Tudo sobre: Desvio Portossistêmico Adquirido

Introdução

Shunt Portossistêmico é uma anormalidade vascular caracterizada por uma anastomose, ou seja, um desvio ou ligação da veia porta ou de um dos vasos tributários dessa, com a veia cava caudal. Quando isso ocorre, uma parte do sangue que passaria pelo fígado é desviado diretamente para a circulação sistêmica, resultando diminuição da chegada de fatores hepatotróficas para o fígado e seu aumento para a circulação sanguínea, bem como aumento de toxinas e outras substâncias na circulação sanguínea, uma vez que esses não serão filtrados pelo fígado. A presença dessas substâncias no sangue leva a sintomatologia neurológica, como encefalopatia hepática. 

O shunt pode ser congênito, ou seja, presente desde o nascimento, ou adquirido ao longo da vida. Os desvios portossistêmicos adquiridos podem ocorrer devido ao aumento crônico da pressão da veia porta, secundário à cirrose, hepatite crônica, pós-ligadura de shunt congênito e trombose. Devido ao aumento de pressão da veia porta, ocorre uma resposta compensatória com o intuito de reduzir essa pressão, que é caracterizada pelo desenvolvimento de múltiplos vasos anômalos entre a veia porta e veias sistêmicas. Esses vasos geralmente são tortuosos e se localizam próximo ao rim esquerdo. Como consequência, ocorre redução da pressão portal, bem como redução do aporte sanguíneo para o fígado. 

Estudos indicam que aproximadamente 20% dos cães com desvios portossistêmicos apresentam o tipo adquirido, e que a idade média do aparecimento desse tipo de shunt em animais é de três anos.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Letargia

- Apatia

- Falha no crescimento

- Pirexia 

- Baixa tolerância a agentes anestésicos ou sedativos

- Ataxia

- Mudança no comportamento

- Ausência de resposta a estímulos

- Desorientação

- Andar em círculos

- Pressionar a cabeça contra superfícies

- Cegueira (episódica ou não)

- Convulsão

- Coma 

- Êmese

- Diarreia

- Anorexia

- Sialorreia (mais comum em gatos) 

- Poliúria

- Estrangúria 

- Hematúria

- Disúria

- Obstrução uretral

- Formação de cristais de urato de amônia na urina 

- Polidipsia 

- Ascite

Diagnóstico

Associação da anamnese detalhada aos exame físico e complementares pelo(a) médico(a) veterinário(a). Exames que podem ser solicitados:

 - Ultrassonografia abdominal

- Radiografia contrastada 

- Tomografia computadorizada do abdômen 

- Cintilografia transcolônica portal

- Laparotomia exploratória 

- Ácidos biliares séricos 

- Níveis de amônia sanguínea

 Observação: A realização e a definição da necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

Diferentemente dos desvios portossistêmicos congênitos, no caso dos adquiridos é recomendada a realização de terapia clínica, com o intuito de reduzir os sinais de encefalopatia hepática e a progressão da doença hepática, caso esteja presente. O tratamento cirúrgico caracterizado por fechamento dos vasos anômalos não é indicado, uma vez que esses vasos estão sendo responsáveis por reduzir a hipertensão portal.

O prognóstico é variável, estando diretamente ligado ao grau de deterioração hepática. Em gatos, a ligação de vasos anômalos está associada a um mau prognóstico.

Prevenção

 - Não se aplica

Referências Bibliográficas

SANTOS, R.O. et al. Shunt portossistêmico em pequenos animais. PUBVET, Londrina, V. 8, N. 18, Ed. 267, Art. 1781, Setembro, 2014. 

CULP, W, T, N; GRIFFIN, M, A; Interventional Radiology Management of Vascular Malformations; Vet Clin Small Anim 48 (2018) 781-795.

BERENT, A, C; TOBIAS, K, M; Portosystemic Vascular Anomalies; Vet Clin Small Anim 39 (2009) 513-541. 

ZWINGENBERGER, A; CT Diagnosis of Portosystemic Shunts; Vet Clin Small Anim 39 (2009) 783-792. 

NORMANN, P, S, H; DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS DOENÇAS HEPATOBILIARES EM GATOS; Monografia; Porto Alegre; 2014. 

TALARICO, C, P; MÉTODOS DIAGNÓSTICOS: DESVIOS PORTOSSISTÊMICOS EM CÃES E GATOS; Trabalho de conclusão de curso de graduação; Araçatuba - São Paulo (2017). 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso