Tudo sobre: Tumor Venéreo Transmissível Canino (TVTC)

Introdução

O Tumor Venéreo Transmissível Canino (TVTC) pode também ser conhecido como Tumor de Sticker, Condiloma canino, Granuloma venéreo ou Linfossarcoma venéreo, corresponde à neoplasia (câncer) mais comum dos órgãos genitais dos cães, podendo ocorrer em animais de qualquer raça, tanto em fêmeas quanto em machos, principalmente nas épocas mais quentes do ano.

Essa neoplasia pode ocorrer de modo espontâneo, ou seja, pode surgir sem causa específica em um animal saudável, porém é bastante comum a sua transmissão de um animal para outro durante o contato sexual. As células tumorais podem se desprender da superfície do tumor pela lambedura ou pelo contato direto, sendo implantadas geralmente na região genital, embora também possa ocorrer na mucosa oral, intranasal e outras partes do corpo.

O TVTC apresenta-se como uma massa de coloração avermelhada e aspecto de couve-flor que sangra facilmente e tem um odor bastante desagradável e característico, porém também podem ocorrer tumores com a superfície lisa e sem sangramentos, o que pode dificultar o diagnóstico clínico. 

A presença da massa tumoral pode estar acompanhada de corrimento vaginal ou prepucial sanguinolento, que devido ao incômodo provoca a lambedura constante do local pelo animal.

Transmissão

- Sexual

- Contato direto

Manifestações clínicas

A principal manifestação clínica é a presença da massa tumoral na região genital ou da face.

Pode ocorrer:

- Hematúria

- Disúria

- Corrimento vaginal

- Corrimento prepucial

Diagnóstico

Associação de sinais clínicos, epidemiologia e exames laboratoriais.

Exames que o(a) médico(a) veterinário(a) pode solicitar:

- Citologia - PAAF ou Imprint

- Biópsia

- Hemograma completo

- Albumina

- Imunoglobulina A (IgA)

- Imunoglobulina G (IgG)

- Imunoglobulina M (IgM)

- Ureia

- AST – TGO

- ALT – TGP

- Fósforo

- Gama GT

- CPK (creatinofosfoquinase)

- Fosfatase Alcalina (F.A.)

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O tratamento do TVTC é realizado com base em medicamentos quimioterápicos para a regressão da massa tumoral apesar de ser possível a realização da remoção cirúrgica do tumor. 

Como o TVTC não é classificado como maligno, a utilização de quimioterapia é vantajosa por ser menos agressiva do que o procedimento cirúrgico, principalmente quando se considera que a curto prazo a cirurgia é bastante resolutiva, porém pode ocorrer a recidiva do tumor algum tempo depois (recomenda-se a quimioterapia após a cirurgia).

Em alguns casos pode haver ainda a regressão espontânea da massa do tumor, isto é, o tumor aparentemente desaparece sozinho, porém mesmo que exista essa possibilidade, sempre um(a) médico(a) veterinário(a) deve ser consultado, uma vez que um tumor venéreo não tratado pode causar complicações. O tratamento sempre é recomendado.

Prevenção

A manutenção de cães domésticos com acesso à rua, ou animais abandonados nos centros urbanos, além de ser um risco para a transmissão do TVTC, predispõe a proliferação de diversas doenças infecciosas.

A castração dos cães é uma das melhores formas de prevenção do TVTC - já que minimiza a busca por parceiros e possível contato com animais acometidos.

Referências Bibliográficas

BATISTA, Jael Soares et al. Tumor venéreo transmissível canino com localização intra-ocular e metástase no baço. Acta veterinária brasílica, v. 1, n. 1, p. 45-48, 2007.

DE ARAUJO SANTOS, Francisco Glauco et al. O tumor venéreo transmissível canino–aspectos gerais e abordagens moleculares (revisão de literatura). Bioscience journal, v. 21, n. 3, 2005.

FERNANDES, Ciciane Pereira Marten et al. Tumor venéreo transmissível canino com metástase encefálica. Semina: Ciências Agrárias, v. 34, n. 2, p. 3929-3933, 2013.

FERREIRA, Caroline Gracielle Torres et al. Tumor venéreo transmissível canino (TVTC): Revisão de literatura. PUBVET, v. 4, p. Art. 802-808, 2010.

FILGUEIRA, Kilder Dantas. Tumor venéreo transmissível canino com localização primária e única em cavidade oral. Acta Scientiae Veterinariae, v. 38, n. 1, p. 91-94, 2010.

SANTOS, J. P. Tumor venéreo transmissível em um canino com acometimento de pele. Medicina Veterinária (UFRPE), v. 2, n. 2, p. 39-43, 2011.

SILVA, Márcio César Vasconcelos et al. Avaliação epidemiológica, diagnóstica e terapêutica do tumor venéreo transmissível (TVT) na população canina atendida no hospital veterinário da UFERSA. Acta Veterinaria Brasílica, v. 1, n. 1, 2007.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso