Tudo sobre: Vaginite

Introdução

Vaginite é um processo inflamatório que ocorre na mucosa da vagina ou no vestíbulo vaginal. É mais comum em cadelas do que em gatas e acomete animais de quaisquer raças e idade, castradas ou não. A vagina possui ambiente de pH ácido sendo mais resistentes às infecções, porém em casos de depressão da imunidade de mucosa, presença de corpos estranhos vaginais, dermatites perineais, pregas cutâneas mais sobressalentes ou em casos de malformações de pele, o ambiente pode se tornar propício à multiplicação de fungos como Candida sp. e bactérias oportunistas como Staphylococcus sp. e Streptococcus sp., encontrados na microbiota normal da região. Outros microrganismos envolvidos com a doença são os herpesvírus, Brucella e Mycoplasma. Além disso, vírus e bactérias também podem ser transmitidos via coito.

Em um trabalho realizado em 1992, com 223 coletas de material vaginal de gatas para cultura microbiológica, foram encontradas em 30% dos exames bactéria da espécie Escherichia coli, Streptococcus sp. foram isolados em 17,9% dos casos, Staphylococcus aureus em 7,2%, Corynebacterium pyogenes em 5,8% e Proteus vulgaris em 2,3% das culturas. 

As vaginites são causas importantes de infecções ascendentes para útero levando a abortos ou morte fetal após o nascimento. Também estão associadas às infecções de bexiga (cistites). Estas infecções podem ser severas e recorrentes, com aparecimento de hemorragias graves que podem evoluir para a morte do animal. Outra complicação ocorre quando essas bactérias que chegaram à bexiga ascendem pelos ureteres e chegam aos rins, levando à pielonefrite onde o animal apresenta sinais sistêmicos de infecção. 

As vaginites podem causar desconforto na região levando o animal a lambeduras constantes e traumatismos com retração vulvar.

Transmissão

- Sexual

Manifestações clínicas

- Lambeduras constantes na vulva e região perivulvar

- Região perivulvar úmida e pelos unidos

- Prurido

- Eritema

- Edema vulvar

- Ferimento perivulvar

- Corrimento

Diagnóstico

- Exame clínico e histórico

- Vaginoscopia

- Citologia

- Cultura e antibiograma

- Urinálise em animais com histórico de alterações na micção

- Mensuração do pH vaginal

Observação: A realização e a definição de necessidade de exames complementares são decisões do(a) Médico(a) Veterinário(a). 

Tratamento

O principal objetivo do tratamento é reduzir os sintomas e restabelecer o equilíbrio da microbiota local.

Em caso de cadelas pré-púberes geralmente há resolução espontânea após o primeiro ciclo estral. Já em animais em estro (cio), deve-se acompanhar a evolução da doença.

Se houver alteração no pH da vagina, pode-se usar acidificantes como vitamina C e lavagem da vulva com Lactobacillus acidophilus diluído em água. Antibióticos sistêmicos podem ser necessários em alguns casos e devem ser indicados por um(a) Médico(a) Veterinário(a) .

Pomadas locais contendo estrogênio em sua formulação podem ser eficazes, porém outras pomadas vaginas antibióticas como as usadas em humanos, podem piorar o quadro. É importante não deixar o animal lamber a região e o uso de colar elisabetano pode ser necessário. 

Prevenção

Manter o status de saúde geral do animal é muito importante, então visitas regulares ao(à) Médico(a) Veterinário(a) são sempre necessárias. Uso de sabonetes com pH adequado para os animais equilibram a microbiota da pele e da região vulvar. 

Referências Bibliográficas

SANTOS, Renato de Lima; NASCIMENTO, Ernane Fagundes do; EDWARDS, John F. Sistema Reprodutivo Feminino. Em: Patologia Veterinária/Renato de Lima Santos e Antonio Carlos Alessi. Ed. Roca, 2.ed., p. 1274,1276, 1277, Rio de Janeiro, 2016.

OLIVEIRA, Clair Motos de. Afecções do Sistema Genital da Fêmea e Glândulas Mamárias. Em: Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos / Márcia Marques Jericó, Márcia Mery Kogika, João Pedro de Andrade Neto. Ed. Roca, 1 ed., p. 4674- 4676, Rio de Janeiro, 2015.

ANDRADE, Juliana Braga. Estudo microbiológico e citológico do trato genital de gatas domésticas. Dissertação apresentada no curso de pós-graduação em Microbiologia Veterinária da Universidade Rural do Rio de Janeiro, 2006.

SCHOCKEN-ITURRINO, R.P.; VICENTE, G.H.; JARDIM, J.P.C.; PUGLIESES, A.C. Bactérias patogênicas isoladas da microbiota vaginal de gatas ( Felis cattus ) consideradas clinicamente sadias. Anais do XIV encontro de Pesquisa Veterinária. UNESP, Jaboticabal, v. único, p. 97, 1992.

Recomendamos levar o seu pet a um médico veterinário para um diagnóstico preciso