Por que alguns locais têm surtos de esporotricose?

O primeiro caso aconteceu ainda no século XX, nos Estados Unidos, mas surtos de esporotricose estão se tornando cada vez mais frequentes no Brasil e no Mundo.

A princípio, você sabe o que é esporotricose? É uma micose subcutânea causada por um fungo chamado Sporothrix schenckii. Esse tal fungo atinge especialmente os gatos, mas também pode acometer humanos e outros animais.

Por que alguns locais têm surtos de esporotricose?

Embora o gato seja o principal vetor, a espécie não deve ser responsabilizada por surtos de esporotricose. Afinal de contas, eles são vítimas ao invés de vilões. Isso porque a pessoas são as responsáveis por tomar as devidas providências.

Devido à fácil transmissão, os casos da doença em humanos têm sido cada vez mais comuns aqui no Brasil. Mais de 300 pessoas foram diagnosticadas com esporotricose entre 2018 e 2019 na cidade de João Pessoa, por exemplo.

A única forma de contágio humano é por meio do contato com animais ou meios contaminados pelo fungo. Ou seja, não há transmissão entre pessoas. Isso quer dizer que deixar que os animais tenham acesso à rua ou ter contato direto com plantas e solo que tenham o fungo faz com que haja cada vez mais o aumento do número de casos.

Por que acontecem?

Por ainda ser uma doença pouco conhecida pela população, a transmissão acontece desmedidamente. Um gato infectado, por exemplo, deve ser isolado imediatamente e tratado somente por uma pessoa usando luvas e outros equipamentos adequados. Isso para para que não tenha contato direto com as lesões e secreções do pet.

Porém, ainda não há nenhum tipo de medida de controle a nível nacional. E, para piorar, essa não é uma doença de notificação obrigatória no País. Ou seja, não há informações concretas sobre casos de infecção.

As maneiras de transmissão de esporotricose são por arranhadura, mordedura ou contato direto com feridas infectadas. Então, dá pra imaginar o quão rápido é a transmissão da doença entre gatos em situação de rua. Afinal, ocorrem muitas brigas por alimentos e territórios.

Além disso, a enfermidade costuma ocorrer em pessoas que trabalham com plantas e com o solo, por isso é popularmente conhecida como a “doença do jardineiro”. Sem utilizar os equipamentos ideais para o trabalho, essas pessoas pegam o fungo facilmente. 

Como prevenir surtos de esporotricose?

O aumento gradativo do número de casos de esporotricose está diretamente relacionado à falta de informação. Assim, a melhor alternativa é conscientizar a população sobre a doença, além de prover um tratamento especializado para a pessoa ou animal que esteja infectado.

Graças à falta de conhecimento juntamente com a de controle, a esporotricose vem se alastrando em regiões isoladas do País. Mas, devido à facilidade de transmissão, tem potencial de se tornar uma epidemia, caso nenhuma medida preventiva seja tomada.

Lembre-se: nenhum pet contaminado deve ser abandonado – muito menos eutanasiado! Eles precisam de um tratamento para que possam voltar a viver de maneira saudável.

Sobre o autor

Gabriel Arruda

Gabriel Arruda

É Jornalista, apaixonado por pets e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.