Tudo sobre: Toxocaríase

Introdução

A toxocaríase é causada por alguns nematódeos (vermes cilíndricos) da família Ascaridae, principalmente pelo Toxocara canis nos cães e pelo Toxocara cati nos gatos. Dentre os vermes cilíndricos que parasitam o intestinos de cães e gatos, o Toxocara é o mais frequente e por vezes podem ser vistos quando são eliminados nas fezes ou através de vômitos dos animais parasitados. Como o verme apresenta um comprimento de em média 15 cm, pode ser observado com facilidade por tutores(as) atentos.

Os vermes adultos vivem no intestino dos animais e liberam ovos em grande quantidade no ambiente através das fezes do animal. No meio ambiente (solo), acontece o desenvolvimento do parasita até o estágio de larva ainda no interior dos ovos e, dependendo das condições de clima, esse desenvolvimento pode durar semanas ou até meses para ocorrer.

A larva presente nos ovos pode sobreviver no ambiente por vários anos, até que seja ingerida por um animal e nesse estágio de evolução, chamado de infectante, é capaz de eclodir do ovo (sair do ovo) quando chega ao estômago do cão ou gato. Em seguida, penetra na corrente sanguínea sendo levada até os pulmões, onde sofre mutação para outro estágio de larva e volta para a boca do animal através da traqueia, e pode ser expelida por meio de vômito (podendo ser observada) ou engolida novamente, alojando-se no intestino até completar seu ciclo de vida chegando ao estágio adulto.

Também pode acontecer a transmissão da cadela para os filhotes durante a gestação, pois os parasitas são capazes de atravessar a barreira da placenta. Pode, ainda, ocorrer também a transmissão através do aleitamento dos filhotes. As cadelas e gatas podem se reinfectar após o parto, pois as mães têm o hábito de higienizar os filhotes, lambendo fezes e vômitos das crias.

A infecção é especialmente observada nos filhotes, por apresentarem imunidade baixa. São observadas ninhadas inteiras com sintomas como cólicas, fraqueza, emagrecimento, tosse causada pela presença das larvas nos pulmões e o abdome de tamanho bastante aumentado.

A toxocaríase é também uma zoonose, portanto, pode ocorrer infecção humana por Toxocara canis ou Toxocara cati, sendo conhecida como larva migrans visceral quando acomete humanos. Em geral, crianças em contato com solo contaminado acabam ingerindo os ovos e as larvas se alojam em órgãos do corpo causando sintomas diversos.

Transmissão

- Transplacentária

- Fezes

- Leite materno/ transmamária 

- Ingestão de hospedeiros paratênicos

Manifestações clínicas

Assintomático

- Emagrecimento

- Caquexia

- Apatia

- Êmese 

- Tosse

- Hiporexia

- Letargia

- Diarreia

- Cólica (dor abdominal)

- Distensão abdominal

- Crescimento retardado (filhotes)

Diagnóstico

Identificação visual do parasita em fezes ou vômitos ou a detecção de ovos nas fezes.

-Parasitológico de Fezes

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento é realizado com o uso de anti-helmínticos. Em casos graves, pode ser recomendada a internação para que sejam realizados cuidados gerais do(a) paciente. O tratamento da cadela ou gata é importante para que o parasita intestinal seja eliminado antes da possibilidade de infectar os filhotes.

Prevenção

O tratamento dos animais infectados é a principal forma de prevenção da doença. Cadela e gatas infectadas devem ser tratadas para evitar possíveis complicações com as ninhadas. 

O ambiente em que os animais vivem deve ser o mais limpo possível, removendo-se as fezes que podem contaminar o ambiente com ovos.

Referências Bibliográficas

BLAZIUS, Rene Darela et al. Contaminação da areia do Balneário de Laguna, SC, por Ancylostoma spp., e Toxocara spp. em amostras fecais de cães e gatos. Arquivos catarinenses de Medicina, v. 35, n. 3, p. 55-58, 2006.

CHIEFFI, Pedro P.; MÜLLER, Ernst E. Prevalência de parasitismo por Toxocara canis em cães e presença de ovos de Toxocara sp. no solo de localidades públicas da zona urbana do município de Londrina, Estado do Paraná, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 10, p. 367-372, 1976.

FUNADA, Mikaela Renata et al. Freqüência de parasitos gastrintestinais em cães e gatos atendidos em hospital-escola veterinário da cidade de São Paulo. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 59, n. 5, p. 1338-1340, 2007.

GENNARI, Solange Maria et al. Ocorrência de protozoários e helmintos em amostras de fezes de cães e gatos da cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 36, n. 2, p. 0-0, 1999.

SANTARÉM, Vamilton Alvares; SARTOR, Izidoro Francisco; BERGAMO, Fabiana Mitie Matsubara. Contaminação, por ovos de Toxocara spp, de parques e praças públicas de Botucatu, São Paulo, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 31, n. 6, p. 529-532, 1998.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso