Tudo sobre: Dermatite Necrolítica Superficial

Introdução

A dermatite necrolítica superficial apresenta-se como uma hepatopatia incomum em cães e rara em gatos. Frequentemente relacionada a distúrbios hepáticos ou tumores pancreáticos, desencadeia problemas cutâneos e sistêmicos, principalmente em animais idosos. 

Este distúrbio endócrino-metabólico é também conhecido por síndrome hepatocutânea, necrose epidérmica metabólica, eritema necrolítico migratório e dermatopatia diabética. Não se sabe ao certo como ocorrem as lesões cutâneas, mas a patologia em geral está relacionada a baixos teores de aminoácidos e albumina, altos teores de glucagon e deficiência de ácidos graxos e zinco. A grande quantidade do hormônio glucagon sistêmico pode evoluir para um quadro de diabetes.

Por se tratar de uma patologia sistêmica, afeta a condição corporal dos animais acometidos que, em geral, perdem bastante peso. Além disso, as lesões ulcerativas e necróticas da pele também se espalham pela face, membros, patas, bolsa escrotal e prepúcio.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

-Alopecia 

-Descamação da pele

-Lesões ulcerativas na pele e coxins

-Hiperqueratose

-Apatia

-Sialorreia

-Secreção nasal

-Diarreia

-Urina escura

-Eritemas 

-Aumento nos linfonodos

-Perda de peso (baixo escore corporal)

-Êmese

-Desidratação

-Pelagem quebradiça

-Icterícia

-Dor

-Hiporexia

-Polidipsia

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, exame físico, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

-Hemograma completo

-Ultrassonografia abdominal

-Exame histopatológico

-Urinálise

-Bioquímica sérica

-Fosfatase Alcalina (F.A.) 

-Bilirrubina

-Ureia

-Creatinina

-Raspado de pele

-Citologia linfonodo

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento vai depender da avaliação do(a) Médico(a) Veterinário(a) de acordo com a evolução e gravidade do quadro clínico. Geralmente são recomendados antibióticos, regeneradores hepáticos, suplementação alimentar, de ácidos graxos essenciais e de sulfato de zinco. Banhos com clorexidine também podem ser indicados para melhora das lesões cutâneas, além da administração intravenosa de aminoácidos, que diminui a dor e apresenta resolução das lesões.

Dependendo da condição do animal e da gravidade dos sinais, o animal pode receber fluidoterapia, anti-histamínicos e antieméticos, além da antibioticoterapia.

É importante salientar que existem vários diagnósticos diferenciais que devem ser levados em consideração no momento da avaliação do animal e antes de se prescrever um tratamento, como: lúpus eritematoso sistêmico, pênfigo foliáceo, dermatose responsiva ao zinco, dermatose do alimento genérico, demodicose, dermatofitose, necrólise epidérmica tóxica, vasculite, linfoma cutâneo, erupção por droga, eritema multiforme crônico, foliculite bacteriana e dermatite de contato.

Prevenção

Não existe prevenção para a dermatite necrolítica superficial e seu prognóstico é desfavorável. Apesar disso, o diagnóstico e o tratamento precoces podem prover ao animal maior sobrevida com qualidade. Quanto antes for detectada a causa primária da hepatopatia, mais chances o animal tem de se recuperar.

Referências Bibliográficas

Beatriz Gomes de Paula Resende; Livia Moraes; Matheus Joaquim; Adriano Jaskonis Dall'olio et al. Dermatite necrolítica superficial - Relato de caso. In: ANAIS DO ENCONTRO INTERNACIONAL DE MEDICINA VETERINáRIA IBVET, 2017, . Anais eletrônicos. Campinas, GALOÁ, 2018. 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso