Tudo sobre: Encefalopatia Espongiforme Felina

Introdução

Conhecida como “o mal da vaca louca”, a encefalopatia espongiforme é uma doença que acomete principalmente bovinos, mas também vem sendo diagnosticada nos felinos. Ela é uma doença degenerativa do sistema nervoso, ou seja, ocorre a destruição de células fundamentais para o funcionamento do corpo. É causada por um agente infeccioso diferente, chamado de príon: em resumo, trata-se de uma proteína mutante e infecciosa que é vista como corpo estranho pelo organismo. 

A doença possui uma letalidade elevada, com tempo de evolução para óbito em dias ou meses. Gradualmente, o sistema nervoso, responsável por coordenar as respostas do organismo, começa a se degenerar, causando sinais diversos. A doença é transmissível (assim como a doença dos bovinos) quando ocorre ingestão de animais infectados. 

Em humanos, a doença recebe outro nome e ocorre após consumo de tecido bovino contaminado, porém não existe nenhum relato da transmissão de felinos para humanos. O agente infeccioso pode ficar incubado, ou seja, escondido no organismo, por até oito anos antes de ocorrer a manifestação de sinais clínicos.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Alterações comportamentais

- Letargia 

- Ataxia

- Hiperestesia

- Polifagia 

- Polidipsia

- Tremores

- Andar em círculos

- Convulsões

- Óbito

Diagnóstico

- Sinais clínicos associados ao histórico

- Necrópsia com imunohistoquímica* 

*Não há nenhum exame disponível para detectar a encefalopatia espongiforme felina no animal vivo. Geralmente, é diagnosticada após a morte, com a detecção de príons no sistema nervoso central através de imunohistoquímica.

Tratamento

Não existe tratamento eficaz para esta doença.

Prevenção

O ciclo de transmissão desta doença ainda não está devidamente esclarecido, mas deve-se evitar fornecer carne bovina de procedência duvidosa/ sem procedência para os pets. O cozimento da carne não é suficiente para matar o agente, por isso é necessário evitar o consumo de maneira inadequada. 

Devido à possibilidade de ser transmitida para humanos, são necessários controles rigorosos para a eliminação da doença.

Referências Bibliográficas

Bradshaw, J.M., Pearson, G.R., Gruffydd-Jones, T.J. A retrospective study of 286 cases of neurological disorders of the cat. Journal of Comparative Pathology. v.13, p.112-120. 2004

Irani DN. Feline spongiform enceph-alopathy. Johns Hopkins Department of Neurology. Resource on prion diseases [online] Disponível em: http://www.jhu-prion.org/animal/anifsehist.shtml. Acessado em 24 de Outubro de 2019.

Spickler, Anna Rovid. Feline Spongiform Encephalopathy. 2016. Acessado em abril de 2020. Disponivel em: <http://www.cfsph.iastate.edu/DiseaseInfo/factsheets.php

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso