Tudo sobre: Hipoparatireoidismo

Introdução

É uma deficiência na produção do paratormônio, hormônio produzido pelas glândulas paratireoides localizadas na região cervical, responsável pelo metabolismo mineral de cálcio e fósforo. Os níveis de fósforo e cálcio equilibram-se um em função do outro sob ação hormonal, ou seja, quando há queda na concentração de um destes elementos ocorre alterações hormonais para reduzir o outro. Portanto, quando há diminuição do paratormônio ocorre um desequilíbrio entre cálcio e fósforo levando ao aparecimento de sinais clínicos. 

O paratormônio atua no aumento dos níveis de cálcio e redução da concentração de fósforo no sangue. Distúrbios que geram a deficiência desta substância resultam em redução dos níveis de cálcio e aumento do fósforo e este quadro, quando persistente e na ausência de outras alterações, pode sugerir o hipoparatireoidismo.

É uma afecção rara em cães e gatos e a causa ainda é desconhecida. Pode ocorrer após cirurgia de remoção da tireoide, por estarem bem próximas.

Em cães, as fêmeas são mais afetadas, enquanto em gatos os machos costumam ser mais acometidos.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Os sinais estão associados à queda dos níveis do cálcio, o qual participa do processo de contração muscular, portanto, a manifestação clínica ocorre principalmente na alteração deste processo:

- Contração muscular focal

- Convulsão

- Fraqueza

- Ataxia

- Câimbra de posteriores/ rigidez nos membros

- Respiração ofegante/ hiperventilação

- Inapetência

- Letargia

- Êmese

- Agressividade

- Vocalização

Diagnóstico

Como se trata de uma alteração rara, deve se excluir outras causas mais comuns (ex. alteração renal pode resultar em aumento de fósforo sanguíneo). 

O(a) Médico(a) Veterinário(a) deve associar o quadro clínico e histórico aos exames complementares que são de extrema importância diagnóstica nesta afecção.

- Hemograma

- Creatinofosfoquinase (CPK)

- Ureia

- Níveis de paratormônio

- Dosagem de cálcio sanguíneo 

- Dosagem de fósforo sanguíneo

- Urinálise

- Relação proteína/ creatinina

- Ultrassonografia 

Exemplos de algumas afecções que também resultam em hipocalcemia (queda dos níveis de cálcio no sangue), hipofosfatemia (diminução de fósforo sanguíneo) ou hiperfosfatemia e que devem ser descartadas para que se chegue ao diagnóstico de hipoparatireoidismo:

- Alteração renal

- Queda de cálcio no pós-parto

- Pancreatite 

- Intoxicação por etilenoglicol

- Anticonvulsivos 

- Erro laboratorial

- Traumas com dano muscular

Observação: a escolha de quais exames solicitar, fica a critério do(a) Médico(a) Veterinário(a), o qual irá avaliar e adequar sua conduta conforme a situação clínica do paciente. 

Tratamento

O objetivo do tratamento é o equilíbrio mineral através da reposição. Inicialmente, é necessário que o paciente permaneça hospitalizado para um maior controle do sinais e reposição mineral, a qual deve ser feita de forma cautelosa e gradativa conforme a necessidade individual de cada paciente. A monitoração por meio da dosagem desses minerais é extremamente importante para avaliar a eficácia e resposta ao tratamento.

Prevenção

Por ser uma afecção rara e que necessita de mais estudos para esclarecer a causa, a profilaxia não está bem estabelecida. Em paciente já diagnosticados, o controle periódico dos níveis de cálcio e fósforo auxilia a prevenir desequilíbrios e, consequentemente, pode evitar o aparecimento de sinais clínicos, aumentando a qualidade de vida do animal.

Referências Bibliográficas

MOLINA, P. Endocrine physiology, ed 3. New York: McGraw-Hill Medical; 2010.

BARBER, P. J. Disorders of the parathyroid glands. J Fel Med Surg. 2004; 6:259.

RUSSELL, N. J., et al. Primary hypoparathyroidism in dogs: a retrospective study of 17 cases. Aust Vet J. 2006; 84:206.

FERNANDEZ, N. J., BARTON, J., SPOTSWOOD, T. Hypoglycemia in a dog. Can Vet J. 2009; 50(4):423–426.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso