5 dicas para te ajudar a escolher um filhote

Escolher um filhote pode ser a coisa mais animadora de se fazer! Saber que você terá um novo morador peludo em casa traz muita alegria e ansiedade. Mas é importante saber que você não deve tomar essa decisão por impulso. A chegada de um cachorro traz mudanças na sua rotina, você terá gastos, tarefas novas, muita responsabilidade e também muito mais alegria e amor.

Então você decidiu escolher um filhote de cachorro, certo? Certo. Então vamos a alguns passos básicos para fazer essa escolha da forma mais consciente.

Filhote não é brinquedo

O que se vê muito por aí (muito mesmo) são pessoas que pegam um cachorrinho para dar de presente, principalmente para o filho ou filha pequenos que vivem pedindo um cachorrinho: “por favor, mamãe, eu quero um cachorrinho fofinho”. Aí a pessoa vai lá, escolhe um filhotinho lindo, entrega para a criança que não sabe nem cuidar dela mesma ainda e o pobre coitado do animalzinho fica jogado pelos cantos, sem cuidados. Muitas vezes esses cachorrinhos acabam sendo abandonados quando deixam de ser filhotes, ou mesmo antes disso por serem bagunceiros, destruir as coisas e fazer as necessidades no meio da casa.

Minha gente, um filhote de cachorro é como um bebê. Ele não sabe o que faz e precisa aprender, precisa ser ensinado. Claro que vai dar trabalho e você terá que doar boa parte do seu tempo e ter bastante paciência para ensinar o novo morador peludo as regras da casa.

Por isso vou frisar mais uma vez: ESCOLHER UM FILHOTE DE CACHORRO É UMA DECISÃO SÉRIA E EXIGE MUITA RESPONSABILIDADE.

“Pronto, tenho absoluta noção das responsabilidades e tenho a certeza de que darei muito carinho e atenção para um novo cachorrinho”. Ótimo.

“Como faço para escolher um filhote, então?”

 

Verificando a minha rotina

Raça, tamanho, necessidades, habilidades… os cachorros possuem características que vão te ajudar a definir como escolher corretamente um filhote. Antes de mais nada, observe a rotina na sua casa. Você possui bastante espaço ou mora em um apartamento pequeno? Trabalha o dia inteiro ou o cachorrinho terá companhia durante o dia? Ele vai conviver com crianças? Você tem bastante tempo disponível para o cachorro ou leva uma vida mais agitada?

Todas essas são perguntas importantíssimas para te ajudar a escolher um filhote.

O tamanho da casa influencia no porte do animal. Se você mora em um apartamento muito pequeno não deve procurar um cachorro grande ou que tenha instinto de caçador. Já se possui bastante espaço, pets grandes ou pequenos vão fazer a festa.

 Alguns cachorrinhos são muito dependentes e podem desenvolver doenças como ansiedade e depressão se ficarem muito tempo sozinhos. Já outros possuem uma personalidade mais independente e não se importam de passar algumas horas sozinhos por dia. É importante observar na sua rotina, principalmente de trabalho, como será essa relação com o seu novo cachorrinho.

Cachorros, principalmente os filhotes, veem crianças e bebês como um animal da mesma espécie e, às vezes, se for um cachorro muito agitado, pode não ser uma boa opção para se ter em um ambiente com crianças. Mesmo que o animal não seja agressivo, o cachorro não tem noção da sua força e uma simples brincadeira pode acabar machucando, sem querer, uma criança. No caso, opte por um filhotinho mais calmo e tenho certeza que rapidamente ele será o melhor amigo da criança.

Pelos longos ou curtos fazem a diferença na hora de escolher um filhote para morar com você. Cachorros de pelos longos exigem um cuidado praticamente diário com escovação. Além disso, alguns precisam de tratamentos especiais (feitos principalmente no petshop) como hidratação. Parece frescura, mas é questão de saúde. Pelos longos, se forem deixados sem cuidados, fazem nós terríveis no cachorrinho podendo até machucá-lo, sem contar os pelos que vão caindo e acabam ficando presos no próprio cachorro. Por um lado isso é bom, já que a casa não fica cheia de pelo solto, mas se os cuidados que citei não forem tomados, seu cachorrinho que acabará sofrendo. Já os cachorros de pelo curto não apresentam esse problema, mas costumam perder mais pelos.

 

Escolher um filhote da ninhada.

Não estou restringindo esse post apenas a cachorros de raça, que serão comprados. Essas dicas são válidas para escolher um filhote seja no petshop, no abrigo ou em algum grupo do facebook que esteja doando filhotinhos, ok? Claro que quando o cachorro é de raça, você acaba tendo uma noção maior da personalidade dele, mas isso também não é garantia de nada já que a forma como você vai cuidar dele será a maior responsável pela personalidade que o cachorro terá.

Pois bem. Você está diante daquela ninhada recheada de bebês peludos e saltitantes. Oh, céus! A vontade de pegar todos e sair abraçando e beijando todos os focinhos é a que impera, eu te entendo. Mas temos que manter o foco para escolher aquele que será o novo bebezinho da família.

Dentro de uma ninhada você consegue identificar mais facilmente três tipos de filhotes:

O dominante: esses cachorros costumam ser os líderes da matilha. São destemidos e valentes e também muito teimosos. Esses “doguinhos” podem vir a ser ótimos companheiros e até protetores, mas vão precisar de bastante treinamento e dedicação do dono, se não vão se tornar incrivelmente desobedientes e podem até se tornar agressivos. Não são muito indicados para o convívio com crianças por esses motivos.

O submisso: oposto do dominante, o filhote submisso é bem medroso. Geralmente é o mais mirradinho da ninhada, fica escondido em algum canto. Dá dó de ver, realmente, mas ele também vai precisar de bastante atenção se for o escolhido. Um cachorrinho medroso pode desenvolver alguns transtornos como ansiedade, pode até ficar agressivo se deixarem que ele seja tomado pelo medo excessivo, principalmente de humanos. Mas se receber a atenção correta, pode vir a ser o cachorro mais mansinho do mundo.

O intermediário: como o próprio nome já diz esse tipo de filhote possui o melhor dos dois mundos. Não é extremamente medroso, mas também não quer dominar a família. Nesse caso a forma como ele vai ser criado por você vai determinar qual lado ele vai puxar ou se vai manter-se equilibrado.

 

O truque das chaves

Existe um método utilizado para identificar cada um dos tipos de filhotes descritos a cima. É bem fácil: basta você deixar cair um molho de chaves perto da ninhada. O filhote que sair correndo e se esconder é submisso, aquele que de pronto vier cheirar as chaves é o dominante e aquele que tomar um susto, mas depois se aproximar aos poucos é o intermediário.

Mas sempre lembrando que isso é uma observação generalizada, a personalidade do animal vai ser muito influenciada pela vivência dela na nova casa.

 

Atenção aos detalhes

O lugar onde você vai escolher um filhote deve ser pesquisado e escolhido com cuidado. Seja direto de um criador, de um petshop ou de um abrigo, certifique-se de que o local preza pela saúde e o bem estar do animal. Verifique as condições do local onde o filhotinho é mantido, a higiene, o conforto… Se possível peça para ver os pais dos filhotinhos, assim você pode ter uma noção do tamanho que o filhote vai ficar e já perceber qual direção de personalidade ele vai seguir.

Fora isso, atenção à saúde do filhote que pretende escolher bem como de todos os animaizinhos que estão no local. Como disse neste post aqui, filhotes de cachorro são como bebês, muito sensíveis e suscetíveis a doenças e precisam de um ambiente saudável para crescerem saudáveis.

 

UFA! Esse texto foi longo, mas se você seguir essas 5 dicas + a certeza de que está na hora certa de escolher um filhote + o amor de sobra para dar ao novo peludinho, posso te garantir que dessa equação o resultado vai ser uma casa lotada de amor e gratidão!

Sobre o autor

Bruna Cela

Bruna Cela

Publicitária e aspirante a empresária. Mãe coruja da Sunny, daquelas que posta mil fotos no Instagram (como essa aí de cima). Ama tudo o que é relacionado a arte e a escrita é sua melhor ferramenta de expressão. Conversa com todos os pets que encontra pelo caminho e jura que, na maioria das vezes, eles respondem.

Deixe um comentário