Tudo sobre: Impetigo ou Piodermite do filhote

Introdução

O impetigo é uma afecção de pele que pode ocorrer em pets, associada a uma infecção superficial causada por bactérias. Também é conhecida pelos nomes piodermite do filhote e dermatite pustular superficial. É observada em áreas sem pelos, principalmente na região de abdômen, podendo estar associada a vários fatores de base que predispõem à infecção, tais como: parasitas internos (verminoses), parasitas externos (pulgas e carrapatos), deficiência nutricional e ambientes sujos. É vista com maior frequência em cães jovens antes de atingirem a puberdade, mas pode ocorrer em pets mais velhos a depender do seu grau de exposição aos fatores de risco e da integridade do seu sistema imunológico.

As lesões se apresentam como pequenos pontos (pústulas) avermelhados ou regiões arredondadas preenchidas por líquido, similares a picadas de insetos nos humanos, que podem apresentar crostas ou não e se distribuem principalmente em regiões de axila, virilha e abdômen. Estas lesões não causam dor ou coceiras. Exames complementares podem revelar presenças de células específicas de defesa do organismo, assim como evidenciar bactérias como as que pertencem ao gênero Staphylococcus, que são habitantes comuns da flora da pele, mas podem multiplicar-se em situações oportunistas. Lesões mais crônicas podem adquirir um aspecto enegrecido.

Outros diagnósticos para os mesmos sinais a serem pesquisados a critério do seu Médico(a) Veterinário(a) incluem: picadas de inseto, processos iniciais de sarna, piodermite superficial, demodicose e dermatofitose. Além disso, doenças infecciosas como cinomose canina e leishmaniose visceral canina podem provocar pústulas em regiões similares ao impetigo, sendo de grande importância investigar sua ocorrência.

A determinação do quadro de impetigo leva em consideração a exclusão de outras causas dermatológicas de sinais semelhantes, histórico e sinais clínicos do pet, podendo ser recomendados alguns exames complementares para confirmação.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Eritema

- Pápulas

- Crostas

- Alopecia leve

- Liquenificação

- Colaretes epidérmicos

- Hiperpigmentação

- Erosões

- Pústulas

Diagnóstico

- Citologia (conteúdo de pústulas)

- Cultura bacteriana

- Dermatohistopatologia

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento é baseado na correção de fatores predisponentes a causar o Impetigo, tais como melhorar a limpeza do ambiente e a nutrição do pet. Além disso, deve ser realizada limpeza a cada 24 ou 48 horas com uma solução ou shampoo com base antimicrobiana recomendada por um Médico(a) Veterinário(a), com duração média do tratamento de sete a 10 dias. Caso as lesões sejam presentes em menor quantidade, pode ser recomendado o tratamento tópico com pomadas ou cremes para serem aplicados a cada 12 horas por cerca de sete a 10 dias.

Em casos de lesões persistentes após tratamentos tópicos, pode ser recomendo o uso de antibióticos orais por aproximadamente três semanas, devendo ser mantidos por uma semana adicional de tratamento após desaparecimento das lesões. A recuperação de pets acometidos por impetigo normalmente é boa, especialmente quando a intervenção ocorre antes da doença tornar-se crônica.

Prevenção

Oferecer uma boa nutrição ao seu pet, bem como um ambiente livre de fezes, urina e outros dejetos é fundamental para que ele possa ter uma boa saúde. Manter a vacinação e desverminação em dia também contribuem para que seu sistema imunológico fique fortalecido e tenha uma menor predisposição a desenvolver o Impetigo. 

Casos não tratados ou que perdurem por um longo tempo podem evoluir para outras doenças de pele como a foliculite bacteriana ou piodermite resistente, portanto, fique atento a alterações da pele de seu pet e busque orientação profissional para seus cuidados.

Referências Bibliográficas

BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Saunders Manual of Small Animal Practice-E-Book. Elsevier Health Sciences, 2005.

HNILICA, K. A.; PATTERSON, A. P. Bacterial skin diseases. In: Small Animal Dermatology-E-Book: A Color Atlas and Therapeutic Guide. Elsevier Health Sciences, p.51, 2016.

RHODES, K. H. Dermatologia de pequenos animais: consulta em 5 minutos. Revinter, 2005.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso