Tudo sobre: Ruptura Uterina

Introdução

A ruptura uterina consiste na descontinuidade da parede uterina, que pode ser parcial ou total. Ocorre com maior frequência em úteros de tamanho aumentado e desvitalizado, geralmente em casos de gestação (maceração fetal é um exemplo), acúmulo de secreções (piometra, mucometra ou hemometra), presença de tumores na luz do órgão (ex. leiomioma, leiomiossarcoma), torção uterina ou até mesmo em casos de partos distócicos.

Durante a gestação, o útero pode sofrer uma ruptura por infecções graves, trauma externo ou interno, ou causas iatrogênicas como excesso de manipulação, manobras erradas durante o parto e uso incorreto de fármacos que aumentem a contratilidade uterina. 

Alguns animais com essa afecção podem se apresentar assintomáticos, principalmente os felinos, porém é uma condição grave que é considerada emergência veterinária.

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

Assintomático

  • Apatia
  • Secreção vulvar
  • Dor abdominal
  • Prostação
  • Mucosas pálidas 
  • Desidratação
  • Choque hipovolêmico
  • Morte

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos e exame físico

  • Ultrassonografia abdominal
  • Laparotomia exploratória

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento inicial baseia-se na reposição da volemia com soluções hidroeletrolíticas ou até mesmo transfusão sanguínea, dependendo do quadro em que se encontra a paciente. Após estabilização, deve-se suturar as lesões ou castrar o animal, realizando também a lavagem da cavidade abdominal.

É necessário a utilização de antibióticos, anti-inflamatórios, analgésicos, entre outras medicações, dependendo da avaliação do(a) médico(a) veterinário(a). Mesmo assim, o prognóstico dessa alteração é de reservado a desfavorável com grande chances de óbito.

Prevenção

O método de prevenção eficaz é a castração dos animais não utilizados para a reprodução e, em casos de fêmeas gestantes, recomenda-se o acompanhamento gestacional com um(a) médico(a) veterinário(a) e seguir suas recomendações adequadamente.

Referências Bibliográficas

COUTINHO, B. P. et al. Retroflexão e evisceração da vesícula urinária decorrente de ruptura dos órgãos genitais em cadela. Revista Ciência Rural, vol. 43, n.2, Santa Maria, 2013.

MARINHO, T. C. M. S. et al. Prolapso e ruptura de útero gravídico em cadela: relato de caso. PubVet, vol. 6, n. 10, p. 1319-1324, 2012.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso