Tudo sobre: Doença da Aglutinina Fria

Introdução

A doença da aglutinina fria é uma desordem imunológica na qual ocorre aglutinação (aglomeração) de hemácias (células vermelhas do sangue) e/ ou destruição das hemácias pelo sistema imune do indivíduo, resultando em obstrução da circulação sanguínea e anemia (redução do volume sanguíneo). Essa doença é responsável por 8 a 24% dos casos de anemia hemolítica imunomediada. É uma doença rara em cães e gatos. 

É uma afecção autoimune, na qual alguns anticorpos (células do sistema imune) possuem sua atividade máxima em temperatura de 4 a 20°C, sendo por isso conhecidos como anticorpos frios. Nem todos os anticorpos frios são patológicos. A exposição prolongada do animal a temperaturas frias, abaixo de 30° C, leva à aglutinação das hemácias nos capilares das extremidades corporais, resultando na obstrução da microcirculação. A intensidade da aglutinação determina a gravidade das lesões. 

Os principais sinais clínicos são lesões cutâneas e necrose das extremidades (focinho, orelhas e patas), devido ao bloqueio da circulação sanguínea nos pequenos vasos.

Em alguns casos, a doença pode ser secundária à intoxicação por chumbo e infecções agudas, como pelo Mycoplasma.

Transmissão

- Não e aplica.

Manifestações clínicas

-Cianose crônica

-Necrose das extremidades corporais 

-Alopecia

-Ulceração

-Secreção serossanguinolenta

-Fraqueza

-Apatia

-Hematúria

-Hemoglobinúria

Diagnóstico

-Anamnese, histórico e sinais clínicos

-Hemograma (Extrema necessidade de avaliação do esfregaço sanguíneo de sangue fresco)

-Contagem de reticulócitos

-Teste de Coombs

-Teste de Aglutinação em Salina

-Teste Direto de Antiglobulina

-Histopatologia

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário

Tratamento

O tratamento é baseado no uso de corticóides. Quando não há resposta ao medicamento, pode ser instituída terapia imunossupressora. As áreas necrosadas devem ser removidas cirurgicamente. Nos casos em que a anemia é intensa, recomenda-se a realização de transfusão sanguínea. Além disso, o animal não deve ser exposto a temperaturas baixos (abaixo de 30°C).

No caso da doença ser secundária, o tratamento da causa base tende a levar à resolução da doença.

Prevenção

Evitar exposição dos animais diagnosticados com a doença a temperaturas baixas. Os tutores devem se atentar aos animais que têm costume de ingerir objetos entre outras coisas, pois materiais com chumbo podem intoxicar o animal e desenvolver a doença da aglutinina fria.

Referências Bibliográficas

BARKER, ROBERT, N. Anemia Associated With Immune Responses. In: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. C. (Ed.). Schalm’s Veterinary Hematology. 5th. ed. Philadelphia, Pensiylvania: Lippincott Williams & Wilkins, 2000.

BERENTSEN, S.; TJONNFJORD, G.E.: Diagnosis and treatment of cold agglutinin mediated autoimmune hemolytic anemia. Blood. Rev. v. 26, p.107-115, 2012.

DICKSON, N. J. Cold agglutinin disease in a puppy associates with lead intoxication. Journal of Small Practice. v. 31, p. 105-108, 1990. 

GODFREY, D. R.; ANDERSON, R. M. Cold agglutinin disease in a cat. Journal of Small Practice. v. 35, p. 267-270, 1994. 

NIVY, R. et al. Steroid-Responsive Cold-Agglutinin Disease with Hematological and Dermatological Manifestations in a Dog. Israel Journal of Veterinary Medicine vol. 71, n. 4, Dec. 2016. 

ROJAS-TEMAHUAY, G.; CRAIN, S.; BENSON, C.; SHARKEY, L.; NOTHHNAGEL, G.: Cold agglutinin activity in 2 dogs. Vet. Clin. Pathol. v. 43, p. 330-336, 2014.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora