Tudo sobre: Hiperparatireoidismo Primário

Introdução

As glândulas paratireoides, localizadas nos dois lobos da glândula tireoide, são responsáveis pela produção e liberação do hormônio paratormônio (PTH), principal hormônio envolvido no metabolismo de cálcio e fósforo do organismo. O PTH é secretado em condições de hipocalcemia, ou seja, quando a concentração de cálcio na corrente sanguínea está baixa. Ele age diretamente na mobilização de cálcio dos ossos e em sua reabsorção pelos rins e indiretamente em sua absorção pelo sistema digestivo pela ação da vitamina D, com a finalidade de elevar os níveis séricos. 

Patologias que envolvem as glândulas paratireoides em cães e gatos podem resultar em hipo ou hiperparatireoidismo primários ou secundários, que se caracterizam por alterações nas concentrações de cálcio e/ ou fósforo. No hiperparatireoidismo primário (HPP), o PTH é sintetizado e secretado em excesso no organismo em decorrência de uma neoplasia, como adenoma ou carcinoma, ou de uma hiperplasia da(s) glândula(s) paratireoide(s), independentemente da concentração sérica de cálcio.

O excesso de PTH resulta em diversas alterações no organismo, com consequências mais graves nos sistemas musculoesquelético e renal. A intensa reabsorção óssea e hipercalcemia persistentes resultam em fragilidade e alteração da composição óssea, mineralização dos tecidos moles e nefrocalcinose e/ ou nefrolitíase, podendo provocar lesāo renal grave. Além disso, a hipercalciúria (alta concentração de cálcio na urina) contribui para o desenvolvimento de infecções do trato urinário e urolitíases (cálculos urinários).

O HPP é uma doença considerada incomum em cães e rara em gatos. Acomete principalmente animais de meia-idade a idosos, com idade média de 10 anos, sem predisposição sexual. Qualquer raça pode ser afetada, mas observa-se uma frequência maior em cães da raça Keeshond, assim como Labrador Retriever, Pastor Alemão, Cocker Spaniel, Golden Retriever, Springer Spaniel e Poodle.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Assintomático

Sinais clínicos (isolados ou em conjunto):

- Poliúria

- Polidipsia

- Letargia

- Êmese

- Fraqueza muscular

- Intolerância ao exercício 

- Fraturas patológicas

- Anorexia

- Sintomas do trato urinário inferior (polaquiúria, estrangúria, hematúria, incontinência urinária)

- Emagrecimento

- Constipaçao intestinal

- Tremores, espasmos e convulsōes 

- Desidrataçao

Diagnóstico

Associação entre anamnese detalhada, exame físico e exames complementares (laboratoriais e de imagem).

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

- Hemograma completo

- Urinálise

- Ureia 

- Creatinina

- ALT - TGP (Alanina Aminotransferase)

- Fosfatase Alcalina (FA)

- Proteina total

- Albumina

- Fósforo

- Sódio

- Potássio

- Cálcio total e ionizado 

- Dosagem de PTH

- Dosagem de proteína relacionado ao paratormônio (PTHrP)

- Radiografia toracica (identificar neoplasia ou calcificaçāo ectópica)

- Radiografia musculoesqueletica (identificar fraturas, osteopenia generalizada)

- Ultrassonografia cervical

- Ultrassonografia abdominal (identificar neoplasias, complicações da hipercalcemia e outras alterações possíveis)

- Tomografia computadorizada 

- Biopsia guiada por ultrassom 

- Histopatologia 

*Importante realizar diagnóstico diferencial entre HPP e outras causas de hipercalcemia. 

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O tratamento mais indicado para o HPP é a remoção cirúrgica do tecido anormal. Porém, nos casos em que o(a) paciente apresenta hipercalcemia grave deve-se realizar primeiro o tratamento clínico com fluidoterapia podendo associar diuréticos, bicarbonato de sódio e glicocorticóides.

Em pacientes com hipercalcemia leve/ moderada, não é necessário tratamento clínico antes do procedimento cirúrgico.

Em alguns casos pode ser necessária a realização de terapia com cálcio e vitamina D após a remoção do tumor na paratireoide a fim de evitar a hipocalcemia clínica. Os valores de cálcio total e ionizado devem ser monitorados até que sua concentração se estabilize na faixa normal.

O prognóstico é considerado favorável quando a remoção do tecido comprometido é completa e é possível manter pelo menos uma glândula contralateral, minimizando efeitos da hipocalcemia. Entretanto, em casos de retirada incompleta da paratireoide comprometida, doença poliglandular (afetando mais de uma glândula) e neoplasia maligna com presença de metástase, o prognóstico é desfavorável.

Prevenção

-Nao se aplica

Referências Bibliográficas

BONCZYNSKI, Jennifer. Primary hyperparathyroidism in dogs and cats. Clinical techniques in small animal practice, v. 22, n. 2, p. 70-74, 2007.

CARDOSO, Mauro José Lahm. Doenças da Paratireoide: hipercalcemia e hipocalcemia. : Hipercalcemia e Hipocalcemia. In: JERICÓ, Márcia Marques; KOGIKA, Márcia Mery; ANDRADE NETO, Joāo Pedro de. Tratado de medicina interna de cāes e gatos. Rio de Janeiro: Roca, 2015. Cap. 184. p. 3837-3856.

DOENÇAS da Glândula Paratireoide: Hiperparatireoidismo Primário. Hiperparatireoidismo Primário. In: NELSON, Richard W; COUTO, C. Guillermo. Medicina Interna de Pequenos Animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. Cap. 50. p. 2138-2148. Tradução de: Cíntia Raquel Bombardieri, Marcella de Melo Silva.

FOSSUM, Theresa Welch; CAPLAN, Elaine R.. Surgery of the Endocrine System: surgery of the thyroid and parathyroid glands. : Surgery of the Thyroid and Parathyroid Glands. In: FOSSUM, Theresa Welch. Small Animal Surgery. 4. Ed., Elsevier, 2013. Cap. 23. p. 679-682.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso