Tudo sobre: Ependimoma

Introdução

As neoplasias intracranianas primárias ocorrem com relativa frequência em animais de companhia. Em cães, os tumores mais comuns sāo os gliomas e os meningiomas. Porém, com uma frequência menor, outras neoplasias intracranianas podem ocorrer, como os tumores ventriculares, hipofisários, entre outros. 

Dentre os tumores ventriculares encontram-se os ependimomas, neoplasias originadas nas células ependimárias que revestem ventrículos cerebrais e têm como função primordial movimentar o líquido cefalorraquidiano (líquor) pelo sistema ventricular. 

Geralmente os ependimomas desenvolvem-se nos ventrículos laterais, mas podem envolver o terceiro e quarto ventrículos, canal central e medula espinhal. Podem levar à hidrocefalia obstrutiva ao estenderem-se para o interior do sistema ventricular.

O ependimoma é considerado incomum em cães e gatos. A idade média de cães afetados varia de seis a 12 anos, sendo as raças braquicefálicas (de focinho achatado) mais frequentemente acometidas.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Alterações comportamentais

- Fraqueza

- Déficit visual

- Cegueira

- Desorientação

- Incoordenação 

- Paresia

- Sinais vestibulares 

- Convulsão

- Estupor

- Hidrocefalia

Diagnóstico

Associação entre história clínica, exames físicos e laboratoriais.

Exames que o(a) Médico(a) Veterinário(a) pode pedir:

- Hemograma

- Bioquímico

- Urinálise

- Tomografia computadorizada

- Ressonância magnética

- Eletroencefalograma

- Biópsia e exame histopatológico

- Radiografia torácica e abdominal (descartar tumor primário em outra região)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O tratamento visa reduzir o tamanho ou remover totalmente o tumor, controlar os efeitos secundários (edema peritumoral e pressão intracraniana) e as manifestações clínica. Os fármacos mais utilizados no tratamento clínico são glicocorticóides e anticonvulsivantes. 

A intervenção cirúrgica pode ser o método terapêutico definitivo para tumores intracranianos e permite a obtenção de amostras para a análise histopatológica. Porém, nem todos os tumores são passíveis de remoção completa ou até mesmo parcial e, além disso, são frequentes as complicações pós-operatórias.

Outro tratamento possível é a radioterapia cujo objetivo é destruir o tecido neoplásico sem causar grandes danos ao tecido saudável. Pode ser utilizada individualmente ou em conjunto com outras terapias, sendo observada maior sobrevida dos pacientes quando associada à ressecção cirúrgica.

Prevenção

-Não se aplica

Referências Bibliográficas

ANDRADE, T. M., CARAMALAC, S. M., PUPIN, R. C., BABO-TERRA, V. J., & PALUMBO, M. I. P. Ependimoma anaplásico em cão. Acta Scientiae Veterinariae, v. 47, n. 1, p. 389, 2019.

BABICSAK, V. R. et al. Aspectos tomográficos de tumores cerebrais primários em cães e gatos. Vet. e Zootec., v. 18, n. 4, p. 531-541, 2011.

KOESTNER, A.; HIGGINS, R. J. Tumors of the nervous system. In: MEUTEN, D. J. Tumors in Domestic Animals. 4 ed. Iowa: State Press, 2002, p.697-738.

SILVA, P. D. G.; NARDOTTO, J. R. B.; FILGUEIRAS, R. R.; MORTARI, A. C. Neoplasia intracranianas primárias em cães.Medvep - Revista Científica de Medicina Veterinária - Pequenos Animais e Animais de Estimação, v.12, n. 40, p. 182-188, 2014. 

SAPIN, C.F; FERNANDES, C. G.; NOBRE, M.O, & GRECCO, F. B. Neoplasmas encefálicos em cães idosos. Acta Scientiae Veterinariae, v. 47, n.1, p. 384, 2019.

ZACHARY, James F.. Sistema Nervoso. In: MCGAVIN, M. Donald; ZACHARY, James F.. Bases da Patologia em Veterinária. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. Cap. 14. p. 2217-2218. Tradução de: Renata Scavone de Oliveira et al. 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso
Conheça o Serviço Veterinário em Domicílio - Agendar Agora