Tudo sobre: Histerocele gravídica

Introdução

Hérnia é o termo utilizado para descrever o escape de um ou vários órgãos ou de partes deles por um orifício aberto em cavidades do corpo que apresentam paredes internas para a proteção dos órgãos. A hérnia pode ser originada por malformação durante o desenvolvimento embrionário, pelo enfraquecimento das paredes protetoras, traumas ou ainda sem uma causa aparente. Quando a hérnia envolve a locomoção do útero ou parte dele para dentro do canal inguinal (por onde passam ligamentos que auxiliam na fixação do útero) ela é chamada de histerocele.

A histerocele pode estar envolvida com problemas reprodutivos nas gatas e cadelas e raramente ocorre sem que o útero apresente algum tipo de patologia. Porém, pode ocorrer nesses casos principalmente em cadelas de meia idade. Frequentemente a locomoção do útero está relacionada com casos de piometra ou com o enfraquecimento da musculatura abdominal que pode ser provocado pela condição de saúde geral, como por exemplo a obesidade. Além dos fatores de saúde, a histerocele pode ocorrer durante a gestação, chamada então de histerocele gravídica. 

Ao contrário da histerocele não gravídica (sem piometra), que pode permanecer sem causar danos imediatos à saúde da fêmea, a presença do desenvolvimento de filhotes em local inadequado é um quadro grave que deve ter atenção e tratamento imediato. A partir do diagnóstico com auxílio de ultrassonografia para a correta visualização da histerocele, o procedimento cirúrgico de tratamento é recomendado para a remoção do útero do canal inguinal em caráter emergencial.

Transmissão

-Congênita

-Idiopática

Manifestações clínicas

Assintomático

Pode ser observado aumento de volume na região das mamas ou o descolamento das mamas.

-Desidratação

-Apatia

-Êmese 

-Poliúria 

-Polidipsia

-Pirexia

-Dispneia

-Taquicardia

-Diarreia

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o médico veterinário pode solicitar:

-Ultrassonografia

-Radiografia

-Hemograma completo

-Urinálise simples

-Albumina

-Imunoglobulina A (IgA)

-Imunoglobulina G (IgG)

-Imunoglobulina M (IgM)

-Ureia

-AST – TGO

-ALT – TGP

-Fósforo

-Gama GT

-CPK (creatinofosfoquinase)

-Fosfatase Alcalina (F.A.)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário. 

Tratamento

O tratamento da histerocele gravídica é emergencial e deve ser realizado com a remoção cirúrgica do útero de dentro da cavidade do canal inguinal. O acompanhamento clínico do animal também é essencial e pode ser necessária internação para o restabelecimento da condição normal da fêmea além dos cuidados cirúrgicos.

Prevenção

As medidas de prevenção para complicações em decorrência de histerocele gravídica consiste no tratamento da histerocele assim que identificada e impedimento da viabilidade reprodutiva da cadela ou da gata nessa condição. São observados casos em que o diagnóstico de histerocele é realizado, porém o tutor opta pela não realização de cirurgia imediata, retornado posteriormente com o animal com um quadro grave de histerocele gravídica. 

Qualquer procedimento cirùrgico apresenta maiores chances de sucesso quando realizado no momento em que o animal não apresenta outras problemas originários da patologia, portanto o tratamento imediato previne complicações de saúde e até a morte do animal em decorrência da enfermidade.

Referências Bibliográficas

DE CARVALHO CAVALCANTI, Marina et al. Histerocele gravídica diafragmática em felino: Relato de caso. PUBVET, v. 11, p. 538-645, 2017.

FERREIRA, Franciely Camargo; DE CAMPOS, Aline Gomes; WANDERLEY, Marly Cristina Pinto. Caso clínico de gestação ectópica em cadela com hérnia inguinal. Eventos Científicos da Fundação Educacional de Ituverava, v. 1, n. 1, p. 120, 2017.

LUZ, Marcelo Rezende; FREITAS, Patricia Maria Coletto. A sobrevivência neonatal canina começa com os cuidados antes e durante a gestação. Rev. Bras. Reprod. Anim, v. 43, n. 2, p. 334-339, 2019.

SILVA-JUNIOR, E. R.; NAKAZATO, N. G.; SOUZA, A. K.; CAMPOS, G. A.; PINTO, B. M.; PRESTES, N. C. Reincidência de histerocele inguinal gravídica em cadela – Relato de caso. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 14, n. 2, p. 61-61, 29 ago. 2016.

STURION, Domingos José et al. Histerocele inguinal com hematometra em cadela-Relato de Caso. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v. 16, n. 2, 2013. 

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso