Tudo sobre: Neurite Óptica

Introdução

Os nervos ópticos fazem parte do conjunto de nervos cranianos e são responsáveis pela transmissão da informação visual dos olhos ao cérebro. A neurite óptica é uma inflamação de um ou de ambos os nervos ópticos, de origem primária, como um distúrbio idiopático imunomediado ou de origem secundária, como consequência de uma outra doença sistêmica como: cinomose, erliquiose, meningoencefalite granulomatosa, toxoplasmose, neoplasias e intoxicações.
A neurite óptica primária é rara e acomete animais adultos a idosos - acima de três anos de idade. Já nos casos de neurite óptica secundária, além de serem mais comuns na clínica de pequenos animais, a faixa etária pode ser variável. Não há relação com sexo e raça. 

O prognóstico depende da doença subjacente. Alguns casos podem se resolver sozinhos e outros podem evoluir para cegueira permanente.

Transmissão


-Não se aplica

Manifestações clínicas


Os sinais podem ocorrem em conjunto ou separado
- Cegueira
- Déficits visuais parciais
- Pupilas não responsivas à luz
- Midríase
- Edema e descoloração do disco óptico
- Hemorragia
- Deslocamento da retina 
- Dor

Diagnóstico


- Hemograma completo
- Urinálise simples
- Análise do líquido cefalorraquidiano
- Tomografia computadorizada
- Ressonância Magnética
- Exame de fundo de olho - fundoscopia
- Exames sorológicos
- Cinomose (PCR)
- Ehrlichia sp (PCR)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do Médico Veterinário.

Tratamento


É importante identificar a causa primária que levou ao quadro da neurite óptica e estabelecer o tratamento o quanto antes. Geralmente o médico veterinário pode receitar o uso de corticóides e outros anti-inflamatórios para diminuir a inflamação local.

Prevenção


A doença de origem primária não é possível prevenir. Porém cuidando para que o animal não pegue outras doenças, evita-se o desenvolvimento da neurite óptica secundária. Para isso, o(a) tutor(a) precisa estar consciente dos cuidados básicos para o bem-estar e saúde de seus animais. 

O acompanhamento periódico com o(a) médico(a) veterinário(a) garante que seu animal esteja bem amparado. O(a) responsável deve estar atento a quaisquer mudanças comportamentais e físicas de seus animais e levá-los para check ups de acordo com a orientação veterinária. 

O diagnóstico precoce é de suma importância para o sucesso do tratamento. A detecção da doença já nos primeiros sinais possibilita a melhor efetividade das terapias, aumentando as taxas de sucesso do tratamento e diminuindo as alterações orgânicas advindas da doença. 

Referências Bibliográficas

MARTINS, Danieli B. et al. Cinomose Canina - Revisão de Literatura, Acta Veterinaria Brasilica, v.3, n.2, p.68-76, 2009 

NELSON, Richard W. et al. Medicina Interna de Pequenos Animais. Ed. Elsevier, ed. 5, cap. 40, 2015.

SILVA, Iamylle C. Meningoencefalites de origem desconhecida em cães. Monografia (Graduação em Medicina Veterinária) - Faculdade de Agronomia e Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

TILLEY, Larry P.; JUNIOR, F. W. K. S. Consulta Veterinária em cinco minutos: Espécies canina e felina. Ed. Manole, ed. 5, p. 656-657.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso