipídeos, sendo denominadas, respectivamente, degeneração calcária (ou cálcica) e lipidose corneana (ou degeneração lipídica). A patologia é mais prevalente em cães do que em gatos, sendo nestes mais comuns os relatos de degeneração lipídica. Cães de meia idade a senis são mais predispostos e estudos demonstram que fêmeas castradas e da raça Golden Retriever podem ser as mais afetadas.

Quanto ao aspecto, as degenerações e infiltrações lipídicas apresentam-se como massas branco-acinzentadas e podem estar relacionadas a cicatrizes de úlceras e a distúrbios metabólicos como o hipotireoidismo, hipercolesterolemia, além de diabetes mellitus, porém muitas vezes aparecem espontaneamente. Já as degenerações calcárias, menos comuns, aparecem como manchas que reduzem parcial ou totalmente a transparência da córnea e podem ser resultantes da hipervitaminose D, ocorrerem em casos de hipercalcemia devido ao hiperparatireoidismo ou hiperadrenocorticismo, ou quando há outras doenças oculares como inflamações crônicas, ceratoconjuntivites, glaucoma e phthisis bulbi. Algumas vezes as infiltrações de lipídeos e de cálcio podem estar associadas.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Assintomático 

Sintomas que podem estar presentes (isolados ou em conjunto)

-Opacificação da córnea

-Massas branco-acinzentadas no bulbo ocular

-Epífora

-Pigmentação da córnea

-Secreção ocular

-Vascularização ocular

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, oftalmológicos, exame físico e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

-Lâmpada de fenda

-Pesquisa de doenças sistêmicas

-Avaliação da função tireoidiana e da adrenal

-Dosagem lipídica

-Dosagem de fósforo e cálcio

-Hemograma e bioquímica sérica

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

Deve ser primeiramente pesquisada e tratada a causa inicial, pois o tratamento sintomático não é eficiente. Quando a infiltração causa desconforto ao paciente ou redução de visão, pode-se realizar a ceratectomia superficial associada ou não à aplicação de EDTA tópico, porém recidivas podem ocorrer. Na degeneração e infiltração lipídica, pode ser necessária restrição ou redução de gorduras na dieta.

Aplicação de anti-inflamatórios tópicos também pode reduzir os danos causados pela patologia.

Prevenção

Como as degenerações e infiltrações de córnea são secundárias a distúrbios metabólicos, é sempre recomendável visitas periódicas ao médico veterinário para monitorar o estado de saúde de cães e gatos. 

Referências Bibliográficas

LAUS, J.L; ORIÁ, A.P. Doenças corneanas em pequenos animais. Revista de Educação Continuada do CRMV-SP, v. 2. fasc. I, p. 26 – 33, 1999.

GELATT, K.N. Fundamentos da Oftalmologia Veterinária. Ed. Masson, p. 148; 311, 2003.

MORAILLON, R.; LEGEAY, Y.; BOUSSARIE, D.; SÉNÉCAT, O. Manual Elsevier de Veterinária. Diagnóstico e tratamento de cães, gatos e animais exóticos. Editora Elsevier Masson, 7 ed., p. 397-398, Rio de Janeiro, 2013.

CARLOS, R.S.A; PIMENTA, N.F.V.; VELOSO, J.F.; CALAZANS, AP.F. Ceratopatias degenerativas e distróficas em cães e gatos – revisão de literatura. Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação, v. 11, n. 37, p. 64-73, 2013.

LAUS, J.L.; TEIXEIRA, L.; BRITO F.L.C.; ORTIZ, J.P.D. Bulbo do Olho e Anexos. Em: Patologia Veterinária/ Renato de Lima Santos e Antônio Carlos Alessi. Ed. Guanabara Koogan, 2 ed., p. 940, Rio de Janeiro, 2016.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora