Tudo sobre: Glomerulonefrite

Introdução

Glomerulonefrite é o termo utilizado para se referir às doenças que levam a algum grau de destruição ou alteração glomerular, estrutura presente no rim que é composta por uma espécie de enovelado de capilares e fibras nervosas que têm função importante na estrutura e funcionamento renal.

Em pequenos animais, a glomerulonefrite é responsável por mais de 50% dos casos que evoluem para doença renal crônica (DRC). Os danos aos glomérulos causados por essa glomerulopatia podem ser graves, levando à fibrose das estruturas internas de forma irreversível, gerando uma insuficiência renal e, em alguns casos, é necessário diálise ou transplante renal (não aplicado na rotina veterinária ainda).

Existem algumas doenças sistêmicas que afetam os glomérulos e causam a glomerulonefrite, como hiperadrenocorticismo, neoplasias renais, doenças periodontais, inflamações sistêmicas crônicas, hipoperfusão renal, diabetes mellitus, hemoparasitose, leishmaniose, deposição de imunocomplexos (complexo antígeno e anticorpo), doenças autoimune, entre outras.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

As manifestações clínicas podem variar de acordo com a gravidade (animal pode ser assintomático) do quadro e com a doença primária (quando presente). Exemplos de possíveis sinais clínicos:

- Dor abdominal

  • Poliúria
  • Polidipsia
  • Halitose
  • Prostração
  • Urina menos concentrada
  • Sinais neurológicos
  • Êmese
  • Hipertensão
  • Emagrecimento
  • Perda de massa muscular
  • Letargia
  • Pelagem opaca

Diagnóstico

Associaçãoentre anamnese, exames físico e complementares. Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar/ realizar:

  • Hemograma
  • Urinálise
  • Ureia
  • Razão ureia: creatinina urinária (RPC)
  • Creatinina
  • Dimetillarginine sintética (SDMA)
  • Proteína total + frações
  • Bilirrubina (total, direta e indireta)
  • Fosfatase alcalina (F.A.)
  • ALT - TGP
  • AST - TGO
  • Triglicerideos
  • Colesterol total e fracionado
  • Dosagem de eletrólitos
  • Ultrassonografia abdominal
  • Radiografia torácica
  • Post mortem (Necropsia)

Observação: A realização e a definição da necessidade destes e de outros exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento é direcionado para a causa base que levou à glomerulonefrite, quando conhecida. 

O objetivo do tratamento é diminuir a chance da evolução da lesão para uma forma irreversível, pois após certo grau de comprometimento não é mais possível a reversão dessa condição. 

Além do tratamento da causa base, pode ser realizada fluidoterapia para estimular a filtração glomerular, anti-inflamatórios, antibióticos, analgésicos e antieméticos em caso de vômito.

É importante ressaltar que a terapia é individualizada, ou seja, deve ser direcionada para cada paciente de acordo com o estágio da doença, presença ou não de doenças subjacentes e características e necessidades individuais.

Prevenção

-Não se aplica

Referências Bibliográficas

CAVALCANTE, C. Z. et al. Avaliação da albumina e da eletroforese de proteínas urinárias de cães com hiperadrenocorticismo e a relação com a pressão arterial sistêmica. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 33, n. 11, 2013.

CAMARGO, M. H. B. et al. Alterações morfológicas e funcionais dos rins de cães com insuficiência renal crônica. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 58, n. 5, 2006.

LEDUR, G. R. et al. Carcinoma colangiocelular em gato. Acta Scientiae Veterinariae, pub. 57, p. 42-57, 2014.

MENESES, T. D. Doença periodontal e glomerulonefrite em cães. Universidade Federal de Goiás, p. 20-24, 2013.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso