Tudo sobre: Dioctophyma renale

Introdução

A dioctofimose é uma doença ocasionada pelo verme denominado Dioctophyma renale, maior parasita conhecido, popularmente chamado de "verme gigante dos rins". As fêmeas do verme podem atingir até 100 cm e os machos até 45 cm. Possui coloração vermelho sangue correlacionada ao fato de apresentar hábito de ingerir sangue do seu hospedeiro (hematófago).

O primeiro relato de visualização desse parasita ocorreu em tartarugas de água doce. Hoje, sabe-se que possui como hospedeiro paratênico, ou seja, no qual não se desenvolvem mas se alojam em sua musculatura, especialmente rãs e peixes que, ao serem ingeridos, terão a liberação dos vermes (neles hospedados), que migram até o local de eleição (comumente os rins, especialmente o direito).

Sua ocorrência se dá principalmente em cães, mas podem acometer todos os mamíferos (domésticos ou selvagens), inclusive seres humanos. Associa-se maior frequência em cães não domiciliados com apetite depravado e populações ribeirinhas com ingestão de alimentos de origem duvidosa ou mal cozidos.

Os sinais clínicos são reduzidos ou inespecíficos. A gravidade varia dependendo do número de parasitas, duração da infecção, se ambos os rins estão envolvidos, se outros órgãos foram acometidos e da existência ou não de doença renal concomitante (geralmente não presentes quando o envolvimento renal é unilateral).

No exame de urina de animais infectados, pode ocorrer a detecção de ovos no sedimento urinário (formato elíptico e de coloração castanha amarelada, com uma a duas células no interior) e, em casos mais raros, é possível observar vermes jovens. ]

Durante a ultrassonografia abdominal, se os parasitas estiverem no rim é possível vê-lo destruído por uma estrutura cilíndrica e arredondada - o(s) próprio(s) verme(s)-, e o rim contralateral, muitas vezes, apresenta-se aumentado de tamanho na tentativa de compensar a deficiência do órgão afetado. É possível ainda constatar alterações decorrentes do parasitismo como inflamação da parede abdominal e líquido livre.

Transmissão

Ocorre exclusivamente pela ingestão dos hospedeiros intermediários sem correto preparo (má higienizados e má cozidos), de origem desconhecida.

Manifestações clínicas

- Hematúria

- Cólica renal

- Relutância a caminhar

- Poliúria

- Polidipsia

- Anorexia

- Êmese

- Perda de peso

- Abortos

- Apatia

- Mudança de comportamento

- Peritonite

- Fraqueza

- Convulsões

- Ascite

- Disúria

Diagnóstico

- Urinálise

- Ultrassonografia abdominal

- Radiografia abdominal

- Hemograma completo 

- Creatinina

- Uréia

- Fósforo

Tratamento

O tratamento de eleição é a remoção cirúrgica do parasito e dependendo do nível de lesão ao rim, recomenda-se inclusive a retirada do órgão acometido (nefrectomia). Se o comprometimento for bilateral, é indicada unicamente a abertura do rim para a retirada dos vermes.

Em casos onde o verme não está alojado nos rins, recomenda-se a retirada do verme do local e tratamento subjacente necessário para minimizar os efeitos que tenham ocasionado (analgésicos, anti-inflamatórios dentre outros).

Prevenção

Recomenda-se evitar o consumo de peixes, rãs ou sapos crus ou pouco cozidos; atentar-se à origem dos alimentos adquiridos, ter cuidados com a higiene na produção dos alimentos. Ressalta-se ainda a necessidade de intensificar o cuidado com os cães errantes e população susceptível.

Referências Bibliográficas

ALVES, Gislaine Caetano; SILVA, Denise Theodoro; NEVES, Maria Francisca. Dioctophyma renale: O parasita gigante do rim. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, [s. l.], 8 jan. 2007.

AMARAL, Luciane Custódio Dias do; POLIZER, Kassiane Aparecida; SANT'ANA, Tatiane Mariléia; NEVES, Maria Francisca. Dioctophyma renale. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, [s. l.], 23 jan. 2008.

DIOCTOPHYME renale O verme gigante do rim: Revisão de Literatura. Revista investigação medicina veterinária, [S. l.], p. 37 - 41, 30 jun. 2016.

SOUSA, Antonio Augusto Rodrigues de; SOUSA, Adriana Abreu Soares de; COELHO, Maria Cristina Oliveira Cardoso; QUESSADA, Ana Maria; FREITAS, Maria Vitória Mendes de; MORAES, Renan Fernandes Nascimento. Dioctofimose em Cães. Acta Scientiae Veterinariae, [s. l.], 9 nov. 2011.

SOUZA, Milane Sales; DUARTE, Grazielly Diniz; BRITO, Soraya Abrantes Pinto; FARIAS, Leonardo Alves. Dioctophyma renale: Revisão. Pubvet - Medicina veterinária e zootecnia, [s. l.], v. 13, n. 6, p. 1 - 6, 10 jun. 2019. DOI https://doi.org/10.31533/pubvet.v13n6a346.1-6. 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso