Tudo sobre: Hipocalcemia

Introdução

A Hipocalcemia é caracterizada pela baixa concentração sérica total (no sangue) de cálcio. Várias são as causas que podem levar o animal a um quadro de hipocalcemia, como por exemplo, hipoparatireodismo primário, tetania puerperal, hipoalbuminemia, insuficiência renal aguda e crônica, síndromes da má assimilação, síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS), no início agudo de hiperfosfatemia. Assim, a prevalência do quadro, sexo, idade e raças depende da causa subjacente. Pode acometer tanto cães como gatos. 

Os animais com hipocalcemia podem ser assintomáticos ou apresentar diferentes sinais clínicos que variam de acordo com a gravidade do quadro, podendo desenvolver até disfunção neuromuscular em casos mais graves.

Transmissão

- Não se aplica

Manifestações clínicas

Assintomático 

Sinais clínicos inespecíficos quando presentes e podem ocorrer isolados ou em conjunto:

- Agressividade 

- Alterações de comportamento

- Contração muscular focal

- Cãibras

- Andar rígido 

- Tetania

- Convulsões 

- Fraqueza

- Respiração ofegante

- Fricção facial 

- Êmese 

- Anorexia 

- Pirexia

- Distensão abdominal

- Bradicardia 

- Taquicardia

- Catarata 

Observação: exercício, excitamento e estresse podem agravar os sinais clínicos. 

Diagnóstico

Associação entre história clínica, exames físicos e laboratoriais. 

Exames que o(a) Médico(a) Veterinário(a) pode pedir:

- Hemograma completo

- Bioquímico

- Urinálise 

- Cálcio ionizado

- Teste do etilenoglicol 

- Imunorreatividade da lipase pancreática 

- Ensaio com PTH

- Concentração sérica de magnésio 

- Calcitriol plasmático 

- Radiografia

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do (a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O tratamento da hipocalcemia está relacionado ao tratamento da causa subjacente juntamente com a manutenção dos níveis séricos de cálcio e pode ser necessária a internação do paciente. Recomenda-se a auscultação e monitorização eletrocardiográfica durante a administração de cálcio a fim de verificar a ocorrência de alterações e avaliar a necessidade de suspender a infusão temporariamente. 

Em casos de pacientes com hiperfosfatemia, a administração de cálcio deve ser feita com cautela, uma vez que o aumento do produto entre cálcio e fósforo favorece a deposição em tecidos moles.

A terapia de manutenção para controlar a hipocalcemia pode ser necessária a longo prazo nos casos de hipoparatireoidismo primário e hipoparatireoidismo secundário à tireoidectomia (excisão) bilateral em gatos com hipertireoidismo.

Prevenção

- Dependente da causa subjacente

Referências Bibliográficas

JERICÓ, M.M.; de ANDRADE NETO, J.P.; KOGIKA, M.M. Tratado de medicina interna de cães e gatos. 2 v. 1ed. São Paulo: Roca, 2015, 2220-2223 p.

NELSON, Richard W. et al. Medicina Interna de Pequenos Animais. Ed. Elsevier, ed. 5, cap. 40, 2015. 

TILLEY, Larry P.; JUNIOR, F. W. K. S. Consulta Veterinária em cinco minutos: Espécies canina e felina. Ed. Manole, ed. 5, p. 656-657.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso