Tudo sobre: Morte Súbita em Pastor Alemão

Introdução

A seleção de raças por cruzamentos consanguíneos pode gerar distúrbios genéticos cursando com patologias em diversos sistemas. O Pastor Alemão possui predisposição para algumas condições resultantes da seleção da raça como a displasia coxofemoral, megaesôfago, distúrbios pancreáticos e mielopatias degenerativas. Algumas doenças de caráter hereditário não produzem sinais clínicos evidentes, ou apresentam sinais tão discretos que pode passar despercebidos pelo tutor, e podem cursar com a morte súbita do animal. Dentre as doenças que podem causar morte súbita em cães dessa raça destacam-se as neoplasias, doenças cardíacas e a dilatação vólvulo gástrica

Dentre as neoplasias que cães Pastores Alemães podem apresentar os melanomas, hemangiossarcomas e carcinoma renal são importantes causas de morte, sendo o hemangiossarcoma esplênico importante causa de morte súbita devido à ruptura desses tumores com hemorragia aguda e abundante, levando à morte rapidamente. 

Como causas de origem cardíaca que cursam com morte súbita em Pastores Alemães, pode-se citar as cardiopatias congênitas, displasia da válvula mitral, estenose aórtica, persistência do ducto arterioso, arritmia ventricular familiar dos Pastores Alemães e a cardiomiopatia dilatada

A torção gástrica, mais prevalente em cães de grande porte, de tórax profundo, é uma condição em que ocorre a torção do estômago sobre o próprio eixo, secundária à dilatação do órgão, onde pode ocorrer concomitantemente à torção esplênica, represamento do sangue, choque e morte em poucos minutos. 

As doenças de malformação como a estenose aórtica e a persistência do ducto arterioso afetam animais jovens enquanto as demais doenças citadas são mais comuns em cães de adultos e de meia idade. 

Transmissão

-Caráter genético

Manifestações clínicas

Assintomático

Sintomas que podem estar presentes (isolados ou em conjunto)

-Angústia respiratória

-Taquipneia ao esforço

-Dispneia

-Intolerância ao exercício

-Síncope

-Regurgitação de alimentos

-Tosse

-Cianose

-Abaulamento abdominal

Diagnóstico

-Necropsia

Em casos de check-up quando da obtenção de animais dessa raça ou na percepção de alterações clínicas pelo tutor, o médico veterinário pode solicitar:

-Eletrocardiograma

-Ecocardiograma

-Radiografia torácica

-Ultrassonografia

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

Como as causas para morte súbita em Pastores Alemães são variadas e o óbito ocorre rápido, muitas vezes não há tempo hábil para instituir tratamentos, então o check-up e a descoberta precoce das alterações é o ponto de partida. Em casos de doenças que cursem com redução de contratilidade miocárdica, inodilatadores são recomendados. Doenças de malformações possuem tratamento cirúrgico, porém o prognóstico é reservado a desfavorável. Hemangiossarcomas esplênicos podem ser tratados cirurgicamente com esplenectomia. A dilatação vólvulo-gástrica possui correção cirúrgica e medidas simples de manejo, como evitar grandes porções de alimento e não realização de exercícios intensos pós-alimentação reduzem os riscos significativamente. 

Prevenção

A prevenção é feita com o diagnóstico precoce e tratamento quando possível. A consultoria de um médico veterinário ao adquirir cães é recomendada. 

Referências Bibliográficas

CRUICKSHANK, J. et al. Genetic Analysis of Ventricular Arrhythmia in Young German Shepherd Dogs. J. Vet Intern. Med., v.23, p. 264–270, 2009.

ŠTENGL, M. Experimental Models of Spontaneous Ventricular Arrhythmias and of Sudden Cardiac Death. Physiol., res. 59 (Suppl. 1), p. S25-S31, 2010.

MORAILLON, R.; LEGEAY, Y.; BOUSSARIE, D.; SÉNÉCAT, O. Manual Elsevier de Veterinária. Diagnóstico e tratamento de cães, gatos e animais exóticos. Editora Elsevier Masson, 7 ed., p. 315-317; 527, Rio de Janeiro, 2013.

JERICÓ, M.M.; KOGIKA, M.M.; ANDRADE NETO, J.P. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. Ed. Roca, 1 ed., 7047 p., Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, R.D.; ALESSI, A.C. Patologia Veterinária. Ed. Guanabara Koogan, 2 ed., 1346 p., Rio de Janeiro, 2016.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso