Tudo sobre: Siringomielia e Malformação tipo Chiari

Introdução

A siringomielia corresponde ao acúmulo de líquido cefalorraquidiano (Líquor) em qualquer segmento da medula espinhal. Pode ocorrer de forma secundária às alterações de pressão dentro do canal medular ou por obstrução do fluxo do líquor em casos de malformações congênitas, processos inflamatórios ou neoplásicos.

A malformação de Chiari ou síndrome de Chiari e siringomielia, é um caso no qual uma deformidade craniana, caracterizada pela diferença de tamanho entre o encéfalo (maior) e o crânio (menor), acarreta a compressão do cerebelo e do tronco encefálico, bem como outras estruturas neurais contra o forame magno (“abertura” no crânio por onde passam estruturas do SNC, como a medula espinhal, por exemplo) causando obstrução da passagem do líquor que provoca a siringomielia e hidrocefalia.

O prognóstico é variável, pois alguns animais portadores podem permanecer estáveis com poucas alterações ao longo da vida, enquanto outros sofrem degenerações neurológicas graves em pouco tempo após o aparecimento dos primeiros sintomas. Isso ocorre porque a malformação de Chiari sozinha (hipoplasia do occipital e herniação cerebelar) não causa sintomatologia geralmente.

As raças toys apresentam maior predisposição, principalmente as raças Cavalier King Charles Spaniel, Griffon de Bruxelas, Maltês, Yorkshire terrier e Chihuahua. Não há predisposição sexual.

Transmissão

- Pode ter caráter hereditário

Manifestações clínicas

- Assintomáticos 

- Dor 

- Comportamento de arranhadura

- Sensibilidade ao toque 

- Escoliose

- Convulsão

- Surdez 

Diagnóstico

Associação entre história clínica, exame físico e complementares.

Exames que o(a) Médico(a) Veterinário(a) pode solicitar/realizar:

- Hemograma completo

- Albumina

- ALT – TGP

- AST – TGO

- Ureia 

- Creatinina

- Urinálise simples

- Radiografia

- Ultrassonografia

- Ressonância Magnética

- Análise do líquor

Observação: A realização e a definição de necessidade destes exames complementares e de outros são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a).

Tratamento

O principal objetivo do tratamento é o alívio da dor. Para isso, o(a) médico(a) veterinário(a) pode receitar o uso de diuréticos para diminuir a quantidade de líquor e reduzir a pressão no canal medular. Pode usar ainda inibidores da bomba de prótons, antagonistas de receptores H2, analgésicos neurogênicos e corticoides. De acordo com o quadro, cirurgias descompressivas podem ser recomendadas.

O acompanhamento do(a) paciente deverá ser feito frequentemente para avaliação do sucesso do tratamento. 

Algumas mudanças de manejo podem ser recomendadas, como mudança nos tipos de atividades físicas, remoção de coleiras do pescoço e elevação dos comedouros e bebedouros.

Prevenção

É uma doença que pode ter uma origem genética, então é importante que em casos de compra de filhotes, os(as) tutores(as) adquiram os animais de criatórios registrados e responsáveis que tenham um bom controle sanitário do plantel de matrizes e padreadores. O histórico dos pais da ninhada é fundamental justamente para avaliar possíveis doenças que possam ser herdadas pelos filhotes.
No caso de animais adotados, cuja procedência é desconhecida, é difícil fazer esse tipo de previsão. No entanto, o acompanhamento precoce e periódico com o(a) médico(a) veterinário(a) tanto para as primeiras vacinas e vermífugos, quanto para check up possibilita o diagnóstico precoce e o correto manejo do animal para evitar possíveis complicações.

Em animais que apresentam predisposição de desenvolver siringomielia recomenda-se a realização de exames de imagem avançados, como ressonância magnética, pelo menos duas vezes ao longo a vida (em torno de um a três anos e depois por volta dos cinco anos).

Após o diagnóstico, o(a) responsável deve ter consciência da natureza crônica da doença e da impossibilidade de cura permanente, mas que o animal pode ter uma qualidade de vida aceitável desde que haja a realização da terapia adequada. 

Referências Bibliográficas

ADEODATO, A. CBKC: Cavalier King Charles Spaniel e a Siringomielia. CRV imagem, 2015. Disponível em: <http://crvimagem.com.br/blog/cbkc-cavalier-king-charles-spaniel-e-a-siringomielia/>.

DA COSTA, RC. Lendas neurológicas. Resumo da Palestra apresentada no 35° Congresso Brasileiro da ANCLIVEPA 2014, Belo Horizonte, MG. Disponível em: <http://neuronaldo.com.br/wp-content/uploads/2012/04/Resumo-palestra-Lendas-Neurologicas.pdf>. 

GHIRELLI, C. O. Ultrassonografia transcraniana em cães e sua aplicação clínica em comparação ao exame tomográfico. Tese (Doutor em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgica Veterinária - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. 

TILLEY, L. P.; JUNIOR, F. W. K. S. Consulta Veterinária em cinco minutos: Espécies canina e felina. Ed. Manole, ed. 5, p. 656-657.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso