Tudo sobre: Isosporose

Introdução

A isosporose é uma doença provocada pelos protozoários do gênero Isospora que acomete gatos, cães e outros animais domésticos como bovinos e suínos, além de animais selvagens. O parasita provoca a infecção das células da parede do intestino, destruindo os tecidos onde se aloja, resultando em um quadro de diarreia característico da doença. 

A isosporose é uma das principais causas de diarreia em criações de cães, mas além da diarreia também podem ser observado vômito, dores abdominais e perda de apetite nos animais. O diagnóstico é confirmado por meio da visualização dos oocistos nas fezes do animal em exame específico solicitado pelo(a) médico(a) veterinário(a).

A diarreia causada pelo protozoário é especialmente grave nos filhotes, que podem vir a óbito pela infecção. Animais que vivem em locais fechados ou com aglomeração, como em canis, apresentam maior possibilidade de serem infectados pelo parasita, existindo forte relação com a higiene do ambiente. 

A transmissão do protozoário acontece através da eliminação dos oocistos (formas do parasita que sobrevivem no ambiente) pelas fezes de animais doentes. Alimentos ou água contaminados com oocistos podem ser ingeridos por cães ou gatos, levando ao desenvolvimento da isosporose. Além da contaminação de água e alimentos pelas fezes dos animais doentes, ratos e insetos, como moscas e baratas, também podem carregar o parasita e contaminar água e comida, ou ainda serem ingeridos pelos animais, causando a doença em locais onde não havia contaminação inicial.

Transmissão

- Água contaminada

- Alimentos contaminados

Manifestações clínicas

Assintomático

Sinais inespecíficos (isolados ou em conjunto):

- Fraqueza

- Apatia

- Êmese 

- Desidratação

- Diarreia

- Hematoquezia

- Hiporexia

- Inapetência

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

- Parasitológico de Fezes

- Hemograma completo

- Urinálise simples

- Albumina

- Imunoglobulina A (IgA)

- Imunoglobulina G (IgG)

- Imunoglobulina M (IgM)

- Ureia

- AST – TGO

- ALT – TGP

- Fósforo

- Gama GT

- CPK (creatinofosfoquinase)

- Fosfatase Alcalina (F.A.)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento deve ser realizado com medicamentos específicos para a eliminação do parasita causador da doença. A desidratação é uma característica importante da isosporose que deve ser tratada imediatamente para que o quadro do paciente não se agrave. 

Além da hidratação e tratamento medicamentoso para eliminação do protozoário do organismo, deve ser realizada terapia para a melhora na condição intestinal, com reposição da microbiota saudável, que ajudará na recuperação do intestino e melhora do funcionamento do órgão.

O acompanhamento deve ser realizado nas semanas que seguem ao tratamento com exames de fezes para a procura de possíveis oocistos remanescentes, a fim de verificar a eficácia do tratamento e necessidade de prolongamento do mesmo.

Prevenção

A infecção dos animais depende da presença de animais doentes no ambiente ou de pragas (ratos e insetos) que podem carrear o parasita e contaminar água e alimentos. Portanto, o isolamento de animais doentes é aconselhável, assim como a manutenção da higiene geral do ambiente em que os animais vivem e a eliminação de ratos e insetos. 

Comedouros e bebedouros devem ser mantidos limpos e a superlotação, principalmente em canis e gatis, deve ser evitada.

Referências Bibliográficas

DA SILVA, Aleksandro Schafer et al. Protozoários em cães de canis de Santa Maria–RS. Revista da FZVA, v. 15, n. 1, 2008.

FRANKEN, Ana Maria Jansen; FIGUEIREDO, Márcio José de; COUTINHO, Sérgio Gomes. Prevalência de Isospora em cães de diferentes áreas da cidade do Rio de Janeiro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 9, n. 1, p. 45-51, 1975.

IRALA, Márcio Josué Costa et al. ISOSPOROSE FATAL EM CÃO NO MUNICÍPIO DE PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 8, n. 2, 2017.

OGASSAWARA, Saemi et al. Ocorrência de Isospora sp. em cães na cidade de São Paulo. Revista da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, v. 15, n. 2, p. 137-142, 1978.

RAMOS, Anayê Francisca et al. ISOSPORA FELIS: RELATO DE CASO. Seminário de Iniciação Científica, Seminário Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão e Mostra Universitária, 2018.

VASCONCELOS, Mirelle Guiomar da Costa et al. Isosporose nos animais domésticos. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, v. 10, 2008.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso