Tudo sobre: Febre Familiar do Shar-pei

Introdução

A Febre (Síndrome) Familiar do Shar-pei, também conhecida como amiloidose renal familiar dos Shar-peis Chineses, febre recorrente recidivante de origem desconhecida, síndrome de inchaço do jarrete, febre do jarrete, entre outras, é uma doença hereditária caracterizada por febre, aumento de volume e dor na articulação do tarso (jarrete). 

Os primeiros sinais da doença se manifestam nos primeiros meses de vida dos exemplares da raça sharpei, sendo caracterizados por episódios de febre com duração de 24 a 36 horas e aumento de volume das articulações do jarrete. A doença é grave e pode levar os animais à morte quando adultos.

Os cães afetados por essa síndrome estão predispostos ao desenvolvimento de amiloidose sistêmica - deposição de amilóide, uma substância proteica nos órgãos, principalmente fígado e rins - levando à insuficiência renal ou hepática.

Os sinais clínicos irão variar com a intensidade de deposição de amilóide nos órgãos, geralmente os animais apresentam edema, anemia e lesões na mucosa oral, consequência de problema hepático ou renal.

O tratamento é sintomático e profilático, não havendo cura para a doença.

Transmissão

-Hereditária

Manifestações clínicas

-Edema da articulação do tarso

-Letargia

-Anorexia

-Perda de peso

-Claudicação

-Eritema

-Alopecia

-Anemia

-Êmese

-Diarreia

-Dispneia

-Úlceras na língua

-Poliúria

-Polidipsia

Diagnóstico

Associação da anamnese, sinais clínicos e exame clínico.

-Necropsia (post mortem)

-Biópsia renal e hepática*

-Histopatologia e histoquímica

-Hemograma Completo

-Urinálise

-Ultrassonografia abdominal

-Exames bioquímicos (perfil hepático e renal)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

*Somente realizar após avaliação do perfil hemostático do animal.

Tratamento

O tratamento sintomático é direcionado à lesão articular e aos sinais clínicos decorrentes de insuficiência renal e hepática. Enquanto que o tratamento profilático busca reduzir a deposição de amilóide e suas consequências, pois uma vez havendo o depósito de amilóide não há como removê-lo

Prevenção

A prevenção é baseada na conscientização dos criadores da raça Shar-pei, pois muitos dos animais utilizados para reprodução são portadores do gene da doença. Assim, recomenda-se a análise do Pedigree dos animais, de forma que os sportadores da síndrome, seus progenitores e sua prole, sejam identificados e retirados da reprodução para evitar a disseminação e perpetuação da doença no Brasil.

Referências Bibliográficas

HAYEM, G. Chinese Shar-Pei dogs: A model for human Mediterranean fever? Joint Bone Spine, v. 80, n. 4, p. 353–354. 

ILHA, M. R. da S.; LORETTI, A. P.; BARROS, C. V. L. de. Suspeita de febre familiar dos cães shar-peis chineses. Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.3, p.713-716, mai-jun, 2005.

SANTOS JÚNIOR, H. L.; SANTOS, R. A. E.; BLUME, G. R. et al. Amiloidose sistêmica hereditária em cão da raça Shar-Pei Chinês. Acta Veterinaria Brasilica, v.5, n.1, p.103-107, 2011.

SONNE, L.; OLIVEIRA E.C.; SANTOS A.S., PAVARINII, S.P.; BEZERRA JÚNIOR, P.S.et al. Amiloidose sistêmica do tipo AA em um canino Shar-pei Chinês. Acta Scientiae Veterinariae. v. 36, n. 1, p. 47-50, 2008.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso