Tudo sobre: Neoplasia Ovariana

Introdução

Na maioria das vezes, as neoplasias ovarianas não são percebidas devido à falta de inspeção dos ovários sendo observadas apenas microscopicamente após a retirada dos mesmos. Os tumores ovarianos acometem vacas, éguas e cadelas, sendo comumente bilateral nas cadelas. 

Essas neoplasias podem ser divididas em três grupos de acordo com a sua origem: tumores de células do estroma ovariano, de células epiteliais e de células germinativas, sendo as neoplasias de células epiteliais mais frequentemente encontradas em cadelas idosas.

As neoplasias ovarianas representam 1,2 % de todas as neoplasias em cadelas e podem afetar um ou os dois ovários por meio de diversos cistos com fluidos e muco em seu interior. Essa neoplasia merece atenção principalmente por ter um grande potencial metastático, podendo acometer posteriormente linfonodos, rins, baço e outros órgãos. 

Por muitas vezes serem silenciosos, é preciso estar sempre atento e realizar check-ups semestral ou mensalmente nas fêmeas. Quando apresentam sinais, pode haver aumento abdominal, secreção vulvar e endocrinopatias. 

A literatura aponta que as neoplasias ovarianas podem acontecer em cadelas entre 14 meses e 16 anos de idade, sendo as da raça Buldogue Inglês mais acometidas. Em gatas, a doença pode ocorrer entre dois meses e 20 anos, sendo mais comum em felinas com sete anos de idade. 

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

-Cios irregulares

-Comportamento estereotipado

-Distúrbios endócrinos

-Aumento da cavidade abdominal 

-Descargas Vulvares

Diagnóstico

-Ultrassonografia Abdominal

-Laparotomia exploratória

-Citologia 

-Histopatologia

-Tomografia computadorizada

-Ressonância Magnética

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário. 

Tratamento

O tratamento consiste na retirada dos ovários com a castração do animal e análise histopatológica dos mesmo. Após a conclusão do tipo neoplásico, pode ser instituído protocolo quimioterápico de acordo com a decisão do médico veterinário responsável pelo caso. Em animais que apresentam metástases em outros órgãos, pode ser instituída a quimioterapia metronômica na tentativa de desacelerar a evolução da doença.

Prevenção

Não fazer uso de “vacinas anti-cio” (hormônios) ou injeções abortivas. É recomendado castrar animais que não são destinados para fins reprodutivos.

Referências Bibliográficas


AGUIRRA, L. R. V. M. Alterações anatomopatológicas ovarianas e uterinas de cadelas e gatas domiciliadas na região metropolitana de Belém. Universidade Federal Rural da Amazônia, 2013.

SOUZA, N. F, et. al. Adenocarcinoma ovariano em Cadelas. Rev. Bras. Reprod. Anim, Belo Horizonte, v.40, n.4, p.516-517, out/dez. 2016.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso