Cadastre-se e ganhe 15% OFF na primeira compra!

Cachorro com dificuldade de adaptação

A chegada de um novo cachorrinho requer atenção e cuidado. Tudo isso para que ele possa se adaptar o mais rápido possível ao novo lar e rotina.

Eu precisei escrever sobre esse tema depois dos atendimentos da última semana. Dois filhotes deliciosos ganharam novos lares. Fui chamada por ambas as famílias para facilitar o processo de adaptação dos novos integrantes. Vai muito além de ensinar xixi e cocô no lugar certo.

Cachorro idoso dentro de uma caixa de papelão

Como fazer a adaptação correta

O primeiro e mais fundamental passo é compreender de onde o cão está vindo. De um abrigo? Um canil? Da casa de uma família? O ideal é tentarmos mimetizar ao máximo situações que aconteciam no local anterior a nossa casa. Não só em termos de espaço, mas também em cheiros, sons e rotina.

Nada de chegar na casa nova e mudar ração, caminha, horário da alimentação, forma de dormir (se sozinho ou acompanhado), etc. Toda novidade pode ser lida com estranhamento pelo cão, deixando-o mais inseguro. É nesse momento que começam os latidos e choros.

Vamos alguns itens que você deve prestar atenção:

  • Tamanho do espaço que ele irá ficar. Se o pequeno vier de um canil ou abrigo, provavelmente ele estará acostumado com espaços menores. Então, já abrir a casa toda pode deixar o animal perdido. Por isso, o ideal é reduzir o espaço do peludo nos primeiros dias para facilitar encontrar água, tapete higiênico, caminha e brinquedos.
  • Cheiro. Muitos marinheiros de primeira viagem montam o kit filhote já com um perfume. Também tem aqueles que colocam vários difusores perfumados pela casa, para evitar o cheiro de cachorro. Tudo isso é muito agressivo para o olfato do cão e pode deixa-lo bastante irritado, dificultando a adaptação. O ideal é levar um pano ou toalha com o cheiro do local que ele estava. Assim ele se sentirá mais confortável.
  • Nada de agarrar o cachorro o tempo todo. Quem adquire uma bolinha de pelos quer mais é pegar no colo, abraçar, agarrar e beijar. Mas isso é terminantemente proibido. A não ser que o cachorro busque esse tipo de carinho. Forçar o animal a ficar no colo pode dificultar, e muito, a adaptação do animal com a família. Ele pode começar a ter medo das pessoas, se não gosta de ser contido. Segure o espírito Felícia!
  • Brinque em momentos que o cachorro esteja disposto. É natural que o cachorro chegue mais tímido e quieto na casa nova. É um ambiente diferente, que precisa ser explorado. Se ele quiser ir devagar, deve ser respeitado. Por isso, nada de ficar cutucando o cachorro, jogando brinquedo para ele pegar ou provocando para alguma brincadeira muito agitada. Tudo é novidade para humanos e cão.
  • Conheça a personalidade do cachorro. Vários estudos já mostraram que assim como humanos, os cães têm personalidades distintas. E isso começa a ser desenvolvido ainda no útero da mãe. Alguns cães são mais medrosos e sensíveis. Se não respeitados, podem se tornar reativos e até agressivos. Já tem aqueles outros super animados e cheios de energia. Nesse caso, o tédio e a falta do que fazer podem ser um grande problema, que poderá levar a destruição e comportamentos indesejados.

Como adaptar um cachorro adulto

A grande diferença de adaptar um cão filhote e um adulto é o tempo. Sabe aquela história que cachorros mais velhos não mudam de comportamento e tem dificuldade para lidar com casa/família nova? Pura balela! Cães adultos e idosos podem ganhar um novo lar e se adaptar facilmente a ele. Tudo vai depender da paciência dos humanos, das expectativas criadas e do empenho de cada um da casa.

Não adianta eu esperar que um adulto se adapte na mesma velocidade que um filhote. Um cão mais velho pode levar até seis meses para estar completamente adaptado ao novo lar. Mas a cada dia devemos apresentar algo novo ao animal, que seja do interesse dele.

Não adianta eu comprar todo um enxoval antes dele chegar, sem conhecer a personalidade e gostos dele. Isso é o caminho perfeito para a frustração. Você pode ter comprado o ursinho de pelúcia mais caro do pet, mas se o cão não tiver costume de interagir com esse tipo de brinquedo, já era.

A principal dica para facilitar a adaptação de um cão adulto ou idoso é ir aos poucos. Conheça o animal e dê a ele coisas do seu agrado. Vá testando aos poucos, introduza um item por vez. Aos poucos você vai apresentando a rua, a rotina, os passeios e como será a vida dele daqui para frente.

Pode parecer algo difícil, de outro mundo. Mas eu juro que com dedicação, paciência e observação da natureza do cão, filhotes, adultos e idosos se adaptarão fácil, fácil à nova realidade.

Se surgir algum problema ou dificuldade, não deixe de contratar um profissional do comportamento para lhe ajudar nesse processo. Uma adaptação bem feita, com associações positivas é o melhor portal para um amizade eterna de confiança e carinho.

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Luiza Cervenka

Luiza Cervenka é bióloga, com mestrado em Psicobiologia (comportamento animal), Pós-graduação em Jornalismo e doutoranda em Medicina Veterinária. Assina o blog Comportamento Animal do Estadão e tem quadro pet no Programa Revista da Manhã na TV Gazeta. Atende cães e gatos como Terapeuta Comportamental.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.