Tudo sobre: Hiperplasia Hepática Nodular

Introdução

A hiperplasia nodular apresenta-se como uma lesão, a princípio benigna, que se manifesta no fígado de cães e gatos. Tal lesão corresponde à proliferação dos hepatócitos (células hepáticas) de maneira exacerbada que promove a formação de nódulos isolados ou múltiplos, comprimindo e atrofiando o tecido hepático adjacente a eles e sem etiologia ainda totalmente elucidada pela literatura. 

Não é considerada uma lesão pré-neoplásica, ou seja, geralmente não evolui para a formação de uma neoplasia maligna e é frequentemente encontrada acidentalmente, durante laparotomias exploratórias, exames de imagem ou mesmo na patologia post mortem (necropsia). 

De origem até então idiopática (causa desconhecida), a incidência da hiperplasia hepática nodular tende a aumentar com a idade, sendo observada na rotina clínica principalmente em animais idosos, sem predileção por raça ou gênero. 

Apresenta-se como um ou mais nódulos, bem delimitados e diferenciados, com acúmulo focal ou difuso de glicogênio e gordura.

A afecção pode permanecer sem a evidência de sinais clínicos durante toda a vida do animal, exceto em casos raros em que haja ruptura de um ou mais nódulos ou compressão dos vasos sanguíneos, causando hemorragia e interrupção do aporte sanguíneo do fígado, respectivamente.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Assintomático

Sinais inespecíficos (isolados ou em conjunto):

- Emagrecimento

- Poliúria 

- Polidipsia

- Icterícia

- Palidez de mucosas

- Anemia

- Ascite

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia, anamnese e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

- Hemograma completo

- ALT-TGP

- Fosfatase Alcalina (F.A.) 

- Bilirrubinas (direta, indireta e total)

- Biópsia

- Radiografia abdominal

- Ultrassonografia abdominal

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

De forma geral, a hiperplasia hepática nodular permanece assintomática por toda a vida do animal, não sendo necessário a aplicação de um tratamento específico. Quando for diagnosticado alterações nas enzimas hepáticas, por meio de exames bioquímicos, é necessária a utilização de protetores hepáticos. 

Em casos de ruptura de nódulos, de acordo com a avaliação dos exames, a transfusão de sangue e a excisão de emergência da massa podem ser indicados para estabilizar o animal, uma vez que tal ruptura causa hemorragia, como já mencionado.

Prevenção

Não existem medidas profiláticas específicas para o surgimento da hiperplasia hepática nodular. Porém, é importante salientar que animais senis devem ser acompanhados por um(a) médico(a) veterinário(a) periodicamente, a fim de se detectar precocemente várias alterações e patologias que podem estar ocorrendo, evitando o desenvolvimento de quadros mais graves.

Referências Bibliográficas

COGLIATI, B., SILVA, R. D., USHIKOSHI, W. S., Doenças hepáticas caninas. In: Jericó, M.M., Neto J.P.A., Kogika 26 M.M. 2015. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1ª ed, Roca, Rio de Janeiro, v.1, p.1035-1052

THAMM, D. H. Neoplasias hepáticas. In: Daleck CR, De Nardi AB, Rodaski S. Oncologia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, 2008. 

VAN SPRUNDEL, R. G. H. M.; VAN DEN INGH, T. S. G. A. M.; GUSCETTI, F.; KERSHAW, O.; KANEMOTO, H.; VAN GILLS, H. M.; ROTHUIZEN, J.; ROSKAMS, T.; SPEE, B. Classification of primary hepatic tumors in the dog. The Veterinary Journal, London, v.197, n.3, p.596-606, 2013.

WATSON, P.J.; BUNCH, S. E. Distúrbios hepatobiliares e do pâncreas exócrino. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 4. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. Parte 4, p. 485-578

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso