Tudo sobre: Gastrite Hemorrágica Aguda

Introdução

Gastrite é definida como inflamação do estômago, porém o termo é frequentemente utilizado para descrever alterações clínicas que cursam com vômito ou para quaisquer lesões que sejam visualizadas na mucosa gástrica, como ulcerações por exemplo. O termo mais adequado para a gastrite hemorrágica aguda seria gastropatia hemorrágica aguda, que é mais abrangente e está relacionado às alterações gástricas que promovem hemorragias. Essas hemorragias podem ter início súbito, principalmente quando as erosões e ulcerações gástricas atingem regiões bem vascularizadas (hemorragia aguda), ou podem ter caráter mais crônico, com pequeno fluxo hemorrágico contínuo. Há ainda um tipo de gastroenterite hemorrágica idiopática descrita em que autores associam a causas imunomediadas e que se assemelha a enteropatia por E.coli em humanos, porém a patogênese não é bem esclarecida e pode se tratar de outras gastropatias conhecidas, mas que não foram muito bem identificadas.

Dentre as causas mais comuns para hemorragias gástricas agudas nos animais estão as gastropatias urêmicas causadas pela insuficiência renal, corpos estranhos gástricos que perfuram a parede do estômago e o uso de analgésicos esteroidais e não esteroidais (AINES), além das síndromes paraneoplásicas em casos de mastocitomas e em casos de neoplasias regionais como o gastrinoma.

O estresse também pode causar desbalanço na regulação das secreções gástricas promovendo aumento na secreção ácida e redução dos lubrificantes protetores de mucosa, gerando erosões e ulcerações.

Tanto cães quanto gatos de quaisquer raças, idade e sexo podem apresentar gastropatias hemorrágicas agudas pois as causas são variadas.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Assintomático

Sinais inespecíficos

-Hematêmese (vômito com sangue vivo ou digerido, com a aparência de borra de café)

-Fezes escurecidas

-Mucosas pálidas

-Hiporexia

-Apatia

-Anorexia

-Desidratação

-Dor abdominal

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, exame físico, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

-Hemograma

-Perfil renal

-Perfil hepático

-Endoscopia

-Ultrassonografia abdominal

-Radiografia abdominal 

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a)

Tratamento

A investigação da causa é muito importante para o sucesso do tratamento. Em caso de insuficiência renal, esta deve ser manejada adequadamente e entre as terapias é recomendada a utilização de protetores de mucosa (protetores gástricos). Em caso de gastropatia hemorrágica associada ao uso de analgésicos, a suspensão dos medicamentos pode ser indicada. O uso de protetores de mucosa antes da administração dos analgésicos é amplamente recomendável, dado o intervalo correto entre um medicamento e outro, visto que os protetores gástricos podem inviabilizar a ação de analgésicos. Esses protetores podem agir formando uma camada protetora contra os ácidos gástricos, como se fosse um filme protetor ou podem agir na inibição da secreção ácida pelas células gástricas.

Terapia de suporte como a fluidoterapia é indicada para manter a hidratação e volemia, além disso a transfusão sanguínea pode ser necessária em casos de perda severa de sangue.

Em casos da ingestão de corpo estranho e quando o tratamento conservativo não surte efeito, a intervenção cirúrgica é necessária.

Nutrição enteral e parenteral deve ser instituída, pois os animais tendem à anorexia e o estado clínico geral pode piorar caso fique em jejum prolongado.

Prevenção

Ao se iniciar um tratamento com analgésicos, a utilização de protetores gástricos associados é uma maneira bem eficiente para prevenir as hemorragias gástricas. Esses protetores também são utilizados em casos de insuficiência renal, pois a síndrome urêmica gerada pelo comprometimento da função renal tem como sinal clínico importante as ulcerações em mucosas. Os mesmos medicamentos podem ser utilizados em casos de neoplasias que cursem com gastrites ulcerativas.

Em casos de animais que tenham a prática de ingerir brinquedos e outros objetos, a atenção deve ser redobrada.

Referências Bibliográficas

GUEDES, R.M.C.; BROWN, C.C.; SEQUEIRA, J.L.; REIS JR.,J.L. Sistema Digestório. Em: Patologia Veterinária Renato de Lima Santos e Antônio Carlos Alessi. Ed. Guanabara Koogan, 2 ed., p. 197-212, Rio de Janeiro, 2016.

LITTLE, S.E. Doença do Estômago. Em: O Gato Medicina Interna/Susan E. Little. Ed. Guanabara Coogan, 1 ed., p. 654-664, Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, M.C.F.P.; AULER, F.A.B. Doenças Gástricas. Em: Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. Marcia Marques Jericó; João Pedro de Andrade Neto; Márcia Mery Kogika. Ed. Guanabara Coogan, 1 ed., p. 2949-2954. Rio de Janeiro, 2015.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso