Tudo sobre: Torção Uterina

Introdução

A torção uterina é uma condição emergencial caracterizada pela rotação de um ou ambos os cornos uterinos sobre seu próprio eixo longitudinal. Ocorre com maior frequência em gatas, porém é uma condição rara tanto em gatas quanto em cadelas. Está associada mais comumente às fêmeas gestantes no final da gestação e às fêmeas que já gestaram anteriormente (pluríparas). 

Essa condição também pode ser causada por uma complicação das afecções uterinas como piometra, hemometra e mucometra, que resultam em aumento do útero por acúmulo de conteúdo intraluminal (sangue, pus ou muco). Outras possíveis causas são: diminuição do tônus uterino, diminuição dos fluídos fetais, estiramento do ligamento largo e inércia uterina que evolui para distocia.

Nas cadelas e nas gatas, a rotação ocorre ao redor do mesométrio (ligamento) com torção em sentido horário ou anti-horário em igual proporção.

Uma complicação da torção é a ruptura uterina que pode levar a um quadro grave de peritonite e óbito em casos de intervenção tardia. 

Transmissão

-Não se aplica

Manifestações clínicas

  • Dor abdominal
  • Distensão abdominal
  • Choque 
  • Hipotermia
  • Corrimento vulvar hemorrágico
  • Êmese
  • Mucosas pálidas
  • Desidratação
  • Inquietação
  • Distenção abdominal
  • Óbito

Diagnóstico

Associação entre anamnese, exames físico e complementares. Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar/ realizar:

  • Hemograma 
  • ALT-TGP
  • Fosfatase Alcalina (F.A.) 
  • Ureia
  • Creatinina
  • Ultrassonografia abdominal
  • Radiografia abdominal
  • Laparotomia exploratória

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento de eleição é cirúrgico e deve ser realizado o mais rápido possível após o diagnóstico e estabilização da paciente. Não é indicado desfazer a torção sem a realização da castração, pois desse modo há a liberação de toxinas no organismo que podem agravar o quadro e levar o animal a óbito.

A terapia de suporte deve ser instituída com fluidoterapia, antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos. Deve-se tratar a peritonite caso esteja instalada.

Prevenção

Como forma de prevenção, indica-se a castração das fêmeas que não têm fins reprodutivos.

Referências Bibliográficas

COSTA, T. I. R. Urgências reprodutivas na cadela. Universidade técnica de Lisboa, p. 36-37, 2010.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso