Tudo sobre: Protrusão da Terceira Pálpebra

Introdução

A terceira pálpebra ou membrana nictitante é uma estrutura ocular que possui uma glândula, é localizada na região inferior do olho, e está situada entre a pálpebra inferior e a córnea. Juntamente com a glândula lacrimal, a glândula da terceira pálpebra é responsável pela produção da lágrima e lubrificação do olho, além de ter importante na atividade imunológica ocular.
Dentre os distúrbios que podem acometer essa estrutura a protrusão ou exposição anormal é o mais prevalente em cães, sendo mais raro em gatos. A protrusão geralmente ocorre devido à hiperplasia e hipertrofia da glândula da terceira pálpebra associada à deficiência do tecido conjuntivo periorbital, que é pouco desenvolvido principalmente em cães, e pode estar ligado a um caráter genético.
A protrusão de terceira pálpebra é vista frequentemente associada à síndrome de Horner, que ocorre devido a distúrbios da inervação simpática para o globo ocular e seus anexos. Também ocorre em inflamações oculares ou doenças sistêmicas como o tétano por exemplo. É observada geralmente em animais jovens (de até dois anos de idade) e não tem predisposição sexual. Algumas raças de cães como Cocker Spaniel, Mastiff, Shih tzu, Lhasa apso, Boston terrier, Basset hound, Beagle, Bulldog ingles, Shar Pei e gatos Persas são mais predispostas.
A afecção pode ser uni ou bilateral e se observa uma massa avermelhada no canto do olho acometido (Cherry eye). A exposição da glândula da terceira pálpebra leva a edema e inflamação secundária, além de redução na produção lacrimal com prejuízo da lubrificação, conjuntivites crônicas e secreções oculares.

Transmissão

-Sugere-se caráter hereditário

Manifestações clínicas

-Observação-se massa avermelhada no canto do olho

-Secreção ocular

-Hipertrofia da glândula

-Redução da produção lacrimal 

-Conjuntivite

-Epífora

-Edema na terceira pálpebra

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos e epidemiológicos

-Exame clínico

-Oftalmoscopia

-Teste de Schirmer

-Ultrassonografia

-Outros exames podem ser necessários para descoberta da causa base se esta não for primária do olho.

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

Quando a protrusão está associada a causas sistêmicas, muitas vezes tem resolução espontânea com o tratamentos da doença primária, porém quando as causas são primárias da glândula, o tratamento pode ser realizado com antibioticoterapia e uso de antiinflamatórios, o que promoverá redução de infecções e do edema, porém a resolução não é completa. Pode-se realizar a retirada cirúrgica, no entanto a excisão completa reduz a produção de lágrimas e como consequência leva à ceratoconjuntivite seca. Outras correções cirúrgicas são indicadas para manter a terceira pálpebra em sua posição anatômica correta, sem a necessidade de sua retirada. Esses procedimentos podem ser feitos com emprego de suturas e ancoragem da glândula da terceira pálpebra em estruturas adjacentes, como o tecido conjuntivo da terceira pálpebra ou o periósteo da órbita, por exemplo. Há ainda a técnica de Morgan que utiliza a reposição da glândula em um bolso criado na conjuntiva da terceira pálpebra.

O uso de corticóides é empregado em casos que não hajam complicações como úlceras de córnea e pode ser utilizado no período anterior a cirurgia para redução do edema e da inflamação local. O uso de colar elisabetano antes do procedimento cirúrgico é importante para evitar traumas locais.

Prevenção

Quando há predisposição para protrusão, as técnicas de ancoragem servem para prevenir recidivas, porém, ainda assim elas são comuns. Segundo literatura, a técnica de Morgan tem o menores índices de recidiva, porém ainda podem ocorrer. 

Referências Bibliográficas

GELATT, K.N. Fundamentos de Oftalmología Veterinaria. Ed. Masson, 1 ed., p. 113-120, 2002.

BRANDÃO, C. V. S. et al. Prolapso de Glândula de Terceira Pálpebra em Cães: avaliação cito e histopatológica. Archives of Veterinary Science , v 12, n.3. p.21-25, 2007.

ANTUNES, M.I.P.P.; BORGES, A.S. Síndrome de Horner em Cães e Gatos. Revista Vet. e Zootec. v. 18, n. 3, p.  339-346, 2011.

PEIXOTO, R.V.R.; GALERA, P.D. Avaliação de 67 casos de protrusão da glândula da terceira pálpebra em cães (2005-2010). Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64, n.5, p.1151-1155, 2012.

DOS SANTOS, I.F.C. et al. Prolapso da Glândula da Terceira Pálpebra em Cão: relato de caso. Acta Veterinaria Brasilica, v.6, n.4, p.329-334, 2012. 

MERLINI, N.B. et al. Estudo Retrospectivo de 71 casos de protrusão da Glândula da Terceira Pálpebra (2009-2013). Arq. Ciênc. Vet. Zool, v. 17, n. 3, p. 177-180, jul./set. 2014.

JERICÓ, Márcia Marques; KOGIKA,  Márcia Mery; ANDRADE NETO,  João Pedro de. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. Ed. Roca, 1 ed., 7047 p., Rio de Janeiro, 2015.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso