Como cuidar de um cachorro com câncer

Descobrir que o seu cachorro está com câncer é, inevitavelmente, um choque. Mas, passado o baque inicial, é preciso encarar o desafio e se planejar para ajudar o pet da melhor maneira possível.

E esse planejamento fica ainda melhor com a ajuda de um médico veterinário oncologista, pois é ele quem pode indicar o melhor tratamento. Pelo bem do seu cão, nada de recorrer a “consultas” com amigos ou familiares e, por favor, fuja de qualquer receita milagrosa, afinal, mesmo com a melhor boa vontade, você pode colocar o seu pet em risco, num momento em que a saúde dele já está fragilizada.

Cachorro-cancer-Petlove

Na conversa com o médico veterinário para planejar os próximos passos, não esqueça de anotar todas as recomendações que ele passar e também de não sair do consultório com qualquer dúvida. Terminado o encontro, não perca tempo e comece a pôr em prática tudo aquilo que foi combinado.

Seguir à risca as recomendações do doutor ou da doutora é a melhor forma de você cuidar do seu cachorro e contribuir para uma melhor qualidade de vida dele. Portanto, o médico pediu para mudar a ração, dar um medicamento e alterar o volume de atividades físicas? Então, faça tudo exatamente como ele indicou e compareça às consultas de retorno – que você já deixou marcadas – para contar como tem sido a evolução do seu companheiro.

Tratamento em casa

Na vida domiciliar, existem algumas práticas que te ajudam a lidar com o cachorro que está com câncer. A primeira delas é garantir que o seu pet está se alimentando de acordo com as expectativas médicas. 

Lembre-se que dependo da região em que o câncer aparece, tanto o apetite do cãozinho quanto a sua capacidade de alimentação podem ser prejudicados, por exemplo: neoplasias gástricas, neoplasias em intestino grosso e neoplasias em traqueia e laringe. Porém, Independentemente da doença, o importante é que o seu pet não fique sem comer, pois o corpo doente precisa ainda mais dos nutrientes que as refeições oferecem para conseguir combater os males internos. 

Fique de olho também nas fezes e urina do seu peludinho, pois elas ajudam a entender a condição de saúde atual. Cores, texturas e odores incomuns não são bons indicativos e precisam ser comunicados ao médico veterinário.  

Acompanhe de perto o comportamento do seu peludinho e observe se ele está mancando, com alguma dificuldade em andar, ofegante ou recusando-se a deitar, pois estes são indicativos de que o bichinho está sentindo alguma dor. 

Continuar brincando com o cão também é super importante, pois é uma maneira de fazê-lo sentir-se mais feliz. Tome cuidado, claro, para respeitar sempre a vontade do animal e não ultrapasse seus limites físicos. Um simples passatempo de “pegar” a patinha já pode deixá-lo mais confortável e confiante de saber que você está por perto.

Aliás, manter-se presente é o que vai realmente fazer a diferença. Ser um pai ou uma mãe presente na hora em que o filho peludinho mais precisa é um ato de amor representativo, transformador e que faz o cachorro perceber que não está sozinho na luta.

Por isso, mime bastante o seu cachorrinho, ofereça a ele um brinquedo novo, uma cama mais confortável e sessões extras de carinho. Poucos remédios têm efeitos tão imediatos quanto a “pílula do amor”, que você pode oferecer em grandes doses e sem nenhuma contra-indicação.

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.