Como ajudar um cachorro engasgado?

Conhecer técnicas de primeiros socorros geralmente é algo que colocamos em nossa lista do “preciso aprender”, mas que sempre deixamos para outro dia. Infelizmente, é só na hora da emergência que nos damos conta do quanto não ter aprendido lições simples podem significar a continuidade da vida de alguém.

Para quem tem cachorro em casa, a história não é diferente e muitos pais e mães de pets ainda não sabem como agir caso o cão engasgue e não consiga, por conta própria, se livrar daquilo que está obstruindo a sua garganta.

Cachorro-engasgado-Petlove

Para aumentar o nível de segurança em casa e garantir que os cachorros fiquem bem, mesmo quando aprontarem das suas, nós preparamos esse guia ensinando como desengasgar um cachorro, mas depois que fizer o procedimento, procure imediatamente um médico veterinário para avaliar seu pet. 

Aja rapidamente

Os cães estão sujeitos a engasgos diariamente, afinal, muitos grãos de ração na boca sem mastigar, pedaços de brinquedos, peças de roupas ou objetos que eles encontram pela casa e abocanham podem entalar na garganta e provocar um “Deus nos acuda”.

Ao ouvir aquele som de tentativa de tosse frustrada ou perceber uma agitação anormal do cachorro, vá imediatamente ajudá-lo. Abra a boca do cão e utilize o dedo indicador como “anzol” (em pets menores utilize o dedo mindinho) para retirar aquilo que está bloqueando a via respiratória do cachorro. Tome cuidado, pois algumas estruturas que ficam no canto da boca podem ser confundidas com objetos. Utilize uma lanterna (pode ser a do celular) para ter uma visão melhor do que está fazendo e se há algo ali que precise ser removido.

Caso o alimento ou objeto esteja fora de alcance, será necessário colocar em prática uma técnica conhecida como Manobra de Heimlich, que é idêntica ao procedimento realizado em humanos quando se engasgam. Lembre-se que ela só deve ser feita em caso de sufocamento, quando o engasgo é bem intenso e o animal tem uma dificuldade nítida de respirar e não somente em casos em que ele está tossindo, por exemplo.

Cachorros de pequeno e médio porte

A técnica para socorrer os peludinhos varia de acordo com o porte do animal. Vamos começar explicando aquela indicada no caso dos cachorros que não são muito grandes e pesados, os quais você consegue pegar no colo.

1 – Pegue o cachorro no colo, posicionando as costas dele sobre o seu estômago, de maneira que as pernas do pet fiquem livres e seu pescoço erguido.

2 – Cruze as suas mãos em volta no cachorro, mantendo os punhos logo abaixo da caixa torácica (das costelas) do cão .

3 – Pressione os punhos em direção à sua barriga e na sequência para cima, na direção do seu queixo. Repita o movimento três vezes e veja se o cachorro conseguiu expelir aquilo que o estava engasgando. Em caso negativo, repita o procedimento até obter êxito ou conseguir atendimento médico veterinário. Apesar de ser um movimento mais brusco, tome cuidado com a intensidade, especialmente em cães menores. 

Cachorros de porte grande ou gigante

Como não dá pra manter o animal no colo, o procedimento deve acontecer da seguinte forma:

1 – Coloque o cachorro no chão e deitado de lado.

2 – Fique de joelhos atrás do pet e encoste suas pernas na coluna dele.

3 – Feche uma das mãos e coloque-a abaixo da caixa torácica (mesmo local citado anteriormente, você irá sentir uma região mais macia, que é o estômago do animal). 

4 – O movimento é idêntico ao anterior: force a mão fechada para dentro e em direção à cabeça do animal, simultaneamente. Repita até desengasgar o cachorro ou conseguir ajuda médica veterinária.

Além de aprender a técnica, é muito importante que você compartilhe com toda a família o ensinamento, assim aumenta a segurança do bichinho. Em caso de emergência, procure manter a calma para conseguir aplicar a técnica e ajudar o cachorro da melhor maneira. 

Mesmo que aparentemente o cachorro consiga expelir aquilo que o estava incomodando, é necessário mantê-lo sob supervisão pelas próximas horas e procurar ajuda profissional a qualquer sinal de desconforto, como dificuldade em respirar, tosses e vômitos.

A missão “anjo da guarda” só pode se dar como concluída quando o médico veterinário atestar que realmente está tudo ok com o seu filho de quatro patas!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.