Tudo sobre: Distúrbios dos Sacos Anais

Introdução

Os sacos anais são dobras cutâneas em forma de saco situadas ao lado do ânus e que possuem ducto secretor para o interior do mesmo. São constituídos por glândulas que nos cães são sudoríparas e nos gatos são sudoríparas e sebáceas. Essas glândulas liberam seus produtos que, juntamente com restos de células, ficam armazenados no interior dessas saculações. Esse conteúdo pode ser liberado juntamente com as fezes, mas também em situações de estresse, visto que o material produzido tem caráter social, ou seja, função territorial, além de auxiliar na lubrificação das fezes. Quando as fezes apresentam ressecamento excessivo, com quadros de disquesia, podem ocorrer distúrbios da liberação do conteúdo sacular. 

Os distúrbios dos sacos anais podem ter origem mecânica (obstrutiva), inflamatória e neoplásica. Obstruções dos sacos anais são mais comuns nos cães do que em gatos, podem ocorrer quando os sacos anais não são esvaziados totalmente. Essas obstruções provocam desconforto e o animal pode lamber compulsivamente ou arrastar a região anal pelo chão, o que pode agravar o quadro. Essa retenção pode gerar processos inflamatórios e infecção secundária, o que se chama de saculite dos sacos anais. Cães de raças pequenas como Lhasa Apso, Shih Tzu, Maltês e Dachshund aparentam ter maior predisposição. Essa inflamação também pode apresentar-se sob forma de abscessos e atinge igualmente machos e fêmeas de quaisquer idades. A prática de expulsar o conteúdo dos sacos anais manualmente, com regularidade e sem recomendação veterinária, pode também promover saculites.

Neoplasias das glândulas dos sacos anais podem gerar obstrução da saída do conteúdo, além de promover aumento de volume local e o animal pode apresentar inclusive dificuldade na defecação. Adenomas e adenocarcinomas das glândulas apócrinas dos sacos anais são os tumores mais comuns, sendo os adenocarcinomas mais prevalentes em cadelas idosas. 

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Sintomas que podem estar presentes (isolados ou em conjunto)

-Disquesia

-Dor ao defecar

-Aumento de volume da região perianal

-Prurido local

-Lambedura da região

-Secreção purulenta

-Edema

-Eritema

-Dermatite aguda

-Sensibilidade ao toque

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, exame físico e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

-Citopatológico

-Biópsia e Histopatológico

-Ultrassonografia abdominal e Radiografia de tórax para pesquisa de metástase em casos de neoplasias

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

Obstruções dos sacos anais podem ser resolvidas com o esvaziamento manual através de pressão local e limpeza com produtos adequados. As saculites são tratadas pelo esvaziamento dos sacos anais, lavagem local após canulação, além da utilização de anti-inflamatórios e antibióticos locais. Em casos mais complicados, antibioticoterapia sistêmica pode ser indicada. Em animais com saculite crônica e recidivante, a retirada cirúrgica é uma medida curativa. Quando os distúrbios dos sacos anais são de origem neoplásica, recomenda-se tratamento cirúrgico.

Prevenção

Não é recomendado o esvaziamento manual do conteúdo dos sacos anais sem recomendação terapêutica. A observação de alterações na consistência das fezes (fezes muito ressecadas) e dificuldade de defecação devem ser relatadas ao médico veterinário para orientações quanto ao manejo.

Referências Bibliográficas

SOUZA, T.M.; FIGHERA, R.A.; KOMMERS, G.D.; BARROS, C.S.L. Aspectos histológicos da pele de cães e gatos como ferramenta para dermatopatologia. Pesq. Vet. Bras. v. 29, n. 2, p. 177-190, 2009.

MORAILLON, R.; LEGEAY, Y.; BOUSSARIE, D.; SÉNÉCAT, O. Manual Elsevier de Veterinária. Diagnóstico e tratamento de cães, gatos e animais exóticos. Editora Elsevier Masson, 7 ed., p.1228-1229, Rio de Janeiro, 2013.

ZOPPA, A.M.; BALDA, A.C. Principais Doenças Anorretais. Em: Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos/ Márcia Marques Jericó, Márcia Mery Kogika, João Pedro de Andrade Neto. Ed. Roca, 1 ed., p. 3015-3024, Rio de Janeiro, 2015.

CONCEIÇÃO, L.G.; LOURES, F.H. Sistema Tegumentar. Em: Patologia Veterinária/ Renato de Lima Santos e Antônio Carlos Alessi. Ed. Guanabara Koogan, 2 ed., p. 669, Rio de Janeiro, 2016.

HENRIQUE, F.V. et al. Saculite anal polimicrobiana em cão com hipotireoidismo: Relato de caso. Pubvet, v. 11, n. 9, p. 913-916, 2017.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso