Como cuidar de um gato

Talvez você ache que cuidar de um gato seja fácil. Por serem mais independentes que os cães, não é raro que algumas pessoas pensem desta forma, mas este é um grande engano!  Os gatos são sim mais independentes que os cachorros, mas necessitam de alguns cuidados mais específicos e obviamente de muito amor e carinho, fatores universais.

Antes de ter um pet, é preciso analisar bem o tipo de vida que você possui, estar disposto a mudar alguns hábitos e adequar outros ao seu dia-a-dia. A primeira questão que você deve resolver é: prefiro um adulto ou filhote? Os dois demandam cuidados diferentes e isso deve ficar claro na sua mente. Gatos filhotes são mais dependentes e necessitam de atenção o tempo inteiro. Quando um filhote órfão é adotado, cuidados como alimentação devem ter atenção dobrada. Lembre-se: gatos filhotes são bem parecidos com crianças!

Diferentemente dos cães, os gatos não necessitam de caminhadas no parque, porém possuem bastante energia, que precisa ser gasta de forma adequada para a espécie.  

Arranhadores, brinquedos e petiscos são ótimas opções para distrair os bichanos.

Cuidados indispensáveis com os gatos

Assim como os cachorros, os gatos necessitam de cuidados essenciais como vacinas, boa alimentação e estimulação para não se tornarem sedentários. O sedentarismo pode levá-los ao extremo estresse e desencadear diversos problemas.

  • Vacinas: Os gatos necessitam de vacinas para os proteger de diversas doenças que podem ser fatais. Além da anti-rábica que é obrigatória por lei, existem três tipos de vacinas para os gatos e apenas o médico veterinário saberá qual a melhor para cada caso. .

 

  • Alimentação: quando jovens, os gatos precisam receber o leite materno. Isso garantirá que sua imunidade seja melhor e mais efetiva. Após o desmame, pode ser introduzida a ração seca e úmida em sua alimentação. É importante frisar que gatos não podem comer ração para cachorro, pois esse tipo de alimentação não possui todos os nutrientes necessários para os felinos domésticos.
  • Brincadeiras: as brincadeiras também são indispensáveis. Brinquedos específicos como ratinhos e apontadores de laser, ou até mesmo bolinhas de papel, são uma boa opção. O importante é distraí-los e diverti-los!

 

  • Arranhadores: é necessário que seu gato tenha pelo menos um arranhador para afiar suas unhas. Caso não tenha esse utensílio, pode ser que ele procure objetos semelhantes, como o sofá, por exemplo. Talvez seja necessário cortar as unhas do seu gato caso elas estejam muito grandes.

Estes são os principais cuidados que se deve ter com um gato. Frisamos que a visita ao médico veterinário deve ser frequente.

 

Sobre o autor

Gabriela Azevedo

Gabriela Azevedo

Formada em design gráfico e cursando medicina veterinária, profissão que herdei paixão graças ao meu pai. Catlover e apaixonada pelos meus 6 gatinhos (Tchantcham, Drake, Josh, Marie, Maysa e Cara Preta -in memoriam- ♥) e pelos pets agregados que fazem parte da minha vida (todos os que encontro. bem doida dos bichos!).

4 Comentários

  • Tenho um gatinho em casa que era do meu filho. Vivia confinado no quarto com ele que estava com depressão em último grau. Veio a falecer em fevereiro de 2019. Aos poucos fui adaptando através de uma guia ao mundo externo. Abri o quarto, portas e janelas e deixei que ele ficasse bem a vontade com supervisão. Até aí tudo bem. De uns três dias para cá parou de comer, usar o sanitário, faz xixi em todos os cantos do quarto, fica praticamente imóvel. Quando faço carinho ele rocoronca, mas só isso. Não responde às brincadeiras. Moro numa casa grande e tenho putos animais, gatos e cachorros, mas me dedico mais de uma hora por dia perto dele. Fico deitada juntinho dele, procuro ficar encostada, mas não sinto reação alguma. Começou com uma descamação no pelo. Já conversei com vários veterinários e nenhum deles soube me dar um diagnóstico. É vacinado, vermifugado e era super saudável. Estou super preocupada. Ele é um ele entre eu e meu filho que se suicidou. Me ajude por favor.

    • Sinto muitíssimo pela sua perda, Eliane!
      Por conta da perda brusca, o seu gatinho também está sentindo muito falta do companheiro dele. E muito provavelmente a perda de pelo seja decorrente ao estresse.

      Espero que tudo fique bem logo, do fundo do meu coração!
      Um abraço bem carinhoso de uma catlover.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.