Tudo sobre: Intoxicação por ivermectina

Introdução

A ivermectina é uma substância que faz parte do grupo das avermectinas, obtidas da fermentação do fungo Streptomyces avermitilis, e é comumente utilizada como antiparasitário em bovinos, ovinos, suínos, equinos, cães e gatos. 

Na clínica de pequenos animais, este medicamento vem sendo utilizado para tratamento de sarna sarcóptica, demodécica, notoédrica e otodécica.
A intoxicação ocorre devido à administração fora da dose terapêutica (superdosagem) ou pela sensibilidade dos animais ao fármaco. Cães da raça Collie, Old English Sheepdog, Pastor de Shetland, Pastor Alemão, Pastor Australiano, Boiadeiro australiano, Afghan Hound, Border Collie, Galgos ou seus mestiços são particularmente sensíveis devido à mutações no gene MDR1, que facilita a penetração da ivermectina pela barreira hematoencefálica, desencadeando a sintomatologia nervosa.
Em estudo, 270 cães foram diagnosticados com intoxicação, sendo que 1,48% destes foi devido a ivermectina. Não há relação de intoxicação por ivermectina com sexo, mas animais jovens, com menos de quatro meses, são mais sensíveis ao medicamento devido à imaturidade da barreira hematoencefálica. 

Transmissão


-Não se aplica

Manifestações clínicas


Sinais inespecíficos (isolados ou em conjunto):
- Ataxia
- Hipertermia ou hipotermia
- Desorientação
- Sialorreia
- Midríase
- Hiperestesia
- Tremores
- Depressão
- Paralisia
- Ausência de reflexos pupilares
- Cegueira
- Bradicardia
- Hipotensão
- Head Pressing
- Êmese
- Diarreia
- Coma
- Óbito

Diagnóstico


Associação entre histórico detalhado, sintomatologia e exames físico e complementares.
Exames que o(a) Médico(a) Veterinário(a) pode solicitar/ realizar:


- Hemograma completo
- Cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento


Não existe um antídoto específico, assim, o tratamento recomendado é manutenção dos parâmetros fisiológicos com tratamento sintomático e de suporte. 

O prognóstico é de reservado a ruim, dependendo da quantidade a qual o animal foi exposto, do comprometimento do sistema nervoso central e da susceptibilidade à ivermectina do(a) paciente.

Prevenção


Conscientização dos(as) responsáveis a respeito do uso de fármacos com princípio ativo de grande toxicidade. Por esse motivo, recomenda-se a utilização de qualquer medicamento somente após recomendação de um(a) profissional médico(a) veterinário(a).

Não utilizar produtos à base de avermectina em raças sabidamente sensíveis como Collie, Pastor Australiano, Boiadeiro australiano (Blue e Red Heeler), Old English Sheepdog, Afghan Hound, Pastor de Shetland, Border Collie, Galgos e seus respectivos cruzamentos.

Referências Bibliográficas


ABREU, B. A. et al. Drogas relacionadas a casos de intoxicação em cães. Acta Biomedica Brasiliensia, V. 5, n. 2, Dez. 2014.

JERICÓ, M M.; KOGIKA, M. M.; DE ANDRADE NETO, J. P.. Tratado de medicina interna de cães e gatos. Grupo Gen-Guanabara Koogan, 2015.

LAVADOURO, J. H. B. Intoxicação por ivermectina em cães. Revista de Ciências Agroveterinárias. Lages, v.13,, p.55-56, 2013.

MAGALHÃES, H. K. N. et al. Intoxicação por ivermectina em gato - Relato de caso. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v.9, n.1, p. 69-77, 2015.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso