Tudo sobre: Polioencefalomielite

Introdução

A polioencefalomielite é uma doença do Sistema Nervoso que ocorre em gatos domésticos. Raramente observada, sabe-se que gatos de pelo curto podem ser mais propensos a desenvolver a doença e apesar de não serem estabelecidas relações entre raças específicas com a polioencefalomielite, a incidência é maior em animais de raças puras do que animais sem raça definida, além de ser observado um maior número de fêmeas doentes.

A polioencefalomielite é uma meningoencefalite, ou seja, um processo inflamatório do cérebro e suas membranas protetoras, as meninges. Na maior parte dos casos, as meningoencefalites acontecem em decorrência da infecção de micro-organismos causadores de doença que invadem o cérebro ou ainda por causa de toxinas que têm afinidade com os tecidos nervosos.

O vírus da Doença de Borna foi citado como possível causador da polioencefalomielite em gatos, porém não existe ainda comprovação para tal fato. A doença de borna ocorre principalmente de cavalos e cordeiros, porém pode acometer diversos animais domésticos, incluindo os felinos. Sem estabelecer os meios pelos quais a doença ocorre, ainda não se sabe ao certo também suas causas, dificultando o tratamento da polioencefalomielite nos gatos.

Como a doença afeta o cérebro, ela atrapalha diretamente o funcionamento dos neurônios, causando confusão mental no animal, que pode ser observada por alterações significativas do comportamento. Falta de coordenação motora, dificuldades de locomoção e movimentação confusa também são observadas. Em alguns casos, o gato passa a apresentar crises convulsivas constantes.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

- Ataxia

- Convulsão

- Alteração no comportamento

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

- Cultura para Fungos com Antifungigrama

- Cultura para Fungos

- Cultura com Antibiograma Combinado (Anaeróbios + Aeróbios)

- Toxoplasmose Felina

- Hemograma completo

- Urinálise simples

- Albumina

- Imunoglobulina A (IgA)

- Imunoglobulina G (IgG)

- Imunoglobulina M (IgM)

- Ureia

- AST – TGO

- ALT – TGP

- Fósforo

- Gama GT

- CPK (creatinofosfoquinase)

- Fosfatase Alcalina (F.A.)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O protocolo terapêutico contra a polioencefalomielite não foi estabelecido pela falta de conhecimento acerca de como a doença se desenvolve e de suas causas. Nesses casos, o tratamento é estabelecido de acordo com os sintomas apresentados pelo animal e pode ser bastante variável. Porém, é importante ressaltar que o tratamento não evita a progressão da doença. A utilização de anticonvulsivantes quando crises convulsivas estão presentes auxilia na qualidade de vida do animal.

Prevenção

Não são estabelecidas medidas preventivas para a doença até o momento.

Referências Bibliográficas

ABRAMO, F. et al. Encefaliti ad eziologia sconosciuta: meningoencefalomielite granulomatosa del cane e polioencefalomielite del gatto. In: XLIX Congresso della Società Italiana di Scienze Veterinarie. 1995. p. 537-538.

LUNDGREN, A.-L. Feline non-suppurative meningoencephalomyelitis. A clinical and pathological study. Journal of comparative pathology, v. 107, n. 4, p. 411-425, 1992.

LUNDGREN, A.-L. et al. Neurological disease and encephalitis in cats experimentally infected with Borna disease virus. Acta neuropathologica, v. 93, n. 4, p. 391-401, 1997.

STAEHELI, P. et al. Epidemiology of Borna disease virus. Journal of General Virology, v. 81, n. 9, p. 2123-2135, 2000.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso