Tudo sobre: Feocromocitoma

Introdução

O feocromocitoma é um tumor (neoplasia) que acontece em glândulas do corpo como as glândulas adrenais. Ele é originado em uma alteração nas células produtoras de catecolaminas (adrenalina e noradrenalina), hormônios potentes que atuam em situações de estresse no organismo. O tumor apresenta um número muito elevado das células produtoras de hormônios e esse descontrole na produção de catecolaminas provoca diversos sintomas, como o aumento da pressão arterial e batimentos cardíacos.

Este tumor acomete cães de todas as idades e é bastante raro em gatos, acontecendo em gatos idosos principalmente. Raças como Boxer, Poodle miniatura e Pastor Alemão são mais predispostas a apresentarem o feocromocitoma. O animal pode permanecer por um longo período sem apresentar sintomas aparentes, sendo difícil seu diagnóstico.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

-Assintomático

- Taquicardia

- Hipertensão sistêmica (constante ou episódica)

- Letargia

- Depressão

- Taquipneia

- Arritmia cardíaca

- Dispneia

- Fraqueza

- Edema dos membros inferiores

- Ascite

- Desidratação

- Cegueira

- Dor abdominal

- Poliúria

- Polidipsia

- Inapetência

- Ataxia

- Atrofia muscular

- Massa abdominal palpável

- Emagrecimento

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

- Hemograma completo

- Urinálise simples

- Ecocardiografia

- Radiografia abdominal

- Ultrassonografia abdominal

- Tomografia computadorizada

- Catecolaminas urinárias

- Catecolaminas plasmáticas

- Albumina

- Imunoglobulina A (IgA)

- Imunoglobulina G (IgG)

- Imunoglobulina M (IgM)

- Ureia

- AST – TGO

- ALT – TGP

- Fósforo

- Gama GT

- Creatinofosfoquinase (CPK)

- Fosfatase Alcalina (FA)

* É importante salientar que o histórico clínico, sintomatologia e achados ao exame físico associados aos achados ultrassonográficos e/ ou tomográficos são de maior importância do que se comparados aos exames laboratoriais (hemograma completo, bioquímica sérica e urinálise), uma vez que não há identificação de alterações consistentes que levam à suspeita de feocromocitoma.

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O tratamento deve ser realizado com a remoção do tumor através de cirurgia, se possível. Um tratamento de suporte para a melhora do paciente antes da cirurgia também pode ser realizado. Nos casos em que o tumor é benigno, mais comum em gatos, a cirurgia pode resolver completamente a doença. Em cães frequentemente o tumor é maligno, mas com a cirurgia a expectativa de vida do animal pode aumentar. Devem ser pesquisadas metástases e tumores múltiplos para a tomada de decisão pelo(a) médico(a) veterinário(a) responsável.

Prevenção

O diagnóstico precoce é essencial para que o tratamento seja efetivo e possa permitir maiores chances de sobrevida ao animal. Como o cão pode permanecer assintomático por muito tempo, os exames de rotina e uma investigação a fundo em qualquer sintomatologia que o animal tenha vão auxiliar no diagnóstico e aumento da expectativa de vida do pet.

Referências Bibliográficas

CARVALHO, Cibele Figueira et al. Feocromocitoma em cão-Nota prévia. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 41, n. 2, p. 113-116, 2004.

COELHO, Humberto Eustáquio et al. Ocorrência de feocromocitoma em adrenal com metástase no intestino e rim de um cão–relato de caso. PUBVET, v. 5, p. Art. 1245-1250, 2011.

QUEIROZ, Deborah Luiza Mendes et al. FEOCROMOCITOMA EM PEQUENOS ANIMAIS. Revista De Ciência Veterinária E Saúde Pública, v. 4, n. 2, p. 166-175, 2017.

MARCO, Viviani De et al. Feocromocitoma maligno em cão: relato de caso. Clín. Vet., p. 44-57, 2018.

RODRIGUES, Thaís; BARROS, Luciano Pereira de. Adrenalectomia em cão para tratamento de Feocromocitoma maligno: relato de caso. Nosso Clín., p. 32-34, 2017.

ZANUTTO, M. S. et al. Neoplasia múltipla endócrina: carcinoma folicular tireoidiano e feocromocitoma em cão-Relato de caso. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 14, n. 3, p. 53-53, 2016.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso