Tudo sobre: Doença Periodontal

Introdução

A doença periodontal ou periodontopatia é a inflamação do tecido de sustentação do dente, composto pela gengiva, cemento, ligamento periodontal e osso alveolar. É causada pela placa bacteriana que se acumula na superfície do dente.

É a doença mais comum da cavidade oral de cães e gatos. Animais a partir de quatro a seis anos apresentam algum grau da patologia, que progride com a idade. Quanto mais senil, maior a predisposição ao desenvolvimento e mais grave a afecção. Em cães, há maior ocorrência em raças de pequeno porte e em braquicefálicos (cães de focinho curto).

Dentre os fatores predisponentes encontram-se a proteção salivar diminuída, má oclusão (fechamento da arcada dentária), retenção de dentes decíduos (de “leite”), apinhamento (dentes tortos) excessivo dos dentes, anomalias dentais, como hipoplasia do esmalte ou dentes supranumerários (dentes excedentes) e cálculos dentários. De forma geral, esses fatores contribuem para o acúmulo de placa e dificultam sua remoção, predispondo à doença periodontal.

Alterações no estado fisiológico do animal, doenças sistêmicas e queda da imunidade também podem favorecer o desenvolvimento da doença periodontal. Quanto à alimentação, rações úmidas e dietas caseiras tendem a acumular maior quantidade de placa bacteriana, pois essas comidas não possuem ação abrasiva.

Se a placa bacteriana é mantida, ocorre o desenvolvimento de gengivite (inflamação da gengiva), esta é reversível, desde que a placa bacteriana seja removida da superfície dos dentes. Se a gengivite não for tratada, pode resultar em periodontite (inflamação dos tecidos de sustentação dos dentes), podendo causar um dano irreversível.

O cálculo dental é formado pela deposição de minerais, presentes na saliva, na placa bacteriana não removida da superfície do dente. O cálculo somente causará doença periodontal se associado a bactérias vivas.

A doença periodontal pode se tornar uma doença debilitante, com perda de dentes, dor, dificuldade na alimentação e deglutição, além de poder levar ao desenvolvimento de alterações locais e sistêmicas. 

Na avaliação completa da cavidade oral, pode-se fazer uso de substâncias evidenciadoras da placa bacteriana. Pode ser necessário anestesiar o animal para a realização deste procedimento.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Cálculos dentários

- Halitose

- Gengivite

- Sialorreia

- Disfagia

- Dor

- Mobilidade dentária

- Sangramento gengival

- Hiperplasia ou retração gengival

- Destruição óssea

- Perda de dentes

Diagnóstico

Associação entre anamnese e histórico do animal, exame físico e exames complementares de acordo com o que o (a) Médico(a) Veterinário(a) julgar necessário. 

-Avaliação da cavidade oral

-Radiografia intra-oral

Observação: a partir de uma avaliação detalhada, é possível classificar a doença em estágios e definir os fatores predisponentes para o desenvolvimento da doença.

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento

O tratamento objetiva a remoção da placa bacteriana e do cálculo dentário, redução da inflamação e eliminação de novas áreas de deposição de placa bacteriana, por meio de aplainamento e polimento da superfície dentária. O tratamento escolhido irá variar com o grau da doença periodontal, podendo ser recomendado profilaxia dentária, cirurgia (geralmente em casos mais graves), cuidados em casa ou extração dentária.

Antibioticoterapia deve ser utilizada em casos específicos e, quando necessária, será recomendada pelo (a) Médico(a) Veterinário(a) responsável. Como medicamento oral, podem ser utilizados antissépticos bucais, que auxiliam no controle da carga de microorganismos causadores da placa bacteriana.

Prevenção

A prevenção objetiva evitar a formação da placa bacteriana. A escovação é o método mais eficaz, é indicada já nos primeiros meses de vida e deve ser progressiva, sendo realizada no mínimo três vezes na semana. O ideal é realizar esse procedimento diariamente, principalmente em cães de pequeno porte, pois estes tendem a acumular placa mais facilmente. Para a escovação, podem ser utilizadas escovas macias ou do tipo “dedeira”, além de creme dental (exclusivo para cães e gatos) e antissépticos.

As características dos alimentos que são fornecidos aos animais também são importantes, pois o estímulo da mastigação, salivação e a abrasão que estes causam auxiliam na remoção da placa bacteriana. Fontes nutricionais de fosfatos auxiliam na diminuição da mineralização da placa.

Para o estímulo da mastigação e salivação, podem ser fornecidos brinquedos e alimentos mastigáveis, como ossos artificiais e materiais de borracha, sempre se atentando ao tamanho para evitar que os animais venham a engolir.

Para uma prevenção eficiente, é necessário o compromisso do tutor com a habituação da escovação e acompanhamento periódico com um(a) Médico(a) Veterinário(a).

Referências Bibliográficas

GOUVEIA, A. I. E. A. DOENÇA PERIODONTAL NO CÃO. 2009; 93f. Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa- Faculdade de Medicina Veterinária, 2009.

HARVEY, C. E. Management of periodontal disease: Understanding the options. Veterinary Clinics of North America - Small Animal Practice, v. 31, n. ., p. 819–836, 2005.

INGHAM, K. E.; GORREL, C.; BLACKBURN, J. M.; FARNSWORTH, W. The Effect of Toothbrushing on Periodontal Disease in Cats. American Society for Nutritional Sciences- The Journal of Nutrition, v. 132, n. 6, p. 1740S-1741S, 2002.

NELSON RW, COUTO CG. Medicina interna de pequenos animais. 5.ed. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso